flow final portugues press.qxp - IUCN Portals

Loading...
flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:57

PÆgina 1

Editado por Megan Dyson, Ger Bergkamp and John Scanlon

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:57

PÆgina 2

A denominação entidades geográficas neste livro e a apresentação da matéria não implicam qualquer expressão de opinião da UICN no que diz respeito ao estado legal de qualquer país, território ou região, das suas autoridades ou relativo à delimitação das suas fronteiras. As opiniões declaradas nesta publicação não refletem necessariamente as da UICN. Esta publicação foi possível em parte pelo financiamento do Governo do Reino Unido, em parte pelo Governo dos Países Baixos e pela Iniciativa de Água e Natureza. Publicado por:

UICN - Unión Mundial para la Naturaleza, Gland, Suíça

Edição da versão em português:

UICN-Sur, Escritório Regional para América do Sul e ROSA, Escritório Regional para África do Sul

Copyright:

© 2007 Unión Internacional para la Conservación de la Naturaleza y de los Recursos Naturales Esta publicação pode ser reproduzida para propósitos pedagógicos ou para fins não lucrativos sem a prévia autorização por escrito dos detentores de direito de autor, desde que a devida creditação da fonte seja observada. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida para revenda ou qualquer fim comercial sem a devida autorização, por escrito, do detentor de direitos de autor.

Citação:

Dyson, M., Bergkamp G., Scanlon J. (Editores). Fluxo — Elementos essencias de fluxos ambientais. UICN, Gland, Suíça,132 pp.

ISBN:

978-2-8317-1013-6

Desenhado por:

Melanie Kalendars

Editores:

Chris Spence, Elroy Bos

Tradução:

Margret Chipara

Tradução revisada por:

Luciana Ferraz

Impresso por:

Efrén Icaza

Distribuição:

Unión Mundial para la Naturaleza (UICN) Oficina Regional para América del Sur Shyris 2680 y Gaspar de Villarroel, PH Quito-Ecuador Tel +593 2 226 1075 Fax +593 2 226 3075 [email protected] www.sur.iucn.org/publicaciones/ The World Conservation Union (IUCN) Publications Services Rue Mauverney 28 1196 Gland Switzerland Tel +41 22 999 0000 Fax +41 22 999 0010 [email protected] www.iucn.org/publications Está também disponível um catálogo das publicações da UICN

O texto do livro original é impresso em papel isento de cloro

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:57

PÆgina 3

Índice Mensagens-chave

...........................................................................................

6

Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 Editores e Autores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 Agradecimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Capítulo 1. Iniciação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 1.2 Definição

..................................................................................................

16

1.3 Beneficios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 1.4 A realidade

..............................................................................................

19

1.5 As compensações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Capítulo 2. Definição de necessidades hídricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 2.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 2.2 Definir Objetivos ou Negociar Cenários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 2.3 Métodos para definir as necessidades de fluxo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 2.4 Abordagens holísticas e o recurso a peritos

................................................

34

2.5 Enquadramentos para avaliação de fluxo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 2.6 Escolha do método certo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 2.7 Aplicar os métodos e monitorar os impactos

..............................................

Capítulo 3. Modificar a infra-estrutura hídrica

.........................................

42 45

3.1 Opções e impactos infra-estruturais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 3.2 Melhorar fluxos ambientais com nova infra-estrutura hídrica

.............

49

3.3 I mplementar os fluxos ambientais utilizando infra-estrutura hídrica existente. . . . . . . . . . . . 53 3.4 Descomissionar a infra-estrutura para restaurar os fluxos ambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

3

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:57

Capítulo 4. Cobrindo o custo

PÆgina 4

.........................................................................

4.1 Avaliar as necessidades financeiras

...........................................................

63 63

4.2 Efeitos sobre as partes interessadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 4.3 Fontes de financiamento

...........................................................................

4.4 O fundamento econômico

.........................................................................

67 74

4.5 Descobrir os incentivos adequados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80 4.6 Abordagens Voluntárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 4.7 Questões-chave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 Capítulo 5. Criar um enquadramento político e legal

.................................

87

5.1 Definir o contexto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 5.2 Direito Internacional e outros instrumentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 5.3 Políticas e legislações nacionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 5.4 Passos práticos e desafios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Capítulo 6. Gerar o Ímpeto Político . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 6.1 Esteja preparado! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 6.2 Convencer a Comunidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 6.3 Comunicar a mensagem apropriada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 6.4 Incluir os grupos de interesse . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 6.5 Captar o apoio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 Capítulo 7. Capacitação para o desenho e a implementação . . . . . . . . . . . . . . . . 113 7.1 Sem nenhuma conscientização, não há ação

.............................................

113

7.2 Identificar e abordar lacunas em termos de capacidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 7.3 Uma estratégia para a capacitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 Referenciãs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127 Créditos das fotografias

4

............................................................................

132

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:57

PÆgina 5

5

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:57

PÆgina 6

Mensagens- chave 1. Iniciação Os fluxos ambientais geram benefícios para as pessoas e para a natureza O fluxo ambiental é o regime hídrico que ocorre num rio, terra úmida ou zona costeira para manter os ecossistemas e seus benefícios, onde haja usos concorrentes de água e onde os fluxos sejam regulados. Os fluxos ambientais dão uma importante contribuição para a salubridade do rio, o desenvolvimento econômico e a diminuição da pobreza. Eles asseguram a contínua disponibilidade da maior parte dos benefícios que os rios saudáveis e sistemas subterrâneos de água proporcionam à sociedade.

Não se deve subestimar o preço da não provisão de fluxos ambientais É cada vez mais claro que a negligência em relação aos requisitos do fluxo ambiental tem, a médio e longo prazos, conseqüências desastrosas para muitos utentes dos rios. A consideração das necessidades hídricas dos ecossistemas aquáticos significa freqüentemente redução no uso de água por parte de um ou mais setores. Essas são escolhas difíceis, mas elas terão de ser feitas de modo a garantir, a longo prazo, a saúde da bacia e as atividades a ela ligadas.

O rio e o sistema de drenagem devem ser considerados nos seus contextos apropriados Para abordar os fluxos ambientais, importa considerar todos os aspectos do rio e dos sistemas de drenagem nos seus contextos apropriados. Isso implica encarar a bacia no seu todo, desde os afluentes iniciais até os ambientes costeiros e estuários, inclusive as suas terras úmidas, planícies de alagamento e sistemas associados de águas subterrâneas. Implica, igualmente, levar em consideração os valores ambientais, econômicos, sociais e culturais na sua relação com a totalidade do sistema. No estabelecimento do fluxo ambiental, terá de ser considerada uma ampla gama de resultados, desde a proteção ambiental até a satisfação das necessidades das indústrias e das pessoas.

É necessário definir objetivos e cenários claros de captação de água Para estabelecer um fluxo ambiental, é necessária uma identificação de objetivos claros, bem como a definição de cenários de captação e utilização hídrica. Os objetivos devem ter indicadores mensuráveis que possam constituir a base para a alocação de água. Os objetivos e cenários poderão ser melhor definidos por equipes interdisciplinares de peritos e por representantes de grupos intervenientes.

2. Definição de necessidades hídricas Faça uma escolha social informada sobre a alocação de água É impossível atribuir um simples valor numérico às necessidades de fluxos ambientais dos rios, terras úmidas e áreas costeiras. São dependentes em grande parte de decisões dos grupos intervenientes interessados nas características futuras e no estado de saúde desses ecossistemas. Os cientistas e peritos podem facilitar a tomada destas decisões através da provisão de informação e conhecimento sobre as tendências na evolução do ecossistema ribeirinho, da terra úmida ou costeira, sob várias condições de fluxo.

6

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 7

Realize avaliações de fluxo ambiental como parte do planejamento da bacia A calibragem do fluxo ambiental é melhor realizada no contexto de quadros de avaliações mais amplos que contribuem para o planejamento da bacia. Esses enquadramentos fazem parte da Gestão Integrada de Recursos Hídricos e avaliam tanto a situação geral como os objetivos de sanidade do rio. Eles aproveitam a participação de grupos intervenientes para solucionar os problemas existentes e incluem avaliações baseadas nos cenários de regimes de fluxo alternativos.

Não há um único método, abordagem ou enquadramento perfeito para determinar o fluxo ambiental Existem vários métodos para determinar o fluxo ambiental. Utilizam-se tabelas referenciais e análises de desktop para a avaliação do fluxo ambiental em estudos de prospecção, auditorias nacionais ou planejamento de bacias. As abordagens mais comuns na avaliação de impactos ou planificação de restauro de partes isoladas ou múltiplas de um rio são a análise funcional e a modelagem de habitat. Essas metodologias de avaliação podem contribuir para o estabelecimento de regras de gestão e para a monitoria dos seus impactos na salubridade do rio.

Criação de fluxos ambientais através da gestão ativa ou restritiva do fluxo A criação de fluxos ambientais requer uma gestão ativa de infra-estrutura tais como barragens, ou uma gestão restritiva, mediante, por exemplo, a redução das captações para a irrigação. Quando se aplica a gestão ativa do fluxo, pode-se produzir um regime inteiro de fluxo, incluindo fluxos baixos e enchentes. A gestão restritiva implica políticas de alocação que assegurem a disponibilidade suficiente de água no rio, principalmente nas épocas de seca, através do controle das captações e dos desvios. Ambos os tipos de intervenção dependem da mudança no comportamento das pessoas e devem ser baseados numa decisão bem informada que tenha amplo apoio da sociedade.

3. Modificação da infra-estrutura Hídrica Os fluxos ambientais podem ser criados quer com novas infra-estruturas ou com as existentes As barragens são freqüentemente os maiores e mais diretos modificadores de fluxos fluviais naturais. Por esse motivo elas são um ponto de partida importante na implementação dos fluxos ambientais. As descargas a jusante das barragens são definidas pelo seu desenho, que permite a passagem da água através, por cima ou em torno da barragem. As políticas e regras operacionais definem a quantidade e o momento das descargas dos fluxos ambientais. O desenho e as operações das outras infra-estruturas, tais como os canais de distribuição e represas, também podem contribuir para o estabelecimento dos fluxos ambientais.

Novas barragens proporcionam oportunidades para a implementação dos fluxos ambientais. Durante a fase de planejamento, é importante assegurar que as estratégias operacionais das barragens e do reservatório se conformem às exigências do fluxo ambiental. É crucial incorporar certa flexibilidade na construção, não só para cumprir os padrões atuais, mas também para conciliar com futuras mudanças na legislação, no uso das barragens e no clima. Durante os anos de construção e enchimento do reservatório é preciso que se faça uma previsão adequada dos fluxos ambientais. Serão necessárias descargas experimentais durante os primeiros anos de funcionamento para analisar os regimes de fluxo e reduzir as incertezas inerentes ao prognóstico da resposta fluvial aos fluxos ambientais.

Ajustar a infra-estrutura existente pode surtir efeitos positivos imediatos Muitos países têm uma grande quantidade de barragens. As opções para a modificação das descargas dessas barragens dependem do tipo de barragem, das condições para a descarga de água e do estado dos principais escoadouros e estruturas para controlar a saída de água. O re-licenciamento periódico das barragens existentes proporciona uma oportunidade para estabelecer os fluxos ambientais

7

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 8

ou atualizar regimes existentes. O maior enfoque na modernização e desempenho ajudará a otimizar a gestão de barragens existentes e implementar os fluxos ambientais.

O encerramento pode ser uma opção para o restauro de fluxos ambientais A renovação ou remoção de infra-estruturas físicas cuja vida econômica já foi superada é uma consideração normal e as barragens não constituem nenhuma exceção. O encerramento de uma barragem para restaurar os fluxos ambientais pode implicar a abertura permanente das suas comportas ou até a sua remoção inteira ou parcial. Embora essas opções sejam preferíveis nalguns casos, é claro que não são apropriadas para todas as barragens e não devem ser realizadas sem uma Avaliação do Impacto Ambiental total.

4. Cobertura dos custos Avaliação das necessidades financeiras e de recursos Uma análise dos custos e benefícios - inclusive quem ganha e quem perde - é uma importante condição prévia para qualquer decisão sobre o fluxo ambiental. Facilita a identificação dos grupos intervenientes relevantes e leva a uma compreensão dos incentivos necessários para a participação dos grupos, bem como a definição do modo como os pobres podem se beneficiar da mudança. Serve também para estabelecer as transferências financeiras necessárias, possíveis fontes de financiamento e mecanismos de financiamento necessários.

O financiamento de fluxos ambientais depende da aceitação de mudanças no status quo Os investimentos nos fluxos ambientais terão que ser justificados através de melhorias nas condições ambientais, sociais e econômicas da sociedade em geral e não em função de impactos sobre atores específicos. Sem benefícios sociais haverá pouca razão financeira e econômica para efetuar e financiar as mudanças requeridas. Prioridade deverá ser dada às situações cujos benefícios diretos são claros, sobretudo para os pobres, e às situações em que os métodos aplicados são métodos rentáveis e bem conhecidos.

Será preciso uma modificação nos incentivos existentes para motivar os atores a aceitarem mudanças Muitos dos incentivos existentes favorecem as atividades econômicas e definem a partir delas um sistema de alocação de água. A compreensão desses incentivos é um passo fundamental no estabelecimento de fluxos ambientais. É preferível a lenta influência do enquadramento econômico e a criação da necessária aceitação social dos fluxos ambientais do que uma mudança imediata do enquadramento de alocação de água existente.

5. Criação de Políticas e de um Enquadramento Legal A legislação e administração internas são fundamentais Apenas um número limitado de países tem reconhecido o uso de água para efeitos não-consumíveis e desenvolveram legislação doméstica especial para regular o seu uso. É necessário um enquadramento legal e administrativo claros para a proteção do fluxo fluvial para que atores estejam predispostos a envolver-se e as agências estejam preparadas para custear os projetos de fluxos ambientais. Tentativas sérias de gestão de fluxos não emergirão a não ser que se tomem decisões claras sobre políticas no nível governamental apropriado

8

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 9

Acordos internacionais formam a base para as leis e políticas nacionais Os fluxos ambientais fazem parte de uma abordagem ecossistêmica à gestão integrada de recursos hídricos. Os instrumentos internacionais pertinentes incluem aqueles que lidam diretamente com recursos hídricos e ainda aqueles que se centram na proteção da Natureza e do Meio Ambiente. Os acordos e obrigações internacionais formam uma base importante a partir da qual políticas e leis nacionais relativas aos fluxos podem ser desenvolvidas.

Não existem soluções milagrosas: a legislação doméstica l tem que se adaptar às realidades Os princípios ou as diretrizes-chave podem facilitar o desenvolvimento de políticas e de enquadramentos institucionais e legais necessários. Contudo, a participação da comunidade local e a utilização do conhecimento e experiência dos funcionários eleitos localmente são criticas para a adaptação de leis e acordos institucionais à realidade no terreno. Onde for possível, a melhor abordagem é a de lidar com os fluxos ambientais antes que os recursos hídricos estejam sobrelotados.

Estabelecer um sistema claro e sólido para facilitar a implementação e cumprimento No desenvolvimento de legislação doméstica, é importante definir a proporção em que os fluxos ambientais serão estabelecidos. Para uma implementação bem sucedida do regime, será necessário lidar com as questões aos níveis locais apropriados. Os direitos de acesso e uso de água terão que ser concertados ou ajustados. Isso envolverá provavelmente questões inevitáveis sobre se, por quem e para quem indenizações serão pagas quando os direitos hídricos se alterarem e exigirá decisões acerca de quem se responsabilizará pela água ambiental. Será necessário um estilo adaptativo de gestão, devendo as questões de responsabilidades serem tratadas com antecedência.

6. Gerar ímpeto político É necessário e inevitável envolver uma ampla variedade de atores A geração do ímpeto necessário para o estabelecimento de um regime para fluxos ambientais incluirá muitos e variados atores, desde o mais alto nível do governo até as comunidades locais e empresariais. Sob essas condições uma estratégia bem sucedida incluirá a colaboração com tantos grupos de interesse quanto possíveis e adaptação das táticas ao longo do percurso do projeto. Nenhuma abordagem simplista e uniforme funcionará para todos os atores ou partes interessadas Quando se engajam vários atores, tornam-se necessárias diferentes abordagens. Os parlamentares, funcionários públicos nos ministérios e assessores políticos provavelmente estarão interessados em argumentos diferentes daqueles que interessam aos fazendeiros, ambientalistas e operadores turísticos. Os ministérios que não são diretamente responsáveis por questões ambientais, mas que respondem pelo desenvolvimento econômico e questões sociais, terão de ser envolvidos. É essencial compreender quais os grupos de interesse que têm maior influência sobre os vários atores governamentais e do setor privado envolvidos.

A comunicação e a mídia são elementos importantes para progredir A boa comunicação começa com o entendimento sobre o propósito da questão, a compreensão sobre os antecedentes e os interesses e preocupações dos constituintes-chave. É também essencial ter uma idéia clara do que é exigido aos diferentes níveis por diferentes atores e compreender quem ganha e quem perde. A articulação correta da mensagem será fundamental, visto que poderá haver apenas uma única oportunidade de transmiti-la a um determinado grupo. No entanto, levará algum tempo para que os atores entendam que um fluxo ambiental é de igual importância tanto para as pessoas quanto para a natureza.

9

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 10

Uma coligação para a cooperação e equilíbrio dos interesses no âmbito dos fluxos ambientais É importante estimular a cooperação e equilibrar uma gama de interesses conflituosos. Isso representa um grande desafio e requererá uma boa metodologia para juntar as pessoas numa única ou mais coligações. Importa para tal assegurar o apoio dos atores locais. Isso poderá se basear na idéia de que os regimes para os fluxos ambientais que estejam bem estabelecidos assegurarão melhor a segurança dos recursos a longo prazo para todos os consumidores de água. A melhor maneira de convencer os intervenientes principais desta idéia é manter a relevância do processo e assegurar que a implementação seja realista e a mais competente possível.

7. Criação de Capacidades para Concepção e Implementação A sensibilização é o primeiro passo para capacitação Os fluxos ambientais são uma questão relativamente nova para o setor de águas. Existe geralmente uma falta de sensibilidade no setor e no público em geral sobre esse conceito e sobre sua aplicação. O sucesso na aplicação de fluxos ambientais depende em grande parte da determinação inicial em levá-la avante. Neste contexto, a sensibilização sobre as condições dos rios e sobre os melhores interesses da comunidade é fundamental.

Lacunas nas capacidades têm que ser identificadas e resolvidas logo no início É preciso capacitar os vários atores para conceber e implementar fluxos ambientais. Daí que seja necessário formar advogados, pessoal técnico, membros de ONG’s e legisladores. É importante empoderar e educar os políticos para que compreendam melhor os custos sociais do não estabelecimento de fluxos ambientais. O não investimento na capacitação implicará a contínua má-administração de recursos hídricos.

Estratégias para a capacitação são necessárias para dinamizar ações Uma estratégia de capacitação eficaz incorporará vários elementos, incluindo cursos de formação, um quadro de avaliação, a aplicação experimental de métodos, visitas aos locais de estudo de campo e seminários técnicos. Uma vez estabelecido um nível mínimo de sensibilização e conhecimento, será preciso apoio suplementar na forma de suporte técnico, de pesquisa, base de dados nacional, estabelecimento de redes de contato e comunicações.

10

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 11

Prefácio

Fluxo ambiental é um conceito fácil. Significa que reste água suficiente em nossos rios e que ela seja gerenciada de modo a assegurar benefícios ambientais, sociais e econômicos a jusante. Contudo, esforços pioneiros na África do Sul, Austrália e nos Estados Unidos da América já demonstraram que o processo para o seu estabelecimento apresenta um grande desafio, principalmente quando faz parte de uma abordagem de gestão integrada. O fluxo ambiental requer a integração de um conjunto de disciplinas tais como engenharia, direito, ecologia, economia, hidrologia, ciências políticas e comunicação. Requer ainda negociação entre os grupos intervenientes de modo a harmonizar os diferentes interesses que competem pelo uso de água, principalmente naquelas bacias onde a concorrência é forte. A recompensa é um regime de gestão melhorado que garanta a longevidade do ecossistema e encontre o melhor equilíbrio entre as várias utilizações da água. Dada a sobre-utilização mundial de recursos hídricos e a resultante degradação dos ecossistemas e seus serviços, o fluxo ambiental não é um luxo, mas sim uma parte essencial da gestão hídrica moderna. É uma abordagem que merece uma ampla implementação. Este guia, o segundo da série Iniciativa de Água e Natureza, tira grande partido das experiências nestes países para oferecer conselhos práticos no âmbito desta emergente questão. Ele oferece um guia prático sobre questões técnicas, tais como métodos de avaliação e adaptação de infra-estrutura, e sobre as dimensões econômicas, políticas e legais do estabelecimento do fluxo ambiental. Este guia não é fruto de um esforço solitário. Faz parte de um processo que inclui o apoio dado às iniciativas nacionais e locais para o estabelecimento de fluxos ambientais, como por exemplo, na Tanzânia, Costa Rica, Vietnã e Tailândia. Os conselhos dados aqui serão testados em colaboração com os intervenientes nacionais, peritos, legisladores e políticos. Este guia e as experiências de campo permitem o desenvolvimento, por uma comunidade ainda maior, de formas mais apropriadas de implementação dos fluxos ambientais. A IUCN está disposta a partilhar as suas experiências onde for necessário e apoiar a tomada de decisões nos níveis nacional e internacional, de modo a alocar-se água suficiente aos ecossistemas e às pessoas. É possível que, na prática, a implementação de fluxos ambientais não seja fácil. Porém eles são um elemento chave para qualquer esforço para lidar com a destruição dos nossos rios e, consequentemente, com a perda da sua biodiversidade e de seus benefícios sociais. Creio que este guia será uma fonte de apoio para legisladores e profissionais, no longo e por vezes difícil processo de estabelecimento de fluxos ambientais.

Achim Steiner Diretor Geral UICN-União Mundial pela Natureza

11

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 12

Editores e Autores

Editado por Megan Dyson, Ger Bergkamp e John Scanlon

12

Capítulo 1

Megan Dyson, Consultora de Direito Ambiental e Política, Austrália, com Dr. Ger Bergkamp e John Scanlon, ambos da UICN

Capítulo 2

Dr. Mike Acreman, Centro de Ecologia e Hidrologia, Crowman Gifford, Reino Unido, com Dra. Jackie King

Capítulo 3

Lawrence Haas, Consultor de Recursos Hídricos, Reino Unido

Capítulo 4

Dr. Bruce Aylward, Intercâmbio Aquático de Deschutes -Conservação de Recursos do Deschutes, EUA, com Lucy Emerton da UICN.

Capítulo 5

Dr. Alejandro Iza e John Scanlon, ambos da UICN, com auxílio investigativo de Angela Cassar, Estagiária da UICN,ELC, Universidade de Melbourne, Austrália

Capítulo 6

John Scanlon da UICN, em colaboração com Elroy Bos da UICN e Ángela Cassar

Capítulo 7

Dra. Jackie King, Investigação Ecológica e Consultório relativos às Águas Meridionais, Universidade da Cidade de Cabo, África do Sul, com Dr. Mike Acreman

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 13

Agradecimentos Esta iniciativa para o desenvolvimento de fluxos ambientais é um esforço conjunto da Iniciativa de Água e Natureza da UICN e do Programa de Direito Ambiental da UICN, através do Centro de Direito Ambiental em Bonn, e da Comissão do Grupo de Especialistas em Direito Ambiental sobre Água e Zonas Úmidas da UICN, em colaboração com a Comissão de Gestão de Ecossistemas da UICN. Os autores e editores receberam idéias e comentários de muitas pessoas na tentativa de compilação e condensação de conhecimento multidisciplinar. Estamos gratos pelo tempo e ajuda disponibilizados . A UICN realizou um seminário sobre fluxos ambientais durante a Cúpula Mundial sobre o Desenvolvimento Sustentável (Joanesburgo, Setembro 2002) no Centro Ambiental da UICN. Os resultados desta sessão bastante concorrida contribuíram para o desenvolvimento deste guia. Durante o Terceiro Fórum Mundial de Água (Kioto, Março 2003), tivemos a oportunidade de expor os elementos-chave deste guia a numerosos profissionais de água. Agradecemos a todos que participaram nas reuniões de Joanesburgo e Kioto pelos seus comentários e sugestões, que contribuíram imensamente para o desenvolvimento e melhoria da utilidade deste guia. Queríamos agradecer particularmente a Professora Angela Arthington (Universidade de Griffith, Austrália), Washington Mutyoba (Ministério do Desenvolvimento de Água e Gado, Tanzânia), Leith Boully (Presidente do Comitê Consultivo Comunitário do Conselho Ministerial da Bacia do Murray Darling, Austrália) e Tira Foran (Departamento de Ciências, Gestão e Políticas Ambientais da Universidade da Califórnia, Berkeley), pela revisão de todo ou parte deste guia. Por fim agradecem-se as contribuições financeiras feitas pelo Governo do Reino dos Países Baixos, e do Departamento de Desenvolvimento Internacional (Reino Unido) através da Iniciativa de Água e Natureza.

13

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 14

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 15

Capítulo 1 Iniciação 1.1

Introdução

Uma exuberante plantação de algodão floresce devido à irrigação com águas desviadas de um rio nas cercanias. O proprietário do algodão pergunta-se sobre o motivo de abandonar um negócio tão rentável. Afinal de contas, o rio passa pela sua propriedade, e o princípio da sua família sempre foi que “uma gota que corra para o mar é uma gota desperdiçada”. Mas, a jusante, a falta de consideração pelas necessidades do rio provocou uma grave degradação no estado do rio. Os peixes nativos, que forneciam alimentação e eram capturados comercialmente, estão à beira da extinção. Espécies não comestíveis introduzidas no rio agitam o seu leito e provocam a deterioração adicional na qualidade de água. As culturas irrigadas, que antes cresciam vigorosamente por causa do abastecimento de água limpa, agora enfrentam escassez de água. A água é muitas vezes salgada demais e a produção diminui quando é usada para irrigar . A aparição freqüente de algas provoca danos adicionais e árvores que antes eram sãs murcham na planície seca que antes era terra úmida sazonal. A jusante, os pescadores, agricultores, ativistas ambientais e usuários recreativos do rio juntam-se para tomar medidas contra o Governo. Eles responsabilizam as autoridades pela distribuição dos recursos fluviais e exigem o estabelecimento de um fluxo ambiental, de maneira a assegurar a disponibilidade de água necessária para ajudar a recuperação do rio do qual eles tanto dependem. Esse cenário ilustra uma realidade crescente. Os sistemas fluviais e de água subterrânea precisam de água tanto para se manter a si próprios como para uso e benefício das pessoas. A quantidade de água necessária para isso designa-se “fluxo ambiental” . As conseqüências derivadas da negligência desta necessidade são cada vez mais evidentes e dispendiosas. Consequentemente, os ecossistemas a jusante e as indústrias e comunidades que contam com eles estão pagando caro. Contudo, a valorização das necessidades hídricas de sistemas fluviais e águas subterrâneas e os custos da negligência dessas necessidades ainda não são amplamente divulgados. Embora haja um número crescente de pessoas que reconhece os benefícios de fluxos ambientais, a questão está apenas agora sendo introduzida na formação de cientistas e engenheiros. Em muitos casos, o fornecimento de água aos ecossistemas e usos a jusante ainda não constam da agenda dos políticos e legisladores, embora seja crucial para o desenvolvimento sustentável e a prosperidade de longo prazo das comunidades. Os fluxos ambientais não são meramente um luxo para manutenção da natureza, nem são meramente um interessante tema de investigação. De fato, eles estão no cerne do debate sobre a gestão sustentável de recursos hídricos.

“OS SISTEMAS FLUVIAIS E DE ÁGUA SUBTERRÂNEA PRECISAM DE ÁGUA PARA AUTO-PRESERVAÇÃO DAS SUAS FUNÇÕES.” Historicamente, a água tem sido gerida a partir de uma perspectiva de abastecimento com ênfase na maximização de crescimento econômico a curto prazo a partir do uso da água. Pouca consideração tem sido dada à salubridade do próprio recurso e continua a haver uma compreensão fraca das implicações da sobre-utilização de água ou do decréscimo da salubridade fluvial. Os gestores de recursos hídricos tentam lidar com a necessidade de adotar uma visão mais abrangente do sistema

15

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 16

fluvial, utilizando o paradigma de Gestão Integrada de Recursos Hídricos. Eles começam a entender a necessidade de se cuidar dos ecossistemas aquáticos e dos recursos que eles proporcionam para a viabilidade econômica a longo prazo. Os fluxos ambientais devem ser encarados no contexto da aplicação da Gestão Integrada de Recursos Hídricos em bacias de captação e fluviais. Os fluxos ambientais só assegurarão um rio salubre se eles fizerem parte de um pacote mais abrangente de medidas, tais como a proteção do solo, prevenção de poluição e proteção e recuperação de habitats. A tomada de medidas para a gestão dos fluxos ambientais chama a atenção para a luta pelo acesso e posse de água, bem como para os direitos de água. Em sistemas onde a água é já sobrealocada, o desafio de fluxos ambientais poderá incluir a realocação ou conservação de água de usuários privados existentes e sua restituição à bacia. Por esse motivo, antes de se voltar para os fluxos ambientais, é preciso reconhecer a necessidade de inclusão dos vários intervenientes . O livro Fluxo: fundamentos dos fluxos ambientais foi escrito para todos aqueles que pretendem participar de ações de provisão de fluxos ambientais. Esse grupo inclui políticos, legisladores, planejadores, economistas, ambientalistas, grupos de lobby para consumidores de água e outras organizações não-governamentais, comunidades fluviais, engenheiros, hidrologistas e advogados. Este guia descreve o que tem de ser feito para definir e implementar os fluxos ambientais. Uma abordagem prática é utilizada para explicar o “o que”, o “quando”,o “onde” e o “como” dos fluxos ambientais. Aborda claramente a teoria e os aspectos práticos do trabalho com os fluxos ambientais. Os exemplos provenientes de países onde os fluxos ambientais já estão em vigor, como a Austrália, África do Sul e os Estados Unidos são utilizados ao longo do guia para ilustrarem os princípios propostos. Responde-se a perguntas práticas sobre como arranjar financiamento, como formar as pessoas nas habilidades necessárias e como aumentar a compreensão no seio da comunidade e dos líderes políticos e ganhar o seu apoio. Faz-se ainda referência a outras publicações com informações de apoio mais detalhadas. Cada um dos sete capítulos aborda um aspecto diferente dos fluxos ambientais. O guia começa com uma definição de fluxos ambientais e a razão da sua importância e termina com conselhos técnicos e de política claros e práticos sobre como avaliar e distribuir os fluxos ambientais. Após a introdução do conceito de fluxos ambientais e o delineamento extenso do enquadramento para se conseguir fluxos adequados no Capítulo 1, o guia aborda os aspectos científicos e técnicos no Capítulo 2. O Capítulo 3 entra em pormenores sobre as necessidades e opções técnicas para a construção de novas infra-estruturas e a modificação de infra-estruturas existentes para providenciar descargas de fluxos ambientais. No Capítulo 4, discute-se a questão dos custos e benefícios econômicos de fluxos ambientais e métodos disponíveis para o financiamento daquilo que será preciso para melhorar os fluxos ambientais. O Capítulo 5 continua a tratar dos enquadramentos institucionais, regulatórios e de política necessários para o estabelecimento de fluxos ambientais. O guia traz ainda informações sobre a criação de ímpeto político e social necessário para a mudança e compromisso, e como construir a coligação necessária de parceiros no Capítulo 6. Por fim, o Capítulo 7 apresenta as necessidades para a capacitação institucional.

1.2

Definição

Na Bacia do Murray-Darling na Austrália, uma inundação na Floresta Barmah-Millewa, do tipo que ocorre uma vez em cada cinco anos, é intensificada por causa das descargas de um grande represa da Bacia. Após as descargas reforçadas, a grande garça branca procriou pela primeira vez desde 1979, assim como nove espécies de sapos e peixes nativos. O Aqueduto Mowamba, no Esquema Hidrelétrico das Montanhas Snowy na Austrália, foi fechado após cem anos de uso, duplicando desta maneira os fluxos no rio, de 3% do fluxo natural para 6%, marcando o início de um longo aumento de fluxos no Rio Snowy, para 28% dos fluxos naturais.

16

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 17

Na África do Sul, vão ser reduzidos os direitos dos irrigadores de modo a prover água à “Reserva”, que é gerida em benefício do público para sustentar necessidades básicas humanas e ecológicas Nas montanhas de Lesoto, a Barragem Mohale foi concebida de forma a descarregar fluxos de quantidade e qualidade variáveis, para provocar, entre outras, inundações ocasionais a jusante. Todos esses são exemplos de ações tomadas para fornecer fluxos ambientais. Neste guia, define-se fluxo ambiental como sendo o regime de água fornecido num rio, terra úmida ou zona costeira para manter os ecossistemas e seus benefícios, numa situação onde haja usos aquáticos conflituosos e os fluxos sejam regulados. Pode-se fazer uma distinção entre a quantidade de água necessária para manter um ecossistema num estado quase intacto, e aquela que poderá eventualmente ser alocada, após um processo de avaliação ambiental, social e econômica. Este último caso é denominado “fluxo ambiental”, e esse fluxo manterá o ecossistema num estado menos intacto. Intuitivamente, pode-se achar que se necessita todo o fluxo natural, no seu padrão natural de fluxos altos e baixos, para manter o ecossistema numa condição quase intacta. No entanto, muitos ecologistas acreditam que uma porção pequena do fluxo poderá ser retirada sem uma degradação notável do ecossistema. É difícil avaliar a quantidade que poderá ser retirada dessa maneira, com as estimativas variando entre 65% e 95% do fluxo natural que terá que permanecer, com a manutenção do padrão do fluxo natural. Uma vez feita a manipulação do fluxo, os ecologistas fluviais já podem aconselhar quanto aos padrões e quantidades de fluxo, o que resultará numa série de condições fluviais diferentes. Essa informação poderá depois ser utilizada na escolha de uma condição que permita um equilíbrio aceitável entre o estado de ecossistema desejado e outras necessidades sociais e econômicas para a água. Os fluxos alocados para se alcançar a desejada condição são, então, o chamado fluxo ambiental. É preciso gerir os recursos hídricos para que haja fluxos ambientais. O fluxo poderá ser regulado pelas infra-estruturas, tais como barragens, ou desvio de água do sistema, por exemplo, bombeando água para fora do sistema. Por conseguinte, existem maneiras diferentes de proporcionar fluxos ambientais, tais como a modificação da infra-estrutura ou mudanças na política de alocação de água e direitos.

1.3

Benefícios

Os ecossistemas aquáticos como rios, zonas úmidas, estuários e ecossistemas marinhos, proporcionam uma grande variedade de benefícios às pessoas, como a água potável limpa, peixe e fibra e “serviços”, tais como a purificação de água, mitigação de inundações e oportunidades recreativas. Os rios salubres e os ecossistemas associados também têm um valor intrínseco para as pessoas, expresso em termos de significado cultural, principalmente para culturas nativas. Esse valor é muitas vezes negligenciado, já que a sua identificação e quantificação são difíceis.

“A AUSÊNCIA DE FLUXOS AMBIENTAIS PÕE EM RISCO A PRÓPRIA EXISTÊNCIA DOS ECOSSISTEMAS, PESSOAS E ECONOMIAS.” Os rios e outros ecossistemas aquáticos precisam de água e outros subsídios, como resquícios e sedimento, para se manterem salubres e proporcionarem benefícios às pessoas. Os fluxos ambientais são contribuintes essenciais para a salubridade destes ecossistemas. Privar um rio ou sistema de água subterrânea desses fluxos não só traz danos ao ecossistema aquático no seu todo como também ameaça as pessoas e comunidades dependentes deles. No caso extremo, a ausência prolongada de fluxos ambientais põe a existência de ecossistemas dependentes em risco e, desse modo, também as vidas, a subsistência e a segurança de comunidades e indústrias a jusante. Por isso, a questão não é se os fluxos ambientais são necessários, mas por quanto tempo uma sociedade poderá se permitir não levar em conta os fluxos ambientais.

17

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 18

Habitantes carregando baldes vazios andam num leito seco à procura de água, perto de Hyderbad, a aproximadamente 160 km de Karachi

Os impactos da regulação a longo prazo sobre ecossistemas aquáticos são cada vez mais evidentes.1 Há uma crescente preocupação em relação a este impacto, com aumentos correspondentes tanto na conscientização política como na ação. Este guia contém muitos exemplos de países e regiões que têm registado progressos na provisão de fluxos ambientais. As comunidades são freqüentemente as forças motrizes. Um exemplo ilustrativo é a gestão do Lago Mono (Califórnia, EUA) onde um conjunto de ações encetadas por grupos de lobby de pescadores e uma decisão do Tribunal obrigou o governo a fazer descargas de fluxo ambiental. A mobilização e ação da comunidade tiveram um papel essencial nestas mudanças. Não é apenas a nível local que se registram apelos para ação. Os instrumentos internacionais e declarações sobre os recursos hídricos têm reconhecido, com uma freqüência crescente, que a gestão hídrica precisa considerar as necessidades ambientais. Por exemplo, o Relatório da Comissão Mundial sobre Barragens2 identificou como prioridade a manutenção de rios e subsistência e reconhecimento de direitos e a partilha de benefícios. Isto requer que as barragens levem em conta as descargas para os fluxos ambientais e que sejam desenhadas, modificadas e operadas adequadamente. Da mesma maneira, a Visão para a Água e Natureza3 apela para que se “mantenha a água no sistema de modo a proporcionar serviços ambientais tais como mitigação de inundações e purificação da água.” Isso contribui para um enquadramento de ação composto por seis partes visando proteger e gerir os recursos hídricos, incluindo a “preocupação e gestão de recursos de água doce em rios ou bacias de drenagem". Os fluxos ambientais são uma consideração pertinente para cada fase da história de um rio ou bacia de drenagem, particularmente nas primeiras alocações de água para uso dos consumidores, ou durante as Avaliações de Impactos Ambientais para a re-autorizaçâo de infra-estrutura para armazenagem

18

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 19

de água. É também oportuno começar a abordar os fluxos ambientais quando se desenvolvem planos para alocação de água ou programas de reabilitação fluvial. É melhor abordar os fluxos ambientais o mais cedo possível, embora a falta de atenção política e informação pertinente possam retardar o progresso. No entanto, se negligenciam os fluxos ambientais e deixa-se seu estudo para mais tarde, os problemas costumam ser mais severos e as soluções terão custos econômicos e sociais mais elevados.

1.4

A realidade

Os fluxos ambientais têm como objetivo fornecer um regime de fluxo que seja adequado em termos de quantidade, qualidade, ajustamento para sustentar a salubridade dos rios e outros ecossistemas aquáticos. Contudo, o nível de “boa salubridade” no qual se manterá o rio é um juízo social, que varia de um pais para outro e de uma região para outra. O fluxo ambiental apropriado para um determinado rio dependerá dos valores a partir dos quais se gere o sistema fluvial. Esses valores definirão as decisões referentes à maneira de equilibrar as aspirações ambientais, econômicas e sociais, e os usos da água do rio. Isso significa que os lucros ecológicos não serão necessariamente o único, ou mesmo o primeiro, resultado de um programa de fluxo ambiental. Um programa desse tipo terá que encontrar o equilíbrio entre as alocações de água, de maneira a satisfazer a necessidade ecológica de água e outras necessidades de uso aquático tais como a geração de hidroenergia, irrigação, água potável ou recreação. Por isso, desenvolver um programa de fluxo ambiental significa comunicar os valores essenciais sobre os quais deverão se basear as decisões, definir os resultados desejados e as trocas subseqüentes. É preciso considerar uma variedade de questões quando se estabelece um fluxo ambiental.

“O SISTEMA FLUVIAL E DE DRENAGEM TEM DE SER CONSIDERADO NO SEU CONTEXTO.” Em primeiro lugar, os sistemas fluviais e de drenagem têm de ser considerados no seu contexto específico. No sentido físico, isso significa considerar o sistema desde as suas nascentes até os ambientes estuarinos e costeiros, incluindo as suas zonas úmidas, planícies de alagamento e sistemas associados de águas subterrâneas. Em termos de valor, isto implica considerar os valores ambientais, econômicos, sociais e culturais. Um leque amplo de resultados, que vai desde a proteção até ao atendimento das necessidades industriais e pessoais, tem que ser considerado para a possível integração num programa de fluxo ambiental. Num sistema fluvial onde a água foi sobrealocada para o uso consumidor, os fluxos podem ser proporcionados simplesmente para assegurar ecossistemas que funcionam suficientemente para providenciar uma base sustentável para consumo e fluidez no presente e no futuro. Onde o sistema está seriamente sobrecarregado e os valores não permitem uma realocação adequada de recursos para a recuperação de todo o sistema, certos trechos fluviais ou locais de zonas úmidas poderão ser alvo de proteção e alocações específicas de água. Para os rios com valores elevados de biodiversidade, por exemplo, um fluxo ambiental poderá ser proporcionado para a segurança do estado natural do sistema fluvial. Em tais casos, o uso de água para consumo poderá ser restringido a uma quantidade mínima, o que poderá implicar que os desvios de água ocorrerão apenas quando houver um fluxo elevado e o banimento de armazenamento em reservatórios.

19

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 20

“IMPORTA DEFINIR OBJETIVOS CLAROS DE FLUXOS E CENÁRIOS DE CAPTAÇÃO.” Para se estabelecer um fluxo ambiental é preciso identificar objetivos claros de fluxo e captação de água, inclusive os cenários. Os objetivos devem ter indicadores mensuráveis que possam servir de base na alocação de água. Objetivos úteis podem ser, por exemplo, “manter a truta castanha nos níveis registrados em 1995”, “preservar pelo menos 75% de florestas de mangue a jusante” ou “manter os níveis de nitrato no rio inferiores a um valor específico padronizado”.

“Rios sadios e operacionais” O objetivo declarado para os fluxos ambientais do Rio Murray na Austrália é ter “um rio sadio e operacional - que nos assegure prosperidade contínua, água limpa e um ambiente florescente”. O termo “operacional” foi utilizado para se reconhecer o fato de que o rio não será restaurado ao seu estado preassentamento europeu, pré-regulação e limpidez . Para mais informações, visite “O Murray Vivo”, Conselho Ministerial da Bacia do Murray-Darling, Julho de 2002, na página de web http://www.mdbc.gov.au/naturalresources/e-flows/thelivingmurray.html

À primeira vista, os objetivos sociais e políticos podem parecer menos úteis no conjunto de objetivos para fluxos ambientais. No entanto, as tentativas de “manter felizes pelo menos 85% dos fazendeiros”, ou “assegurar o silêncio dos grupos principais de lobby para a Natureza”, poderão revelar-se muito práticas e úteis como objetivos. Já que o estabelecimento de fluxos ambientais é uma questão de valores, o estabelecimento de objetivos fluviais é em grande parte um processo sócio-político. Por conseguinte, um processo bem sucedido precisa incluir tanto os representantes de diferentes grupos de interesse como cientistas e peritos. Todos os envolvidos têm que possuir uma compreensão básica das implicações do estabelecimento e gestão de fluxos ambientais .

“É CRUCIAL RECONHECER OS CUSTOS COM ANTECEDÊNCIA, INCLUINDO OS CUSTOS DO NÃO FORNECIMENTO DE FLUXOS.” Os vários usos de recursos fluviais em competição são feitos à custa de outros usuários e ecossistemas aquáticos a jusante. Conciliar as necessidades aquáticas com outros usos de água significará freqüentemente decidir quais dos usuários terão que ceder para priorizar as necessidades desses ecossistemas. Os ecossistemas aquáticos a jusante e os usuários de água arcarão com os custos associados a essas escolhas. O ambiente pode não receber todos os seus requerimentos ecológicos aquáticos e os usuários de água podem precisar fazer mudanças onerosas em seus hábitos, por exemplo, melhorar a eficiência aquática. Contudo, o preço da não provisão de fluxos ambientais não deverá ser subestimado. É cada vez mais evidente que, a médio e longo prazo, a incapacidade de atender às necessidades de fluxos ambientais poderá trazer conseqüências desastrosas para muitos usuários de água. Além dos custos, importa reconhecer que existem grandes incertezas ligadas aos fluxos ambientais. Haverá incertezas em relação à ciência, por exemplo, sobre a quantidade de água necessária, sobre quando ela estará disponível e como. Mas a área de incerteza que mais será sentida é a dos impactos

20

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 21

sociais e econômicos. Os custos e benefícios estão freqüentemente sujeitos a fiscalizações minuciosas. A incerteza em relação aos impactos apresenta um risco para muitos membros da comunidade e é utilizado muitas vezes como uma justificativa para a falta de ação. Por isso é muito importante salientar as incertezas intrínsecas à realização de fluxos ambientais e assegurar a aceitação delas pelas partes interessadas.

1.5

As compensações

A provisão de um fluxo ambiental não pretende imitar um rio cristalino. Por definição, um sistema regulado é incapaz de reproduzir todos os aspectos naturais de fluxo e prover simultaneamente os usos em competição. Por exemplo, um rio que naturalmente esteja sujeito a secas não pode provisionar uma quantidade de água que seja apropriada para a navegação a qualquer hora. Parte do desafio de proporcionar fluxos ambientais reside na definição de quais os elementos do regime natural de fluxo são críticos para o alcance dos objetivos de fluxo identificados. Por exemplo, pode-se descobrir que as planícies de alagamento precisam ser inundadas durante algum tempo para estimular a procriação de peixe. Esse conhecimento poderá ser utilizado para assegurar que a água disponível seja utilizada para prolongar uma inundação natural durante a fase crítica, em vez de aumentar o pico da inundação.

“OS FLUXOS AMBIENTAIS TENDEM A SER DIFERENTES DOS FLUXOS NATURAIS E RARAMENTE SÃO FLUXOS ‘MÍNIMOS’ OU ‘MÉDIOS’.”

A descarga média de um rio poderá ser um dos elementos menos essenciais do fluxo natural, dependendo do clima em que se situa o sistema. A variabilidade na quantidade, qualidade, ajustamento e duração de fluxo é freqüentemente essencial para a manutenção de ecossistemas fluviais. Os exemplos para demonstrar a necessidade da variabilidade incluem os fluxos resultantes em enchentes para se manter as regiões de desovação de peixe, fluxos específicos para a migração de peixes, ou a inundação para deixar passar detritos, sedimento ou sal. Esse é caso de países com climas mais secos, que são tipicamente assolados por inundações sazonais, seguidas por períodos de seca. As alocações de fluxos mínimos ou médios não seriam úteis em tais circunstâncias. Identificar e fazer compensações constitui o cerne do estabelecimento e implementação de fluxos ambientais. Quando se manipula o fluxo regulado para fornecer fluxos ambientais, haverá inevitavelmente custos tanto para os usuários como os não-usuários. Vão surgir interesses em competição entre vários consumidores e entre benefícios, bem como entre o ambiente a montante e a jusante. Surgirá igualmente concorrência entre partes do ambiente fluvial que requerem regimes diferentes de fluxo natural. Por exemplo, enquanto uma planície de alagamento pode precisar de inundação irregular, os estuários podem depender dos fluxos altos para terem água. Será que a provisão de um fluxo ambiental pode levar à existência de vencedores e vencidos? Existem interesses complexos e concorrentes que precisam ser avaliados e definidos quando se aborda a questão da necessidade de fluxos ambientais e a sua devida provisão. Uma coisa é certa – todos perdem se não existir uma gestão de fluxos ambientais.

21

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 22

Um elefante solitário procura uma fonte invulgar de água no Parque Nacional de Kruger durante a seca de 1992, quando o Rio Sabie deixou de correr pela primeira vez na sua história

Fluxos ambientais adequados não são a única característica de um sistema fluvial salubre. Existem outras necessidades para a salubridade fluvial, tais como a redução de poluição e controle de atividades fluviais como a pesca e recreação. O enfoque em fluxos ambientais desenquadrados dificilmente trará bons resultados e pode até alienar as comunidades. Os fluxos ambientais devem por isso ser considerados como sendo parte integral da gestão moderna das bacias.

“OS FLUXOS AMBIENTAIS SÃO UMA PARTE INTEGRAL DA GESTÃO MODERNA DAS BACIAS DOS RIOS.” Seria ideal que o fornecimento de água fosse suportado por um amplo conjunto de regulações e práticas de gestão que abarcassem toda a bacia, por exemplo, relacionadas com a utilização da terra, direitos aquáticos e usos dos fluxos. A provisão isolada de um fluxo ambiental para um rio significativamente degradado poderá ser inútil ou até prejudicial. Por exemplo, as margens fluviais que já foram desestabilizadas por causa da remoção de vegetação fluvial poderão sofrer uma erosão severa devido a fluxos variáveis. Da mesma maneira, a inundação de zonas úmidas e planícies de alagamento severamente degradadas e poluídas poderá causar ou agravar a infestação por ervas daninhas e originar a dispersão de poluidores por toda a bacia. Por conseguinte, a realização isolada de fluxos ambientais não é uma opção preferida. À medida que novas informações vão ficando disponíveis com regularidade e as condições fluviais vão mudando, os cientistas e gestores aquáticos precisarão adaptar periodicamente as suas práticas de fluxos ambientais às novas condições. Por isso, a adequação de um fluxo ambiental deverá ser avaliada regularmente, utilizando a melhor informação disponível.

22

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 23

À medida que se monitoram e avaliam as respostas de plantas, animais, recursos e pessoas aos fluxos, poderá ser preciso ajustá-los. Esse processo é denominado gestão adaptativa e é um componente essencial para lidar com as compensações resultantes do estabelecimento e gestão de fluxos ambientais.

23

flow final portugues press.qxp

24

24/09/2007

9:58

PÆgina 24

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 25

Capítulo 2 Definição de necessidades hídricas 2.1 Introdução Não se pode atribuir um simples valor numérico às necessidades de fluxos ambientais dos rios e das zonas úmidas associadas. Depende muito do caráter futuro desejado do ecossistema fluvial em consideração. Todos os elementos de um regime de fluxo terão alguma influência na ecologia de um rio, de maneira que, se se quiser um ecossistema totalmente natural, o regime do fluxo precisará ser natural. Contudo, a maioria de ecossistemas fluviais não é natural e de uma maneira ou de outra eles são geridos, e geralmente é aceitável assumir que a remoção de água do rio para usos humanos tais como o abastecimento público, irrigação e produção industrial, é necessária para a sobrevivência e desenvolvimento humanos. Nessas condições, o fluxo ambiental alocado a um rio é essencialmente uma questão de escolha social, com a ciência como apoio técnico, em termos das características do ecossistema fluvial sob vários regimes de fluxo. A condição desejada do rio poderá ser estabelecida pela legislação, ou então numa troca negociada entre os usuários de água. Nalguns casos, a água é restituída ao rio após utilização, por exemplo, no caso da geração de hidroenergia4 ou arrefecimento de uma usina. No entanto, é provável que se altere o ajustamento do fluxo fluvial a jusante do local em que a água é restituída. Na seção fluvial que já foi ultrapassada, os fluxos terão um nível mais inferior que o normal. Noutros casos, por exemplo, quando se capta a água para a irrigação, a água poderá ser restituída em quantidades tão pequenas ou então estar tão afastada do ponto de captação que efetivamente acaba por ser consumida. É também importante reconhecer que o fluxo não é o único fator que age sobre a salubridade fluvial. A qualidade hídrica, sobrepesca e barreiras físicas à migração de espécies influenciam os ecossistemas aquáticos.

“NÃO HÁ UM ÚNICO MÉTODO, ABORDAGEM OU ENQUADRAMENTO MELHOR QUE OUTROS PARA A DETERMINAÇÃO DO FLUXO AMBIENTAL” Nos últimos vinte anos, foi desenvolvida uma gama de métodos, abordagens e enquadramentos para auxiliar no estabelecimento de fluxos ambientais. Os “métodos” referem-se tipicamente a avaliações específicas em relação à necessidade ecológica. As “abordagens” abrangem as maneiras funcionais de realizar as avaliações utilizando equipes de peritos. Os “enquadramentos“ para a gestão de fluxos fornecem uma estratégia mais alargada para avaliações de fluxos ambientais. Eles tipicamente empregarão um ou mais métodos específicos e aplicarão certa abordagem. Os vários métodos, abordagens e enquadramentos, todos eles têm as suas vantagens e inconvenientes. Não existe uma única maneira considerada melhor para avaliar os fluxos ambientais. Cada método, abordagem ou enquadramento será adequado apenas para dadas circunstâncias. Os critérios para se selecionar um determinado método, abordagem ou enquadramento abrangem o tipo de questão a ser tratada (isto é a captação, bacia, esquema fluvial), perícia, tempo e financiamento disponíveis, bem como o enquadramento legal dentro dos quais é preciso enquadrar os fluxos. Recentemente, a distinção entre os métodos focalizando as necessidades ecológicas e enquadramentos focalizando fluxos ambientais tornou-se difusa. Muitos deles estão cada vez mais holísticos e utilizam grupos com

25

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 26

várias partes interessadas e equipes interdisciplinares de peritos para definir a quantidade de água que se deve deixar no rio. A bem da clareza, o guia apresenta os dois como duas categorias distintas.

2.2 Definir Objetivos ou Negociar Cenários Para alguns sistemas fluviais, já foram estabelecidos os objetivos específicos, por motivos ecológicos, econômicos ou sociais. Nesses casos, os fluxos ambientais têm que ser definidos de acordo com esses objetivos. O objetivo do vale central da Bacia de Senegal era a manutenção de uma zona de cerca de 50.000 hectares que ia ser utilizada para o recuo de inundações para agricultura. Já que aproximadamente metade da área inundada é cultivada, isso correspondia à inundação de 100.000 hectares da planície de alagamento, o que requer uma quantidade de cerca de 7.500 milhões m3 de água a ser descarregada da Bacia Manantali. A Diretriz de Enquadramento Hídrico da União Européia exige que os estados membros alcancem um “Bom Estatuto” (BE) em todas as águas superficiais e subterrâneas.5 O Bom Estatuto é uma combinação de Bom Estatuto Químico e Bom Estatuto Ecológico (BEE). O BEE é definido qualificativamente e inclui dados de população e comunidades de peixe, macro-invertebrados, macrófitos, fitobentos e fitoplâncton. Inclui igualmente elementos secundários que afetarão os elementos biológicos, tais como a estrutura do canal, profundidade hídrica e fluxo fluvial. O estabelecimento de fluxos ambientais é um passo chave para o alcance do Bom Estatuto. Na África do Sul, utiliza-se uma classificação semelhante; no entanto, em vez de procurar obter um bom estatuto em todos os casos, o Departamento de Assuntos Hídricos e Silvicultura define os objetivos conforme os diferentes alvos de gestão ecológica. Existem quatro grupos alvos, de A a D (ver tabela). Os dois grupos adicionais, E e F, podem descrever o estado ecológico corrente, mas não um alvo. Os recursos hídricos que estão atualmente fixados nas categorias E ou F têm de ter uma classe de alvo D ou superior.

Categorias de gestão ecológica6 Classe

Descrição

A

Modificação insignificante devido às condições naturais. Risco insignificante para as espécies sensíveis.

B

Ligeira modificação das condições naturais. Risco ligeiro para a biota intolerante.

C

Modificação moderada das condições naturais. Biota extremamente intolerante poderá ser reduzida em número e extensão

D

Grau elevado de modificação das condições naturais. Presença improvável de biota intolerante.

A aplicação da abordagem baseada nos objetivos necessita em primeiro lugar que o estatuto desejado esteja pré-estabelecido. Após isso, deverá ser possível definir os limites dos fluxos, acima ou abaixo dos quais uma mudança no estatuto será evidente. Já foi sugerido que na Austrália a probabilidade7 de manter um rio salubre diminui de níveis altos até níveis moderados quando o regime hidrológico é de menos de dois terços do regime de fluxo natural. Embora pareça um número razoável, há poucas provas científicas para apoiá-lo. Do ponto de vista teórico poderá ser impossível definir o regime de fluxo que manterá uma condição fluvial desejada.8 Em termos práticos, a avaliação de um fluxo ambiental continua a ser uma ferramenta chave de gestão fluvial. No entanto, deve-se notar que, dada a contínua limitação no conhecimento do ambiente aquático, o estabelecimento dos limites dos fluxos ambientais terá inevitavelmente um elemento de juízo baseado na perícia ou na política.

26

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 27

Exemplos de objetivos Objetivo geral de gestão

Objetivo de fluxo/ nível

Abordagem utilizada

Rio Babingley

Manter a população de truta castanha selvagem

Curva de duração de fluxo ecologicamente aceito

Modelação do habitat físico (PHABSIM) e curva de duração do fluxo naturalizada de modelos de escoamento de precipitação

Rio Kennet

Manter a população de truta castanha selvagem

O fluxo não deve cair abaixo daquele que resulte na redução de mais de 10 % do habitat físico da truta castanha

Modelação do Habitat físico (PHABSIM)

Rio Avon

Proteger a migração de salmão

Fluxos mínimos durante épocas críticas do ano

Acompanhar o curso de salmão por rádio

Zonas úmidas das Planícies de Prevensey

Restaurar e manter os níveis ecológicos nos níveis estabelecidos em 1970

Manter água estagnada a níveis não inferiores aos 300 mm do nível de solo, em Março-Set., e mais de 600 mm abaixo do nível de solo em Out.-Fev.

Opinião dos peritos em ecologia de espécies que residem em zonas úmidas

Aumentar os níveis de água no inverno para induzir inundações e manter níveis de água com 200 mm da água de superfície na Primavera.

Opinião de peritos de ecologia de aves pernaltas

Fluxos alvo identificados nos Rios Granta e Lodes

Modelo de água subterrânea de Lodes-Granta, bombeamento experimental, estudos hidrológicos

Charnecas e Planícies de Sommerset

Restaurar número de pernaltas em procriação aos níveis de 1970

Pântanos de Chippenham, Wicken e Fulbourn

Níveis de comunidades de vegetação nos níveis de 1970

“PARA MUITOS DOS SISTEMAS FLUVIAIS DO MUNDO, AINDA NÃO FORAM ESTABELECIDOS OBJETIVOS ECOLÓGICOS ESPECÍFICOS”. Para muitos dos sistemas fluviais do mundo ainda não foram estabelecidos objetivos ecológicos específicos. Além disso, muitas autoridades reguladoras têm que equilibrar as necessidades das várias utilizações de água com as preocupações ambientais. Nesses casos, uma alternativa à abordagem baseada nos objetivos é a de examinar várias opções de alocação de água.9 Por exemplo, na área de captação do Rio Wylye no Reino Unido, existem quatro fontes principais de água subterrânea bombeada. O estabelecimento de níveis aceitáveis de captação pela Agência Ambiental da Inglaterra e Gales envolveu a consideração de várias combinações de cenários, que vão desde a opção de não captar até captação máxima de todas as fontes, com várias combinações de velocidades diferentes de bombeamento. Para cada cenário definiu-se o impacto sobre o habitat de espécies alvo de peixes e as implicações para o abastecimento hídrico para o público e indústrias. Examinaram-se as relações

27

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 28

entre o habitat e o fluxo e ainda se comparou o efeito da variação de fluxo em partes diferentes do rio, levando em consideração as variações na configuração e dimensão de canais. Esses cenários foram o tema de discussão com intervenientes (tais como pescadores e representantes de empresas aquáticas) sobre estratégias aceitáveis de captação. Da mesma maneira, como parte do Projeto Hídrico dos Planaltos de Lesoto, foram considerados vários cenários de descargas de fluxos ambientais de barragens. Para cada cenário definiu-se o impacto sobre ecossistemas fluviais a jusante e meios de vida dependentes dos mesmos, e as implicações econômicas da disponibilidade de água para venda na África do Sul. Esses cenários permitiram ao Governo de Lesoto avaliar as compensações apresentadas por opções diferentes de fluxos ambientais.

2.3 Métodos para definir as necessidades de fluxo Já foi desenvolvido um leque de métodos em vários países, os quais podem ser empregados para a definição de necessidades ecológicas de fluxo10. Em termos gerais, eles podem ser classificados em quatro categorias, a saber: 1. 2. 3. 4.

Tabelas referenciais Análise desktop Análise funcional Modelação de habitat

Cada um desses métodos poderá incluir certa contribuição da parte dos peritos e poderá abordar todas ou algumas partes do sistema fluvial. Por conseqüência, o uso de peritos e o grau segundo o qual os métodos abrangem holisticamente todas as partes do sistema são considerados como sendo características dos vários métodos. Outras classificações de métodos já foram feitas11 e incluem mais subdivisões. A intenção neste guia é de produzir uma classificação simples que seja acessível àquelas pessoas que não possuam um conhecimento especializado e profundo.

2.3.1 Tabelas referenciais Os métodos mais usados mundialmente para a definição de alvos de fluxos fluviais são métodos empíricos baseados em índices simples que constam nas tabelas referenciais. Os índices mais usados têm um caráter puramente hidrológico, embora em 1970 se tenham desenvolvido alguns métodos de caráter ecológico. Os gestores hídricos utilizam os índices hidrológicos para definir as regras de gestão hídrica bem como regular os fluxos compensatórios de reservatórios e açudes. Os exemplos aplicáveis são percentagens do fluxo médio ou certas percentagens de um gráfico representativo da duração do fluxo.12 Esse método já foi adotado para o estabelecimento de fluxos ambientais para definir regras operacionais simples para barragens ou estruturas de captação onde não se disponha de dados ecológicos locais ou haja poucos dados. Podem se estabelecer tais índices utilizando várias técnicas ou suposições, incluindo as puramente hidrológicas, as que se originam de observações sobre as relações hidroecológicas, ou as que são derivadas de uma análise hidrológica e ecológica mais formal. Implícito nesses índices é que eles baseiam-se em características estatísticas no que diz respeito ao regime de fluxo natural. Na França, por exemplo, utiliza-se um índice hidrológico. A Lei francesa sobre Pesca em Água Doce, de 1984, exige que os fluxos remanescentes nas seções do rio que já foram ultrapassadas tenham um mínimo de 1/40 do fluxo médio para programas existentes e 1/10 do fluxo médio para novos programas.13 Quanto a represas utilizadas explicitamente para o abastecimento hídrico público, a água pode ser restituída ao rio após utilização, provavelmente por uma instalação com vistas ao tratamento de resíduos. Porém, isto poderá estar afastado da tomada ou até estar den-

28

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 29

tro de outro reservatório. No caso das barragens hidrelétricas e cujas descargas são voltadas à geração de energia, o fluxo anual a jusante da barragem não poderá ser significativamente menor que o fluxo natural, mas o ajustamento do fluxo dependerá da procura por eletricidade que provavelmente será oferecida durante os períodos de pique. Na regulação de captações no Reino Unido, um índice de fluxo natural baixo tem sido utilizado para definir o fluxo ambiental. O índice mais utilizado é o Q95, isto é, o fluxo que é igualado ou excedido durante 95% do tempo. Noutros casos, os índices de eventos de seca menos freqüentes têm sido utilizados como o fluxo mínimo médio anual. O Índice Q95 foi escolhido expressamente por razões hidrológicas. No entanto, a implementação desse método requer freqüentemente o uso de informação ecológica14. Um método adicional que se utiliza é o Método Tennant.15 Foi desenvolvido com dados calibrados de centenas de rios nos estados do Meio-Oeste dos EUA, para especificar os fluxos mínimos a fim de proteger um ambiente fluvial sadio. São especificadas as percentagens do fluxo mínimo anual no sentido de fornecer qualidades diferentes de habitação para os peixes, por exemplo, 10% para qualidade inferior (sobrevivência), 30% para um habitat moderado (satisfatório) e 60% para um habitat excelente. Esse método pode ser utilizado em outros lugares, mas teria que se calcular novamente os índices exatos para cada região. No Meio-Oeste norte-americano, têm-se utilizado bastante os índices no planejamento ao nível da bacia. Porém, não são recomendados no caso de estudos específicos e onde seja necessário negociar.

“AS TABELAS REFERÊNCIAIS SÃO PARTICULARMENTE ÚTEIS EM SITUAÇÕES POUCO CONTROVERSAS” Alguns autores já concluíram que os métodos baseados na proporção de fluxo médio não eram os mais adequados para os regimes de fluxo dos rios do Texas, uma vez que freqüentemente tinham como resultado um fluxo exageradamente elevado.16 Como substituto, elaboraram um método utilizando percentagens variáveis do fluxo médio mensal. Elas foram baseadas nos inventários de peixes, necessidades do ciclo de vida de peixes, distribuições da freqüência de fluxo e necessidades hídricas para épocas especiais como as de procriação e migração. A vantagem de todos os métodos referenciais é que uma vez desenvolvido o procedimento geral, a aplicação requer poucos recursos. Infelizmente, não há provas de que os índices hidrológicos simples são transferíveis entre regiões e por isso apenas se tornam “rápidos” caso sejam re-calibrados para outra região. Mesmo assim, não levam em consideração as condições específicas do local. Os índices baseados apenas nos dados hidrológicos são mais facilmente re-calibrados para qualquer região, mas não possuem nenhuma validade ecológica e, consequentemente, a incerteza é elevada no que diz respeito ao alcance de bons resultados. Aqueles índices baseados em dados ecológicos evidentemente possuem mais validade ecológica, mas é possível que o ato de compilá-los seja oneroso e longo . Em geral, as tabelas referenciais são apropriadas para situações de pouca controvérsia e tendem igualmente a ser preventivas.

2.3.2 Análise Desktop Os métodos dessa categoria centram-se na análise de dados. Os métodos de análise desktop utilizam dados existentes, tais como fluxos fluviais de estações de medição, e/ou dados sobre peixes tirados de levantamentos regulares. Se for preciso, alguns dados podem ser recolhidos de um local ou locais específicos num rio para suplementar a informação existente. Esses métodos podem ser subdivididos em duas categorias: aqueles baseados puramente em informação hidráulica (tais como a configuração de canais) e os que empregam dados ecológicos. Os métodos de análise hidrológica desktop examinam o regime inteiro do fluxo fluvial, ao invés de

29

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 30

usar estatísticas prévias. Um princípio fundamental é manter a integridade, sazonalidade natural e variabilidade de fluxos, incluindo inundações e fluxos baixos. Por exemplo, a ênfase é dada na definição de condições hidrológicas para a diminuição do fluxo onde os rios são efêmeros, ou a descarga de sedimento no caso onde as inundações forem importantes para a manutenção da estrutura física do canal fluvial.17 O Método Richter é um exemplo de método de análise desktop.18 Ele define os padrões para os fluxos fluviais cujo objetivo principal é a proteção do ecossistema natural. Ele identifica os componentes de um regime de fluxo natural, indexado por quantidade (tanto dos fluxos baixos como dos altos), tempo (indexado por estatísticas mensais), freqüência (número de eventos) e duração (indexada pela mudança dos médios, mínimos e máximos). Utiliza fluxos diários calibrados ou modelados e um conjunto de 32 índices. Cada índice é calculado anualmente com base na relação hidrológica e, desse modo, centra-se na variabilidade inter-anual dos índices. Estabelece-se, por conseguinte, uma gama aceitável de índices, por exemplo um desvio de + ou -1 do médio ou entre 25% e 75%. Este método tem como objetivo a definição de padrões provisórios, que podem ser controlados e revisados. No entanto, até agora não houve investigação suficiente para relacionar as estatísticas de fluxo com elementos específicos do ecossistema.

“COMO REGRA GERAL, OS RIOS LARGOS E POUCO PROFUNDOS TENDEM A DEMONSTRAR MAIS SENSIBILIDADE”. Os métodos hidraúlicos19 fazem parte de uma categoria importante das técnicas de análise desktop. Utilizam as mudanças nas variações hidráulicas, tais como o perímetro molhado, isto é, a área submergida do leito, para definir os fluxos ambientais. Elas fornecem índices simples do habitat disponível num rio para uma determinada descarga.20 Como regra geral, os rios pouco fundos e largos tendem a demonstrar mais sensibilidade dos seus perímetros molhados a flutuações no fluxo do que os rios estreitos e fundos. Em alguns casos as inspeções de campo, algo limitadas, são realizadas enquanto que, em outros casos, utilizam-se os gráficos de descarga por etapa existentes, provenientes de estações onde se medem os fluxos fluviais. Tem-se utilizado notavelmente esse método nos EUA21 e na Austrália22, e alguns investigadores23 já realçaram os problemas de tentar identificar as descargas limiares abaixo das quais os perímetros molhados se reduzem rapidamente. Dada essa limitação, o método é mais apropriado para apoiar a tomada de decisões baseada em cenários e negociações de alocação de água do que para a definição de um limiar ecológico. Os métodos de analise desktop que se servem de dados ecológicos normalmente têm fundamento nas técnicas estatísticas que relacionam as variáveis independentes, como o fluxo, com variáveis dependentes bióticas, tais como os números populacionais ou índices da estrutura comunitária, calculados a partir das listas de espécies. A vantagem desse tipo de método é que aborda diretamente as duas áreas de preocupação, a ecologia e o fluxo, e leva em consideração direta a natureza do rio. No entanto, existem alguns inconvenientes:

a) É difícil ou até impossível obter índices bióticos que sejam sensíveis apenas ao fluxo em vez de outros fatores como a estrutura de habitat e qualidade de água. De qualquer maneira, os índices bióticos indicados para controlar a qualidade da água devem ser utilizados com extrema cautela.24 b) Uma falta de dados tanto hidrológicos como biológicos costuma ser um fator restritivo, e às vezes os dados recolhidos com regularidade podem ter sido recolhidos para outros propósitos e consequentemente não seriam apropriados. c) É possível que a seqüência temporal de fluxos e os índices ecológicos não sejam independentes, um fato que poderá contrariar as suposições de técnicas estatísticas clássicas e requerer uma atenção especial.

30

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 31

Um método recentemente desenvolvido no Reino Unido nessa categoria é o chamado Lotic Invertebrate Index for Flow Evaluation (LIFE).25 Foi desenhado para se basear no controle regular de dados relativos aos macro-invertebrados. Foi desenvolvido um índice de sensibilidade percebida à velocidade da água após ter-se atribuído valores entre 1 e 6 a todos os grupos taxionômicos regis-

Exemplo: Fluxo fluvial (escala logarítmica) e seqüência temporal da contagem LIFE

trados no Reino Unido. Para conseguir uma amostra, a contagem para cada grupo taxionômico observado é modificada com base na sua abundância e calcula-se um resultado agregado. O sistema funciona com dados relativos ao nível de espécies e grupos de família. Com a finalidade de se monitorar os locais a pouca distância das estações de calibragem de fluxo, poderá ser analisada a relação entre o resultado LIFE e o fluxo fluvial precedente. As médias variáveis de fluxos precedentes já demonstraram uma boa correlação com resultados LIFE em vários locais (ver figura). Os procedimentos para o uso dessa informação na gestão de fluxos fluviais ainda se encontram em fase de desenvolvimento. Não obstante, acredita-se na estabilidade do sistema, e o LIFE tem a vantagem importante da utilização de dados recolhidos no decorrer de programas existentes de bio-controle.

2.3.3 Análise Funcional O terceiro grupo de métodos inclui aqueles que desenvolvem um entendimento das ligações funcionais entre todos os aspectos hidrológicos e ecológicos do ecossistema fluvial. Esses métodos têm uma visão alargada e abrangem muitos aspectos do ecossistema fluvial, utilizando a análise hidrológica, informação hidráulica e dados biológicos. Servem-se ainda, de modo significativo, de peritos. Talvez o método mais conhecido seja a Metodologia da Construção de Blocos (BBM), que foi desenvolvido na África do Sul.26 O fundamento da BBM é que as espécies fluviais dependem dos elementos básicos (isto, é os blocos de construção) do regime de fluxo, inclusive as inundações baixas e aquelas que mantêm as dinâmicas sedimentárias e a estrutura geomorfológica do rio. Por conseguinte, poderse-á construir um regime aceitável de fluxo para a manutenção do ecossistema devido à combinação desses elementos básicos. A BBM gira em torno de uma equipe de peritos que normalmente inclui tanto cientistas físicos, tais como hidrologistas, hidrogeologistas, geomorfologistas, como cientistas biológicos, tais como entomologistas aquáticos, botânicos e especialistas em peixes. Eles seguem uma série de passos, avaliam

31

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 32

Introdução da chamada Instream Flow Incremental Methodology (IFIM) na África do Sul, por Dr. Bob Milhous (atrás, segundo à direita), na sala de conselho do Parque Nacional de Kruger em 1992.

O controle do nível de água é um elemento essencial na gestão de fluxos ambientais.

32

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 33

os dados disponíveis, utilizam modelos de resultados, e ainda aplicam a totalidade da sua experiência profissional para chegarem a um consenso sobre os elementos básicos do regime de fluxo. A BBM tem um manual detalhado para a sua implementação,27 cuja utilização atual é regular na África do Sul, de maneira a cumprir a Lei sul-africana sobre a Água de 1998. Já foi aplicado na Austrália28 e está em fase experimental nos EUA. Na Austrália, muitos métodos de análise funcional têm sido desenvolvidos,29 inclusive o método de Avaliação de Painel de Especialistas,30 a abordagem de Painel Científico31 e a Metodologia Marcação de Nível.32 Tal como no caso da BBM, todos os aspectos do regime hidrológico e do sistema ecológico são examinados por um grupo profissional de cientistas físicos e biológicos. Avaliam-se as conseqüências ecológicas de várias quantidades e ajustamentos do fluxo no rio, utilizando uma variedade de dados já disponíveis e os recentemente adquiridos. Na Bacia do Murray Darling,33 cujo fluxo fluvial é controlado por barragens, o grupo de especialistas já observou diretamente o rio em fluxos diferentes, correspondentes a várias descargas. Noutros casos, as visitas de campo são acompanhadas por uma análise de dados hidrológicos. Esse método integrado implica igualmente reuniões públicas com os atores chaves na área de captação.

2.3.4 Modelação de Habitat Como acima citado , existem dificuldades em fazer uma relação direta entre as mudanças no regime de fluxo e a resposta por parte das espécies e comunidades. Por isso, foram desenvolvidos métodos que utilizam, na definição das necessidades do fluxo ecológico, dados relativos ao habitat para espécies alvos. Dentro das condições exigidas por uma espécie específica de água doce, os aspectos físicos são os mais fortemente influenciados por mudanças no regime de fluxo. A relação entre o fluxo, o habitat e as espécies poderá ser descrita pela ligação entre as propriedades físicas de trechos fluviais, por exemplo, profundidade e velocidade de fluxo, com fluxos diferentes medidos ou modelados, com as condições físicas requeridas por espécies-chave de animais e vegetação. Uma vez definidas as relações funcionais entre o habitat físico e o fluxo, elas podem ser ligadas aos cenários do fluxo fluvial.

“A MODELAÇÃO FÍSICA DE HABITAT JÁ FOI ADAPTADA PARA USO EM MUITOS PAÍSES”. Os passos na formulação desse método para os rios foram publicados em 1976.34 Isso conduziu rapidamente a uma descrição mais institucionalizada de um modelo informatizado denominado Simulação de Habitat Físico (PHABSIM) criado pelo Serviço Americano de Peixes e Fauna Selvagem.35 Ao longo dos anos, teve como resultado o desenvolvimento de outros modelos, que seguem basicamente o mesmo método.36 Implementado em vários pacotes de software informático, o método tradicional de PHABSIM serve-se de modelos hidráulicos de uma só dimensão, adaptados para lidarem com condições de fluxo baixo e para modelarem as velocidades de corte transversal. Essas são acopladas a representações da adequabilidade ou preferência de habitat para definir as maneiras como um habitat se transforma devido a um fluxo. O grau de transformação será específico para as espécies em consideração, e freqüentemente é diferente para diferentes fases de desenvolvimento de espécies individuais. O método de modelação do habitat físico já foi adaptado em muitos países, inclusive França,37 Noruega38 e Nova Zelândia,39 ao passo que outros países já desenvolveram independentemente métodos semelhantes.40 A modelação do habitat físico já foi usada para fazer estimativas dos efeitos em termos de habitat físico utilizável e de mudanças históricas ou futuras antecipadas no fluxo, causadas pela captação ou construção de barragens. O método já evoluiu de uma análise do estado fixo de fluxos para determinados níveis de habitat, até uma análise da seqüência temporal para o regime inteiro de fluxo no

33

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 34

rio. Sucessivamente, as técnicas de análise demonstraram progressos e deixaram de se centrar nos gráficos simples representativos da duração de fluxo e habitat, para se centrarem nas análises profundas de reduções de habitat, sob vários cenários. Isso leva em consideração um conjunto de cenários, geralmente com base nos fluxos naturais, e permite que os cenários sejam comparados quantitativamente. A simplicidade desses métodos, tanto hidráulicos como de modelação de habitat, foi criticada nos anos 80. Em particular, a representação biológica centra-se nas descrições empíricas do habitat preferido e não modela a complexidade de processos que ocorrem num ecossistema fluvial.41 Desde então, numerosas aplicações específicas de modelação têm sido descritas, que demonstram um certo nível de melhoria. Uma melhor representação dos processos hidráulicos foi alcançada com a utilização de modelos computacionais bi e tri dimensionais da dinâmica de fluidos42 e foram publicados novos modelos para quantificar os habitats hidraúlicos.43 Da mesma maneira, novos modelos de habitat incluem variáveis e foram expandidos para o nível comunitário.44 No entanto, os outros métodos já ultrapassaram os modelos empíricos de maneira a incluir um maior grau de representação do processo.45 Todavia, todos esses esforços ainda não resultaram no desenvolvimento de um único pacote, que seja considerado o substituto lógica do PHABSIM. Todas as melhorias do modelo são acompanhadas pelo custo suplementar de uma complexidade aumentada. Porém, espera-se que os novos modelos possam conduzir a novas regras gerais para métodos referenciais melhorados, e possam definir os impactos da regulação do fluxo fluvial sobre as populações em vez de habitats.46 Uma vantagem dos métodos de modelação de habitat é que existem manuais claros que definem os procedimentos passo a passo. Isso permite que investigadores diferentes, quer em equipes ou individualmente, reproduzam os resultados. O inconveniente desse método é que já provocou aplicações deficientes por parte de usuários com pouca experiência. Atingem-se melhores resultados quando as equipes, compostas por engenheiros hidráulicos, hidrologistas e ecologistas, trabalham em conjunto, utilizando a modelação de habitat como uma base para seus estudos de rios específicos.

2.4 Abordagens holísticas e o recurso a peritos Muitas aplicações iniciais do estabelecimento de fluxos ambientais centravam-se em espécies individuais ou questões particulares. Por exemplo, a maioria da procura de fluxos ambientais na América do Norte e no norte da Europa foi motivada por pescadores recreacionais preocupados com o declínio no número de trutas e salmões, devido a abstrações e operações de barragens. Como resultado, os fluxos ambientais foram estabelecidos para a manutenção de níveis críticos de habitat para essas espécies, incluindo as descargas de sedimentos, velocidade de fluxo e profundidade fluvial. Parte da justificativa foi que essas espécies são muito sensíveis ao fluxo e, nos casos em que o fluxo é apropriado tanto para eles como o seu habitat, esse será então conveniente para outros elementos do ecossistema. De certo modo, pode-se referir-se aos métodos estritamente hidrológicos como sendo holísticos. O conceito de que todos os elementos do ecossistema serão apoiados se o regime de fluxo for natural é implicitamente, se não explicitamente, holístico. Atualmente, cada vez mais métodos utilizam uma abordagem que inclui a avaliação do ecossistema inteiro, tais como as zonas úmidas, água subterrânea e estuários associados. Esses também levam em consideração todas as espécies sensíveis ao fluxo, tais como invertebrados, vegetação e animais, e abordam todos os aspectos do regime hidrológico inclusive, por exemplo, as inundações, secas e a qualidade hídrica. Um princípio fundamental é a manutenção da variabilidade natural dos fluxos. Os métodos da análise funcional acima descritos são bons exemplos de uma abordagem holística. No entanto, os estudos de modelação de habitat podem também incluir a avaliação de um conjunto de espécies, dinâmica de fluxo e a participação das partes interessadas.47 No geral, aplica-se cada vez mais uma abordagem holística em todos os métodos de fluxo ambiental.

34

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 35

“ATUALMENTE, CADA VEZ MAIS MÉTODOS UTILIZAM UMA ABORDAGEM HOLÍSTICA”. No geral, as abordagens holísticas servem-se de equipes profissionais e podem incluir a participação das partes interessadas para fazer com que a abordagem seja holística em termos tanto de grupos interessados como de questões científicas. Onde os métodos são caracteristicamente holísticos, eles têm a clara vantagem de abarcar o sistema inteiro de intervenientes - hidrológico-ecológico. O inconveniente é a onerosidade da coleta de dados pertinentes. A avaliação de fluxos ambientais é uma disciplina especializada e, por conseguinte, é necessário envolver os especialistas. Os dados, em qualquer situação específica, são raramente suficientes para a aplicação de um método integrado e objetivo por alguém que não seja perito. No início e durante a fase de elaboração das tabelas referenciais, recorria-se freqüentemente a peritos individuais para darem a sua opinião, principalmente no caso de escassez de dados. Por exemplo, um especialista poderá ter classificado um rio como parte de uma categoria específica dentro de uma tabela referencial no estabelecimento de um fluxo ambiental. A utilização de opiniões profissionais dessa maneira tem sido criticada em muitos países, por exemplo, no Reino Unido, por ter um caráter subjetivo, inconsistente, não transparente e pré-concebido. Uma alternativa é estabelecer uma equipe multidisciplinar de profissionais, que possam chegar a um consenso. Essa abordagem aparenta ser mais sólida e mais aceitável para os intervenientes. A abordagem de equipe também é mais consistente no seu reconhecimento do fato de que a avaliação de fluxos ambientais é um assunto interdisciplinar, exigindo investimento de uma gama ampla de ramos especializados. Ambos os métodos de análise funcional, o australiano48 e a BBM sul africana, utilizam uma equipe de especialistas. A equipe costuma ser composta por hidrologista, hidrogeologista, entomologista aquático e botânico, geomorfologista e um biólogo de peixes. A equipe faz avaliações sobre as conseqüências de várias quantidades e sincronização do fluxo no rio. Caso o rio seja controlado por captações a montante, os peritos podem fazer uma observação direta do rio quando esse tem fluxos diferentes correspondentes a várias descargas. Caso contrário, as visitas de campo serão acompanhadas por uma análise de dados hidrológicos. Muitos estudos de modelação de habitat, na ausência de dados de campo específicos, já utilizaram a opinião profissional, por exemplo, na descrição dos índices de adequabilidade de habitats para os peixes. Porém, o uso de debates em mesa redonda não tem sido sempre produtivo e já foram desenvolvidos outros métodos.49 A vantagem da “abordagem da equipe de peritos” é a sua flexibilidade e procura de consensos entre peritos para chegarem à melhor solução baseada nos dados e resultados disponíveis. O inconveniente é que não é necessariamente reproduzível, e outro grupo de profissionais poderá tirar conclusões diferentes. Além disso, os peritos biólogos precisam tanto ter bons conhecimentos do seu ramo e do funcionamento do rio em estudo, como também ter conhecimentos básicos de hidrologia. Ademais, todos os peritos necessitam ter uma formação básica para melhor seguirem o processo. Nos anos recentes, tem surgido uma tendência para aumentar a participação das partes interessadas no processo analítico. Esses podem incluir tanto os peritos, por exemplo no que diz respeito ao funcionamento fluvial, vindos de organizações de conservação ou empresas aquáticas, e aqueles sem uma formação especializada, por exemplo, da indústria ou do público em geral. É importante que os métodos utilizados sejam aceitáveis para as partes interessadas, caso se deseje a sua integração no estabelecimento de fluxos ambientais. Embora algumas partes interessadas tenham uma compreensão limitada dos métodos de fluxos ambientais, devido ao seu conhecimento do assunto, freqüentemente o seu conhecimento do rio poderá ser de imenso valor. É possível que algumas partes interessadas tenham sido formadas em disciplinas pertinentes como o abastecimento de água, agricultura e processos industriais e possam ter um papel influente no debate.

35

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 36

2.5 Enquadramentos para avaliação de fluxo Os métodos e abordagens acima descritos são normalmente incorporados num enquadramento de avaliação mais alargado, que identifica o problema, utiliza os melhores métodos técnicos e apresenta os resultados àqueles que tomam decisões. Descrevem-se abaixo os três enquadramentos mais utilizados.

2.5.1 Metodologia da Vazão Incremental do Fluxo (IFIM) Esse método é um enquadramento para abordar os impactos sobre os ecossistemas fluviais na mudança de um regime de fluxo fluvial. O Serviço americano de Peixes e Fauna Selvagem desenvolveu a IFIM em alguns estados americanos e a sua utilização tornou-se uma necessidade legal, principalmente para avaliar os impactos de barragens ou abstrações. É composto por cinco fases para alcançar os insumos necessários para as negociações de fluxos ambientais (ver tabela).

As cinco fases da Metodologia IFIM incluem:

Primeira fase: Identificação de problemas Os problemas são identificados e questões gerais e objetivos são relacionados à identificação de direitos. Segunda fase: Planejamento de projetos e caracterização das áreas de captação A parte técnica do projeto é planejada em termos da caracterização dos processos das áreas de captação mais extensas, espécies presentes, e estratégias do seu ciclo de vida, identificando prováveis fatores restritivos, recolhendo dados hidrológicos, físicos e biológicos básicos. Terceira fase: Elaboração de modelos Os modelos fluviais são construídos e calibrados. A IFIM faz uma distinção entre o micro-habitat, modelado freqüentemente utilizando uma abordagem tal como a PHABSIM, e o macro-habitat, que inclui a química/qualidade da água e elementos físico-químicos como a temperatura da água. Existe uma estrutura para definir os fluxos de manutenção para canais e planícies de alagamento, mas há poucos conselhos sobre os métodos específicos. Os modelos hidrológicos de cenários alternativos, incluindo uma base de condições naturalizadas ou históricas, são a força motriz dos modelos de habitat. Os modelos são integrados, utilizando o habitat como elemento comum. Quarta fase: Formulação e observação dos cenários Os cenários alternativos de descargas de barragens ou restrições de captação são formulados e examinados utilizando os modelos para definir o impacto de níveis diferentes da alteração do fluxo sobre espécies individuais, comunidades ou ecossistemas inteiros. Quinta fase: Fornecer subsídios para as negociações Os resultados técnicos são utilizados nas negociações entre as partes interessadas diferentes para resolver as questões estabelecidas na primeira fase.

A IFIM tem como vantagem o fato de que é um enquadramento abrangente cuja utilização considera as questões técnicas e de política e a sua estrutura é orientada pelos problemas. Considerase a sua índole quantitativa implícita, que integra os habitats micro e macro, como sendo uma vantagem. Ademais, valoriza-se a sua abordagem baseada nos cenários em termos de questões a negociar entre os usuários de água, mas a IFIM poderá ser menos apropriada no estabelecimento de regimes de fluxo que agem de acordo com os objetivos ecológicos.

36

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 37

Os inconvenientes dessa metodologia derivam em parte da sua índole abrangente. Um estudo completo é de longa duração e, devido à quantidade de questões abordadas, torna-se alvo de numerosas críticas. Além disso, é importante que se compreendam as limitações dos modelos utilizados — o que incluem, omitem ou simplificam — e outras questões suplementares que possam surgir da ligação dos modelos. Tem-se desprezado freqüentemente a quantificação do elemento de incerteza. Muitos estudos relativos à IFIM já foram criticados, mas essas críticas costumam aparecer por não se ter aplicado o enquadramento na sua totalidade. Freqüentemente tem-se dado ênfase ao passo número 3, o de Modelação, à custa de outros passos críticos. Paradoxalmente, os estudos relativos à IFIM foram criticados por serem demasiado institucionalizados, com uma aplicação inflexível do método. Por fim, o fato de a IFIM ser um procedimento de aspecto incremental – sendo que ele não fornece “a resposta em si” – tem sido considerado tanto como uma vantagem como uma desvantagem.

2.5.2 Reação a Jusante de Transformações Impostas de Fluxo (DRIFT) O enquadramento da resposta a jusante à transformação de um fluxo imposto (DRIFT)50 foi desenvolvido na África do Sul, tendo a sua primeira maior aplicação no Lesoto. Semelhante à BBM, estabelece uma maneira mais holística de operar, já que aborda todos os aspectos do ecossistema fluvial. É um enquadramento baseado nos cenários, que fornece aos que tomam decisões várias opções de regimes de fluxo futuros para um rio em questão, juntamente com as conseqüências da condição do rio. A DRIFT tem quatro fases para definir vários cenários e as suas implicações ecológicas, sociais e econômicas (ver tabela). É mais provável que a sua característica mais importante e inovadora seja o seu sólido modelo sócio-econômico, que descreve os impactos previstos em cada cenário sobre os usuários para fins de subsistência dos recursos de um rio. O Enquadramento relativo à DRIFT serve-se de quatro módulos: Módulo 1. Biofísico. Realizam-se estudos científicos de todos os aspectos do ecossistema fluvial dentro dos limites do projeto, sendo esses: a hidrologia, hidráulica, geomorfologia, qualidade de água, árvores ripícolas e vegetação aquática, invertebrados aquáticos, peixes, mamíferos semi-aquáticos, fauna herpética e microbiota. Todos os estudos são ligados ao fluxo, com o objetivo de se poder predizer as mudanças no ecossistema em resposta às transformações especificadas do fluxo. Módulo 2. Sócio-econômico. Efetuam-se estudos sociais relativos a todos os recursos fluviais de propriedade comum utilizados por usuários para fins de subsistência e os perfis de saúde dessas pessoas e seu gado com relação ao rio. Aos recursos utilizados são atribuídos custos. Todos os estudos são associados com o fluxo, visando à capacidade de se poder predizer como essas pessoas serão afetadas pelas mudanças fluviais especificadas (modelo anterior). Módulo 3. Construir cenários. Para qualquer regime de fluxo futuro que um cliente pretende considerar, descreve-se a mudança prevista da condição do ecossistema fluvial, utilizando a base de dados desenvolvida nos modelos 1 e 2. Descreve-se ainda o impacto previsto de cada cenário sobre os usuários de propriedade comum para fins de subsistência. Módulo 4. Economia. Calculam-se os custos de compensação de cada cenário para os usuários de propriedade em comum para fins de subsistência

Poderão omitir-se os módulos 2 e 4, se não existirem usuários de propriedade comum para fins de subsistência. Se bem que se utilize a DRIFT para construir cenários, a sua base de dados poderá ainda ser utilizada para o estabelecimento de fluxos no sentido de realizar objetivos específicos.

37

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 38

Duas outras atividades que não fazem parte da DRIFT, mas que fornecem informação suplementar aos que tomam decisões são: a) Uma avaliação macro-econômica de cada cenário, para descrever as suas implicações regionais mais amplas em termos de desenvolvimento industrial e agrícola, custo de água para regiões urbanas etc., e b) Um processo que encoraja a participação do público, em que a assembléia mais ampla das partes interessadas pode exprimir o seu nível de aceitabilidade de cada cenário. A DRIFT também foi aplicada na África do Sul para os rios Breede e Palmiet, e ainda no Zimbabwe, mas de uma maneira rápida e curta. Já está em vigor a implementação de cenários selecionados no sistema Palmiet e ainda no Lesoto. Devido à sua índole interdisciplinar, uma aplicação abrangente da DRIFT poderá custar um milhão de dólares norte-americanos ou mais, para um grande sistema fluvial. Trata-se freqüentemente de uma troca: quanto maior for o investimento nos estudos e avaliações, mais elevada será a confiança nos cenários produzidos. Importa levar em conta os custos. Realiza-se a maioria das avaliações de fluxos ambientais como parte do planejamento do projeto para uma nova barragem. Um estudo abrangente relativo à DRIFT provavelmente custará menos de 1% do custo total de muitas barragens.

2.5.3 As Estratégias CAMS A Agência Ambiental do Reino Unido tem a responsabilidade de assegurar que na Inglaterra e em Gales as necessidades de quem efetua as captações são levadas em conta, ao mesmo tempo em que o ambiente é salvaguardado. Para implementar e operacionalizar a responsabilidade de uma maneira consistente, a Agência elaborou as Estratégias de Gestão de Captações de Bacias (CAMS). O processo CAMS inclui a participação de grupos interessados, através dos intervenientes preocupados com a captação, e um enquadramento relativo à Gestão e Avaliação de Recursos (RAM). Tenciona-se, na ausência de técnicas mais sofisticadas, utilizarem a RAM como metodologia. O primeiro passo é calcular o peso ambiental que determina a sensibilidade de um rio em relação à redução do fluxo. São avaliados quatro elementos do ecossistema, a saber: 1. Caracterização física; 2. Pesca; 3. Macrófitas; 4. Macroinvertebrados. Atribui-se um valor RAM de 1 a 5 a cada elemento (sendo 1 menos sensível a reduções no fluxo e 5 o mais sensível). Em termos de caracterização física, os rios com gradientes íngremes e/ou cortes transversais pouco fundos e largos têm a contagem de 5, dado que as pequenas reduções no fluxo têm como resultado uma redução relativamente superior no perímetro úmido. . No outro extremo, trechos fluviais em terras baixas de uma estrutura estreita e profunda não são tão sensíveis à redução de fluxo e têm uma contagem 1. Fotografias de trechos

Esquema de contagem para pesca como parte da atribuição de valores ambientais no contexto do enquadramento RAM. Contagem RAM Descrição

38

1

Peixe salmonídeo – áreas de desova/viveiro

4

Salmão adulto residente (selvagem) e/ou peixe reófilode espécie barbell, graling

3

Passagem de peixe salmonídeo, (jovens e adultos) e/ou peixe ciprinídeo de água corrente de espécie dace, chub, gudgeon, bullhead, e/ou desova de desova/procriação/passagem

2

Peixe ciprinídeo de água lenta/morta – de espécie roach, bream, tench e carp

1

Comunidade de peixe mínima, por exemplo, apenas enguias e esgana-gata (Gasterosteidae) ou sem peixes

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 39

fluviais típicos em cada categoria são utilizadas para facilitar a contagem das características físicas. A contagem para a pesca é definida quer por modelação, utilizando uma abordagem como a PHABSIM, ou a opinião profissional do pessoal encarregado da pesca da Agência Ambiental, visando à classificação do rio conforme a descrição de cada categoria de contagem de RAM. Apresenta-se abaixo um exemplo de descrição e contagem RAM de cada categoria. Uma vez definida a contagem para cada um dos quatro elementos, combinam-se as contagens para categorizar o rio numa das cinco classes de valores ambientais, sendo a Faixa A a mais sensível (contagem média de 5) e a E a menos sensível (contagem média de 1). Numa parte separada do enquadramento RAM, produz-se um gráfico representativo da duração de fluxo para fluxos naturais. Em seguida, o enquadramento especifica captações permissíveis em pontos diferentes do gráfico para cada faixa de captação. As tabelas abaixo mostram a percentagem do fluxo natural Q95 que pode ser captada. As percentagens nessa tabela não são bem apoiadas pelos estudos hidro-ecológicos, mas são apenas propostas como método substituto. No caso de os fluxos ambientais necessitarem de uma definição mais precisa, recomendam-se métodos mais detalhados como a modelação de habitat. O enquadramento RAM centra-se na produção de um gráfico representativo da duração do fluxo que seja ecologicamente aceitável. Esse contém muitas características do regime de fluxo, tais como a dimensão básica de secas, fluxos e inundações baixas. Porém, ele não contém as outras características, inclu-

Percentagens do fluxo natural Q95 que podem ser captadas por diferentes faixas de valores ambientais Faixa de valores ambientais

% que pode ser captada

A

0 - 5%

B

5 - 10%

C

10 - 15%

D

15 - 25%

E

25 - 30%

Outros

Tratamento especial

sive a seqüência temporal, duração ou ajustamento de fluxos, que são podem ser importantes para o ecossistema fluvial.51 Um gráfico representativo da duração do fluxo que é ecologicamente aceitável é mais apropriado, caso o ecossistema fluvial for controlado por características alargadas dos fluxos de estação seca/estação úmida ou de verão/inverno.

2.6 Escolha do método certo Existem, portanto, vários métodos, abordagens e enquadramentos para definir o fluxo ambiental. Qual será então o método apropriado para um determinado caso? Qual é o processo para elaboração de um conjunto de métodos num país onde até agora não existem métodos? Não há, lamentavelmente, respostas simples para essas perguntas, já que não há uma escolha simples sobre o melhor

39

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 40

método ou o mais apropriado. Algumas das vantagens e desvantagens dos diferentes métodos são resumidas na tabela a seguir. A escolha de um determinado método é definida principalmente pelos dados disponíveis e o tipo de questão a ser abordada. Podem definir-se várias categorias. A tabela no fim desta seção resume essa abordagem de escolha.

Algumas vantagens e desvantagens de métodos e características diferentes para o estabelecimento de fluxos ambientais. Subtipo

Vantagens

Desvantagens

Tabela referencial

Hidrológico Ecológico

Barato, de rápida utilização depois de calculado

Não tem especificações no que diz respeito ao local. Ecologicamente os índices hidrológicos não são válidos. Os índices ecológicos necessitam do cálculo de dados específicos para uma região.

Desk top

Hidrológico Hidráulico Ecológico

Tem especificações relativas ao local Coleta de novos dados limitada

É requerida seqüência temporal de longa duração. Sem uso explícito de dados ecológicos. Coleta de dados ecológicos exige muito tempo.

Flexível, sólido, mais centrado no ecossistema inteiro.

Coleta de dados pertinentes e emprego de vários peritos são onerosos. Peritos podem não chegar a um consenso.

Replicativo, previsível

Coleta de dados ecológicos e hidráulicos dispendiosa

Tipo de método

Análise funcional

Modelação de habitat

Nível 1. Auditoria nacional Os estudos de prospeção incluem as avaliações nacionais para a identificação de zonas onde a alocação de água é potencialmente controversa, e auditoria nacional para definir o estado geral da salubridade fluvial. Caso seja preciso avaliar muitas bacias, um método rápido como o da tabela referencial seria mais apropriado.

Nível 2. Planejamento de bacias O planejamento da escala de bacia inclui a avaliação de fluxos ambientais existentes numa bacia inteira. Nesse caso, pode-se começar a avaliação com a utilização de uma tabela referencial para facilitar a identificação de locais críticos. Uma abordagem desktop seria então mais apropriada. Uma investigação suplementar e mais detalhada apareceria na categoria de “avaliação de impactos”, e poderia incluir os estudos de modelação de habitat.

Nível 3. Avaliação de impactos na infra-estrutura Em muitos casos, as avaliações de fluxos ambientais incluem a avaliação de impactos e a mitigação de modificações específicas de fluxo como barragens ou captações importantes. Onde haja um local único afetado, precisa-se normalmente de um método detalhado de modelação, e há maior probabilidade de a autoridade reguladora custear os custos elevados. Será o caso onde a alocação de água for controversa e exigir uma investigação pública. Onde o impacto é espalhado por vários locais, poderá ser apropriado fazer avaliações iniciais de impacto por toda a bacia, utilizando um método desktop antes de se efetuar a modelação de habitat como parte de uma abordagem holística. Nesse caso, as abordagens referenciais não são apropriadas.

Nível 4. Recuperação fluvial No sentido mais estrito, a recuperação é o reestabelecimento da estrutura e função de um ecossistema52 a uma condição mais ou menos natural. Na prática, não é possível um restauro completo, devi-

40

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 41

do a grandes captações , barragens ou desenvolvimento de planícies de alagamento. Como resultado, a recuperação é freqüentemente utilizada no sentido de levar um rio ou trecho de rio a um estado recente pré-industrial. Inclui freqüentemente a redução de captações, descarga de água de reservatórios e medidas estruturais, e alterações físicas, como o re-estabelecimento de meandros. Uma abordagem holística de recuperação permitirá a avaliação dos benefícios de qualquer atividade, em termos de um funcionamento melhorado do ecossistema fluvial ou de algumas das suas partes. O nível exigido de aconselhamento profissional depende do grau de controvérsia das decisões. Em geral, incluir um grupo de peritos produzirá resultados mais aceitáveis do que utilizar peritos individuais. Além disso, um uso bem estruturado de peritos, como no método BBM, produz resultados significativamente mais sólidos do que as reuniões ad hoc. Cada país tem experiências diferentes relativas à avaliação de fluxos ambientais. Em alguns, como a África do Sul, Austrália, Reino Unido e os EUA, já se desenvolveram métodos específicos, e existe pessoal universitário especializado, empresas de consultoria e agências governamentais, e ainda programas nacionais de vigilância em vigor. Muitos países ainda não têm experiência, faltam-lhes os recursos, perícia e dados. Nesses países poderá haver um desejo de estabelecer um programa nacional de fluxos ambientais para desenvolver os métodos mais apropriados, recolher os dados corretos e ainda formar o pessoal apropriado. Sugerem-se vários passos para tal programa.

Escolha de métodos Tabela referencial 1. Estudos de Prospecção ou auditoria nacional 2. Planejamento de bacia

3. Avaliação impacto

level 1

4. Recuperação fluvial

level 1

Desktop

Análise funcional

Modelação de habitat

X X

X

level 2

level 2

X

X X

X X

X X

X X

Passo 1. Estabelecimento da coleta de dados Estabeleça um programa de coleta de dados. Ele deverá incluir medidas de hidrologia (fluxos fluviais), hidráulica (nível de água e corte transversal fluvial) e ecologia (espécies presentes, local em que foram encontradas e ligações com o fluxo) provenientes de vários locais, abrangendo exemplos da situação nacional.

Passo 2. Identificação da perícia Identifique habilidades em universidades, empresas de consultoria, agências governamentais e ONG’s nas disciplinas pertinentes, incluindo a hidrologia, hidráulica, química hídrica, botânica, zoologia aquática relativa aos invertebrados e vertebrados, geomorfologia e engenharia. A sua perícia deve ser transformada em conhecimento sucinto sobre a ecologia dos rios nacionais. Os peritos devem ser formados para trabalharem em equipes interdisciplinares e compreender as disciplinas dos outros componentes da equipe.

41

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 42

Passo 3. Estabelecimento de um centro de dados Estabeleça um centro de dados e uma biblioteca, ambos acessíveis a todos, e divulgue a sua existência.

Passo 4. Realização de cursos de formação Realize cursos de formação para construir a estrutura institucional local que efetuará as avaliações.

Passo 5. Desenvolver e iniciar a implementação de um programa de pesquisa Crie um programa de pesquisa para desenvolver métodos e conhecimentos localmente apropriados. Os métodos requerem mais aplicação e testagem em condições específicas antes de alguma avaliação final. É importante assegurar a compatibilidade dos métodos de modo que os resultados de qualquer um deles sejam consistentes.

Passo 6. Realizar estudos-piloto Efetue estudos-piloto utilizando peritos locais e um conjunto de métodos e dados disponíveis, para comparar os resultados e observar a sua adequabilidade.

2.7 Aplicar os métodos e monitorar os impactos A avaliação de fluxos ambientais inclui a definição de um fluxo apropriado para responder a um objetivo ambiental específico ou também alcançar um equilíbrio entre as condições ambientais, sociais e econômicas. A decisão sobre o fluxo ambiental específico que será implementado poderá ser uma decisão política, implicando deliberações com outras entidades. Por exemplo, muitas leis têm cláusulas que abrem exceções para condições específicas, tais como: “onde haja considerações econômicas, sociais e de saúde e segurança”, ou ”onde não faça parte do interesse nacional“, ou ”onde a segurança nacional seja comprometida”. Na aplicação de métodos de fluxos ambientais, é útil distinguir entre a gestão ativa de fluxo e a gestão restritiva de fluxo A gestão ativa de fluxo ocorre no caso da necessidade de se realizar uma ação, tal como a abertura de uma compota, no sentido de implementar um fluxo ambiental a jusante. Em tal situação, o operador da barragem poderá ter o controle completo do fluxo a jusante, se bem que, nas épocas de inundações, a água possa passar a barragem por um vertedouro É então possível desenhar e gerar um regime de fluxo inteiro, incluindo fluxos e inundações baixos. Em tal caso, um método como o BBM e um enquadramento como a DRIFT poderão ser os mais apropriados, visto que têm como objetivo específico construir o regime de fluxo. A DRIFT poderá ser utilizada na construção de diferentes cenários, com implicações ecológicas diferentes para o rio. Se o fluxo ambiental for recomendado em termos de alguma porção do fluxo natural que estaria no rio abaixo do local da barragem, então algum método para definir esse fluxo natural é exigido. Isto se realiza freqüentemente pelo controle do fluxo mundial para dentro, rumo a um reservatório ou uma zona de captação semelhante que fique perto, cujo regime de fluxo é natural ou semi-natural. Em muitos casos, a água descarregada de um reservatório será de uma qualidade diferente da água normal do rio. Poderá ter níveis inferiores de oxigênio e estar mais fria, e no caso de reservatórios estratificados, poderá haver alterações de caráter químico. Nesses casos, poderá ser preciso descarregar a água por meio de comportas diferentes, dependendo do nível da água no reservatório. Em certas ocasiões, o local em que um determinado fluxo ambiental é requerido poderá ser afastado da própria barragem, como no caso de uma planície de alagamento ou um estuário. Poderá ser preciso alterar as descargas de fluxo de acordo com os fluxos laterais ou tributários abaixo da barragem. A gestão restritiva de fluxo ocorre onde as captações ou desvios são controlados de maneira a alcançar um fluxo ambiental. Tais abstrações poderão originar do próprio rio ou da água subterrânea dentro de um aqüífero que alimenta o rio. O impacto da captação poderá variar consoante o fluxo fluvial. Enquanto que o impacto poderá ser significativo em termos de fluxos baixos, poderá igualmente ser negligenciável em termos de fluxos elevados. Em tais casos, os cenários são freqüente-

42

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 43

mente prescritos pelos perfis potenciais de captação, isto é, o ajustamento e a quantidade de água tirada. Sob essas condições a implementação de fluxos ambientais poderá realizar-se pela redução da quantidade de água que possa ser captada com o declínio do fluxo. Poderá haver um fluxo limiar, abaixo do qual não seja permitido nenhuma captação. No Reino Unido, esse fluxo é denominado ”hands-off”. Em tais casos, o controle do fluxo fluvial é crucial para a implementação da política de gestão. Poderá haver problemas no caso do processo ser burocrático. No Reino Unido, a pessoa encarregada da captação deverá ser informada por escrito quando o fluxo diminui até um nível crítico que exija a redução das taxas de captação. Até ele receber a carta e agir, o fluxo poderá já ter subido. Isso poderá não ser um problema no caso do regime de fluxo ter um padrão sazonal marcado. O alcance de fluxos ambientais em reservatórios dominados por água subterrânea apresenta alguns problemas. As relações entre captações, o nível do lençol de água e fluxo fluvial são freqüentemente complicadas. O tempo prolongado de retardo nos sistemas de água subterrânea significa que a redução de captação quando o fluxo fluvial diminui até um nível crítico poderá ser atrasado demais, dado que o impacto da captação poderá continuar a ser sentido durante muitos meses. Freqüentemente é preciso prever os fluxos fluviais, com base nas condições de aquífero, para a produção de um procedimento mais sensível e operacional no controle de captações. Como acima citado, os métodos de avaliação de fluxos ambientais são indicativos do fluxo requerido para responder à necessidade ambiental. Portanto, é essencial monitorar esses três elementos:

1. O fluxo fluvial: para assegurar que os procedimentos de implementação atinjam o fluxo ambiental definido. O fluxo deverá ser avaliado em relação a condições de base, tanto a curto prazo, para assegurar o alcance das variações diárias e sazonais, como a longo prazo, para definir a variedade anual dos fluxos. 2. A resposta do ecossistema: com a finalidade de assegurar o alcance dos objetivos ecológicos. Isto poderá exigir o controle a longo prazo, dado que o ecossistema poderá ter uma adaptação lenta a quaisquer mudanças no fluxo. Embora o controle seja freqüentemente centrado nas espécies indicadores-chaves, deverá abordar quantos elementos quanto possíveis para capturar mudanças imprevistas. 3. As respostas sociais à mudança ecossistêmica: visando identificar onde e até que ponto as comunidades dependem do peixe e de outros recursos fluviais para a sua subsistência. Levando em consideração os resultados do controle, a avaliação do fluxo ambiental e os procedimentos de implementação, descobriu-se que a resposta antropogênica é diferente daquilo que foi antecipado e, por conseguinte, os procedimentos de gestão precisam ser adaptados.

43

flow final portugues press.qxp

44

24/09/2007

9:58

PÆgina 44

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 45

Capítulo 3 Modificar a infra-estrutura hídrica 3.1 Opções e impactos infra-estruturais Até há pouco tempo, a gestão de recursos hídricos era sinônimo de construção de um estoque nacional de barragens, obras de desvio e outras infra-estruturas físicas com o intuito de armazenar e regular os fluxos fluviais. Tinha como objetivo essencial a redução da variabilidade hidrológica natural. Do mesmo modo, as abordagens de “predizer e fornecer” dominavam as decisões relativas à provisão de serviços hídricos em setores diferentes. Freqüentemente, não se fixava nenhum limite quanto à quantidade de água captada de rios, lagos, reservatórios artificiais e aquíferos de água subterrânea. Além disso, prestava-se pouca atenção à gestão e uso eficazes de água, a partir do momento em que o recurso deixou o cano ou o canal de abastecimento.

“NOVOS MODOS DE PENSAR SÃO INDISPENSÁVEIS PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL E EQÜITATIVA DE RECURSOS HíDRICOS” Em geral, aceita-se atualmente que é preciso uma nova visão sobre a infra-estrutura hídrica, estabelecida num enquadramento mais amplo de gestão integrada de recursos hídricos, para assegurar a sua gestão sustentável e eqüitativa. Muitos países já avançaram pelo caminho de adotar abordagens de gestão integrada de recursos hídricos as suas circunstâncias particulares. A Agenda 2153 e os Princípios de Dublin54 foram acontecimentos importantes que serviram de guia vital a esse trabalho. Em geral, a gestão integrada de recursos hídricos aborda as interações ambientais, territoriais e hídricas entre ambiente-terra-água na bacia inteira, em colaboração com os fluxos de água superficial e subterrânea, de uma maneira mais sistemática.55 Dá-se uma maior ênfase à coordenação de ações abrangendo jurisdições e setores diferentes, para melhorar a disponibilidade generalizada de água subterrânea e superficial e a qualidade de água. De igual importância é o fato da provisão de serviços hídricos ser enquadrada num contexto de gestão de oferta e procura . Os usuários de água e prestadores de serviços são também responsáveis pelo uso mais eficaz e eqüitativo de água dentro do setor. Em bacias enfrentando escassez de água, uma maior ênfase na redução da sua procura aliviará a pressão sobre os abastecimentos limitados e “liberará” a água para usos de valor mais elevado. Progressivamente, isso criará a flexibilidade e apoiará as negociações para locações difíceis de água. Em última análise, isso facilita a melhor gestão de riscos e incertezas. Evitam-se as mais difíceis deslocações econômicas e ambientais quando se obriga essas sociedades a aceitarem as mudanças conforme a disponibilidade e qualidade de água.

3.1.1 Impactos infra-estruturais sobre os fluxos ambientais A tabela que se segue demonstra vários tipos de infra-estruturas “flexíveis” e “rígidas” utilizadas na gestão hídrica, junto com as estratégias associadas e medidas tomadas no intuito de melhorar os fluxos ambientais. A capacidade física de modificar as descargas de barragens existentes depende do tipo de barragem, das provisões para retirar a água pela barragem e do estado de restauro dos canos de saída de água e das estruturas afins para controlar a água.

45

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 46

Representações do desenvolvimento de infra-estruturas flexíveis e rígidas e gestão de estratégias para melhorar os fluxos ambientais

Gestão de água

Estratégias e medidas representativas (Para melhorar os fluxos ambientais)

Função

Infra-estrutura/ Atividade

Estratégia/ objetivo

Armazenamento de Desvios de toda a água fluvial, captaç- escala para barragens, açudes e rios ão e regulação do fluxo.



Captação e recarga de água subterrânea



Poços instantâneos, sistemas de recarga de água subterrânea, bacias de retenção ou recarga, colheita de água pluvial no nível comunitário, etc









Transporte, fornecimento e distribuição em grande escala para usos não consumidores fora do riacho

Canais, aquedutos, canais primários e secundários de distribuição, canos etc.

Gestão da oferta/procura do uso final

Estratégias relativas aos usos finais que são eficazes em relação à água, conservação e gestão de água









Medidas possíveis

melhorar a quantidade, ajustamento da e qualidade de barragens a jusante reduzir a quantidade de captações/fluxos de desvio (pela gestão da procura)



Reduzir as captações insustentáveis que reduzem os níveis do lençol de água subterrânea melhorar os fluxos (disponibilidade) aos ecossistemas que dependem da água subterrânea melhorar a filtração de água temporária e de enchente para fontes de água subterrânea melhorar a qualidade de água subterrânea



reduzir as perdas desnecessárias nos sistemas de distribuição para tirar a pressão do abastecimento melhorar a eficiência dos sistemas de fornecimento

Reduzir captações/captações no âmbito de captações/captações de água superficial e subterrânea Reciclar e reutilizar a água onde for possível

mudança dos padrões de desenho que dizem respeito às instalações novas • modificação das estratégias operacionais existentes de reservatórios Onde for viável: • Atualizações envolvendo obras de canos de saída para barragens existentes • descomissionamento das barragens para restaurar os fluxos



• •





• • •



Gestão da qualidade de água

Instalações de tratamento de água, sistemas de drenagem, sistemas de utilização de terreno, sistemas agro-químicos

Gestão de vertentes Sistemas de gestão de e bacia hidrográfica terras, práticas de cultivo, controle de erosão, gestão de cobertura florestal e vegetal etc.

• •





• •

Melhorar o tratamento de água Controlar/reduzir os poluentes urbanos, agrícolas e industriais que entram nos cursos de água restaurar as zonas úmidas, fluxos ambientais para a purificação natural



Melhorar a capacidade para reter água das zonas de captação e reduzir a fuga incontrolada de água reduzir a erosão e fluxo sedimentário que entra nos rios melhorar a estabilidade do solo







• •



Abastecimento não convencional

46

Reciclagem, dessalinização de água salobra e marítima, gestão conjunta, sistemas tradicionais de coleta de água etc.



• •

Adicionar o abastecimento não convencional para centralizar o sistema de água e as redes Adicionar opções de abastecimento local melhorar a gestão integrada de cursos de água

• • •

Modificação das taxas de captação (mediante preços, taxas e medidas para conter a demanda.) introdução da infra-estrutura para a retenção de água temporária e torrencial e recarga de água subterrânea em escalas diferentes introdução da gestão sustentável de água subterrânea ou de aqüífero introdução/modificação da infra-estrutura para uso de água em conjunto Reparação das fugas em sistemas municipais e infra-estrutura de distribuição de água forrar os canais de distribuição

Utilização de estratégias relativas ao uso final eficazes em relação à água melhoria do controle e medição de água (água canalizada e subterrânea) implementação de medidas de política que promovem a conservação (por exemplo, tarifas progressivas) emprego de tecnologias e sistemas para a reutilização hídrica Expansão e reabilitação da infra-estrutura e instalações para o tratamento de água Desenho de instalações de tratamento de água para novos padrões de qualidade de água Eliminação /modificação da infraestrutura (por exemplo, tanque recipiente ou de assentamento) e práticas que contaminam a água subterrânea

Implementação/reforço das medidas para gerir as zonas de captação onde for possível ,(por exemplo, adaptação gestão de cobertura florestal e vegetal práticas do uso de terras agrícolas, e tecnologias locais de coleta de água s Introdução/reforço da infra-estrutura onde for aplicável, por exemplo, introduzir: dessalinização gestão conjunta de água superficial e subterrânea Utilização no nível local rural/urbano da coleta de água pluvial

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:58

PÆgina 47

Algumas medidas poderiam ser implementadas com uma rapidez relativa e atingiriam resultados imediatos em termos de fluxos ambientais. Por exemplo, um operador de barragens poderá abrir uma comporta plana vertical deslizante, no intuito de aumentar as descargas à jusante. Outras medidas precisam de mais tempo para efeito, tais como aquelas que precisam das atualizações envolvendo reformas estruturais ou então as que promovem as mudanças estruturais a longo prazo na procura de água, e por conseqüência reduzem a pressão sobre a captação de água superficial e subterrânea. Todas as opções e medidas infra-estruturais devem ser consideradas como sendo específicas a um determinado contexto, complementares e eficazes ao longo de quadros temporais diferentes. O enquadramento da gestão integrada de recursos hídricos e as abordagens relativas à tomada de decisões participativas permitem às sociedades a identificarem os primeiros passos mais práticos numa abordagem coerente e coordenada.

3.1.2 Opções de modificação das descargas provenientes de barragens e reservatórios Os fluxos ambientais não tratam somente de barragens. Porém, as barragens são freqüentemente os modificadores mais significantes e diretos de fluxos fluviais naturais e um ponto de partida para a melhoria de fluxos ambientais. As descargas a jusante provenientes de barragens são definidas em grande parte pelas provisões físicas de deixar passar água por, por cima e em redor da barragem, e as políticas operacionais relativas à descarga de água armazenada em reservatórios por trás da barragem. A modificação física de fluxos mediante uma barragem depende de uma combinação de fatores, tais como o tipo e a dimensão da barragem e o desenho e estado do restauro das estruturas de saída de água. Essas incluem os meios de fazer passar a água pela barragem, como os portões, vertedouros e canos. Se uma barragem tiver um reservatório por trás dela, a política operacional do reservatório define os padrões diários e sazonais da descarga de água. Estas normalmente refletem os fluxos para dentro do reservatório, políticas de armazenamento, programa de procura para os serviços dominantes, por exemplo, e irrigação ou produção de

Provisões gerais para a modificação de descargas de fluxo de categorias diferentes de barragens Categoria geral de barragens Represas/Barragens simples ao longo do rio, barragens de desvio ao longo do rio. Aproximadamente 40% das 45.000 grandes barragens no mundo têm menos de 20 metros de altura. A maioria desses teria comportas do tipo composta vertical deslizante. As alterações nos fluxos ambientais e descargas periódicas de lavagem seriam adaptadas rapidamente com mudanças operacionais sem grandes investimentos ou atualizações envolvendo reformas estruturais.

Provisões de fluxo e limites físicos possíveis As estruturas cujo objetivo principal é elevar o nível de água no rio por trás da barragem, normalmente até vários metros em altura para desviar alguma porção do fluxo para entradas, tais como a alimentação aos canais de irrigação ou turbinas de energia. As grandes comportas incorporadas na estrutura principal da barragem são levantadas do rio para fazer passar os fluxos elevados e as inundações. As estações de fluxo baixo são mais críticas (para os fluxos ambientais) principalmente se uma barragem ao longo do rio utilizada na produção da energia hidrelétrica “junta” água no sentido de gerar energia durante as horas de pique durante o dia, ou onde os desvios das barragens ao longo do rio “deságuam” seções do rio, mesmo que seja restituída uma distância mais a jusante. Geralmente não existem limitações físicas para aumentar fluxos ambientais mediante tais barragens e as suas estruturas associadas. Pode passar-se água facilmente por essas maneiras: • por baixo de comportas planas verticais deslizantes (que podem ser levantados parcialmente a qualquer altura), • ao longo de estruturas para passagens de peixes, (p.e escadas para a desova peixe), e • pelas outras saídas de pouca pressão, canos e válvulas Quando as comportas estiverem fechadas Geralmente a Qualidade de água não é afetada devido a pressões baixas e durações curtas de retenção e porque permanecem abertas durante os fluxos de inundação.

47

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

Categoria geral de barragens

Barragens de armazenamento (de 20 metros até 60 metros em altura) Aproximadamente 50% das grandes barragens mundiais têm uma altura de entre 20 e 60 metros Muitas barragens podem modificar os fluxos ambientais com operações, em outros casos, poderá precisar-se das atualizações envolvendo o restauro de estruturas dos canos de saída

Barragens altas e barragens importantes Aproximadamente 10% de grandes barragens no mundo ultrapassam a altura de 60m Geralmente têm saídas de pressão elevada As provisões para a modificação de fluxos ambientais seriam avaliadas caso a caso

9:59

PÆgina 48

Provisões de fluxo e limites físicos possíveis

Na maioria, as barragens entre 20 e 60 metros de altura que incorporam uma combinação de vertedouros e estruturas de saída de pressão baixa com comportas. Algumas terão compostas verticais deslizantes verticais que se podem levantar, semelhantes às das barragens ao longo do rio. Freqüentemente essas são barragens de dique (de terra ou cheio de rochas) para a irrigação e abastecimento de água. Provisões físicas para fazer passar água pelas barragens incluem: • as descargas do fluxo de fundo (com comporta) localizadas geralmente em barragens apoiantes ou, menos freqüentemente, por baixo da barragem; • canais e turbinas de energia (em barragem com unidades de hidroenergia); • túneis de desvio (utilizados primariamente no curso da construção • estruturas de passagem para peixes (por exemplo, escadas para a desova de peixe) • por baixo das comportas verticais deslizantes que se levantam (se forem incorporadas), e • iem condições de inundações – sangradouros localizados na barragem ou separadamente Limitações físicas possíveis na modificação de fluxos ambientais • as descargas do fluxo de fundo inferior ou as válvulas do nível a jusante podem ser pequenas demais para retirar volumes mais elevados de fluxo, ou inoperáveis devido à idade, falta de manutenção ou bloqueio de sedimento. • Aumentar os fluxos mínimos poderá ser possível, mas as simulações inteiras de inundações poderão ser mais difíceis, e • Túneis de desvio podem não ser operacionais, ou não desenhados para o uso regular (p.e túneis sem forro) (e.g. unlined tunnels).

Geralmente essas são as barragens mais altas de um mínimo de 60 metros até 300 metros ou mais. Elas incorporam os vertedouros para passar inundações importantes e saídas de pressão elevada a várias alturas e locais na barragem. Algumas têm grandes reservatórios profundos onde a qualidade de água ou descargas de barragem pode ser uma preocupação (p.e devido à estratificação termal, ou baixos níveis de oxigênio dissolvido em águas profundas no reservatório). Provisões físicas para passar água por trás das barragens incluem: • saídas de pressão elevada e válvulas • túneis e turbinas de energia(normalmente incorporados) • descargas do fluxo de fundo (com comportas), localizado nas barragens vizinhas ou por baixo da barragem • túneis de desvio localizados nas barragens vizinhas , ou afastados da barragem e • em condições de inundações –vertedouros localizados na barragem ou separados da barragem em si Limitações físicas possíveis para a modificação de fluxos ambientais • descargas do fluxo de fundo podem ser pequenas demais para retirar fluxos mais elevados ou bloqueadas por sedimento ou inoperáveis • válvulas de saídas de pressão elevada podem ser bloqueadas ou inoperáveis • as entradas de água podem estar fixadas a um nível específico no reservatório

energia hidrelétrica ou fluxos ambientais. A tabela seguinte demonstra as provisões típicas de fazer passar os fluxos ambientais por vários tipos de barragens. Os limites físicos potenciais na modificação da quantidade, ajustamento e qualidade das descargas a jusante são também demonstrados na tabela. Os açudes de re-regulação são às vezes construídos a jusante de uma barragem onde haja flutuações notáveis nas descargas diárias da operação de pique das unidades de hidroenergia. Esses açudes podem ter um cumprimento que vai desde centenas de metros até alguns quilômetros a jusante. São

48

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 49

desenhados geralmente para serem bacias de dissipação e água de um lago para outro durante períodos com mais descarga para prevenir grandes ondas e retirar a água com mais regularidade. A melhoria das descargas a jusante pode ser uma questão simples de levantar uma comporta plana vertical deslizante, girar uma válvula para abrir as descargas de fundo ou aumentar os fluxos pelas turbinas energéticas. As novas barragens podem ser desenhadas com provisões físicas para adaptar as descargas e acomodar as mudanças futuras relativas aos valores para a gestão do rio a custos limitados. Quando o conserto das descargas de barragens mais antigas não é fisicamente viável, é preciso realizar atualizações envolvendo reformas estruturais.

3.1.3 O Ciclo de Projeto-introdução e melhoria de fluxos ambientais O Ciclo de Projeto e de Vida56

O ciclo de projeto é uma das maneiras de considerar a altura e o modo de introduzir considerações de fluxos ambientais na seleção, elaboração e gestão de infra-estrutura hídrica. O gráfico acima ilustra uma representação genérica do ciclo de projeto e a sua relação com a estrutura hídrica. O ciclo de projeto está ainda relacionado com o conceito de gestão do ciclo de vida de bens físicos. A maioria das estruturas com uma longa duração de vida será submetida a muitas mudanças devido ao envelhecimento. As barragens, que tipicamente são desenhadas para durarem entre 50 e 100 anos, podem efetuar vários ciclos de renovação e atualização, expansão e possivelmente de comissionamento. Isso dependerá do modo como as circunstâncias econômicas e sociais mudarem na bacia ao longo do tempo

3.2 Melhorar fluxos ambientais com nova infra-estrutura hídrica 3.2.1 Critérios influenciando o planejamento e seleção de nova infra-estrutura Na fase de desenvolvimento do ciclo de projeto, são tomadas as decisões estratégicas referentes à infra-estrutura que será desenvolvida, quer seja estrutural ou não. Quando é selecionada uma barragem, esse passo é seguido pelo desenho detalhado, construção e comissionamento experimental. Porém, antes da seleção, cumpre avaliar as várias opções. Os princípios da gestão integrada de recursos hídricos apresentam critérios para identificar e avaliar todas as opções. Com base nisso, a Comissão Mundial sobre Barragens57 identificou a necessidade de uma avaliação abrangente das opções na fase inicial do projeto, no intuito de assegurar a inte-

49

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 50

Cachoeira em Bosnia-Herzegovina

gração dos fatores ambientais e sociais na tomada de decisões. De maneira consistente com essas abordagens, as partes interessadas envolvidas num diálogo referente às políticas e ao exercício de planejamento, fariam provavelmente as seguintes perguntas: • Será que todas as opções de oferta e procura da gestão hídrica e provisão de serviços hídricos disponíveis serão avaliadas? • Será que existe um conjunto de opções suficientemente diversas a escalas diferentes (por exemplo, grande e pequena escalas), e que essas opções originam de processos “de cima para baixo“ e “de baixo para cima”, incluídas no inventário de opções? • Será que as oportunidades para a gestão mais eficaz dos abastecimentos existentes e da infraestrutura hídrica têm sido exploradas antes de se procurar novas fontes? • Será que as opções são consideradas no contexto de uma bacia, e os critérios para a avaliação e seleção de opções são equilibradas, comunicadas como sendo explícitas e aplicadas de modo transparente? • Será que os critérios para responder e melhorar os fluxos ambientais são explícitos na comparação e seleção estratégica de opções? Se se propuser uma nova barragem, os desenhos preliminares e estratégias operacionais devem ser suficientemente definidos, no sentido de permitir uma verdadeira comparação com as outras alternativas. Devem-se fazer as seguintes verificações para avaliar a adequabilidade do tratamento de fluxos ambientais nesses estudos preparativos relacionados às barragens: • Será que os estudos de impactos ambientais, sociais e de saúde referentes às mudanças propostas nos regimes de fluxo são suficientemente abrangentes? • Será que os desenhos preliminares integram as provisões para responder a uma gama completa de fluxos ambientais? Por exemplo, descargas mínimas numa base sazonal, descargas de

50

flow final portugues press.qxp

• •



24/09/2007

9:59

PÆgina 51

lavagem periódicas, várias simulações de inundações ao longo do ano e medidas estruturais operacionais específicas para melhorar a qualidade hídrica de descargas a jusante? Será que as provisões de fluxos ambientais estão incluídas nos cálculos dos benefícios relativos ao projeto? Por exemplo, nas avaliações gerais de benefício perante o custo? Será que já se realizou testes de sensibilidade relativos aos critérios econômicos e financeiros e para cenários diferentes? Por exemplo, em relação às condições hidrológicas, cenários para influências potenciais de mudança no clima de água corrente na captação e regimes diferentes para a descarga de fluxos ambientais? Será que existe um programa de fiscalização para recolher a informação relativa a condições de base?

3.2.2 Estudos necessários para a construção de uma barragem Importa assegurar a conformidade do desenho da barragem e as estratégias operacionais do reservatório proposta às regulações do fluxo ambiental. Por essas estruturas serem caracterizadas por uma vida de longa duração, o objetivo principal deverá não responder apenas aos padrões atuais, mas também incorporar a flexibilidade para acomodar as futuras mudanças nas regulações e, de modo geral, demonstrar uma maior abrangência no que diz respeito à gestão adaptativa. Isso incluirá, por exemplo, a capacidade de adaptar às mudanças previstas no clima.

Fase 1: Desenho detalhado Os estudos relativos às necessidades dos fluxos ambientais seriam efetuados utilizando um dos enquadramentos expostos no Capítulo 2 (p.e IFIM, DRIFT ou CAMS). Durante essa fase, os parâmetros dos fluxos ambientais devem ser explicitamente estabelecidos como critério de desenho. É indispensável que esses estudos, junto com outros de mitigação e gestão ambiental, sejam bem integrados com a otimização do engenheiro e o trabalho de desenho

“a criação de um projeto NÃO É UMA CIÊNCIA EXATA ASSEGURE que todas as partes interessadas participem Os estudos previamente efetuados durante a fase de preparação do projeto até a seleção da barragem, tais como os estudos de viabilidade e de EIA, seriam complementados com monitoria mais detalhada e avaliações de campo. Esses podem incluir os estudos de simulação de reservatório para avaliar os efeitos possíveis sobre a qualidade de água. Por exemplo, a estratificação térmica, dispersão de poluentes, deposição de sedimentos e efeitos de tirar água de níveis diferentes do reservatório. Pode também incluir os estudos sedimentários e morfológicos para identificar as mudanças nos impactos referentes aos fluxos mundiais para dentro e fora do reservatório sobre a morfologia de fluxo e processos de erosão. Podem realizar-se ainda os estudos de equilíbrio hídrico no âmbito da avaliação da interação a jusante dos fluxos de água superficial e subterrânea, níveis de lençol freático e questões como a intromissão de sal no interior de estuários. Adicionalmente, podem-se exigir simulações de informática e testes hidráulicos-modelo no sentido de finalizar as estruturas adicionais e estratégias operacionais necessárias para as descargas pela barragem. As estruturas adicionais podem incluir passagens para os peixes e entradas de níveis variáveis. As simulações de informática e os testes também facilitam a escolha de turbinas e equipamentos subsidiários para as barragens de hidroenergia. São incluídos nestes, novos desenhos de rotor para turbinas energéticas que reduzem a mortalidade de peixe e os sistemas de injeção atmosférica para aumentar a quantidade de oxigênio dissolvido dispensada pelas turbinas. Finalmente, os estudos devem também definir a mitigação ambiental e programas de monitoria, inclusive aqueles relacionados com a resposta às necessidades de fluxos ambientais para os períodos de construção e

51

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 52

comissionamento. Porém, lembre-se de que o desenho de fluxos ambientais e sua implementação não são uma ciência exata - por isso assegure a integração das partes interessadas!

“ SÃO NECESSÁRIOS MUITOS ANOS PARA CONSTRUIR UMA BARRAGEM” Fase 2: Construção A construção de barragens pode demorar muitos anos. Por isso importa que se façam as provisões adequadas para os fluxos ambientais durante o período inteiro de construção. Por exemplo, as ensacadeiras temporais e túneis de desvio são normalmente construídos transversalmente ao rio. Essas estruturas regulatórias temporárias devem ser capazes de se adaptar às descargas de fluxos ambientais. Para conseguir isso, pode ser preciso a reflexão sobre as considerações de fluxos ambientais na rotina das atividades de construção. As questões são específicas a cada caso, e é imprescindível que sejam abordadas nos estudos de gestão ambiental durante a fase do desenho detalhado. A vigilância durante a fase de construção levava em conta tanto os fluxos bem como as questões relativas à qualidade de água, a saber, a descarga de químicas e resíduo dentro dos cursos de água.

Fase 3: Comissionar um período experimental Examinam-se todas as suposições nessa altura. Devido às incertezas inerentes à predição do comportamento dos sistemas complexos hidrológicos e biofísicos, é desejoso que o período experimental seja suficientemente prolongado e os fluxos ambientais sejam ajustáveis durante esse período. Isto é de uma importância pertinente quando as regulações de fluxos ambientais não são específicas. Teoricamente, as retificações no fluxo seriam feitas no primeiro ano operacional ou durante um período experimental mais prolongado de 2 a 3 anos, principalmente quando o enchimento de reservatório demora alguns anos.

“ASSEGURE QUE O PERÍODO EXPERIMENTAL SEJA SUFICIENTEMENTE PROLONGADO PARA SE PROCEDEREM ÀS RETIFICAÇÕES NECESSÁRIAS” É provável que os períodos experimentais mais prolongados sofram uma resistência quando as licenças não proporcionam tal flexibilidade. Para evitar mal entendidos e conflitos desnecessários, cumpre estabelecer as características específicas das descargas dos fluxos ambientais experimentais, o critério para se utilizar na escolha das retificações, e ainda quem vai escolhê-las. Isto deverá ser feito no início da fase de desenho detalhado, ou preferivelmente quando o projeto é inicialmente selecionado. Não obstante, as regulações relativas aos fluxos ambientais e a licença de operação da barragem terão uma grande influência sobre a abordagem em circunstâncias específicas.

3.2.3 Exemplos de Fluxos Ambientais e Nova Infra-Estrutura Existem muitos exemplos no tocante à integração provisional de fluxos ambientais em infra-estrutura flexível e rígida. Por um lado, existe o programa sul africano premiado chamado Working for Water (WfW), lançado em 1995, cuja existência incorpora os objetivos de fluxos ambientais na gestão do reservatório. O problema era a escassez crescente de água em pequenos reservatórios devido a múltiplos impactos desfavoráveis de espécies exóticas de plantas e árvores aquáticas. Por ter sido desprezado o problema, foi previsto uma redução de 38% dos fluxos dentro de riacho para próximos 1020 anos, elevando a uma redução de 74% nos fluxos fluviais em 30-40 anos. O WfW solucionou o problema hidrológico de tal maneira que criaram-s empregos e oportunidades de desenvolvimento para as partes interessadas mais pobres e marginalizadas no reservatório. Os estudos inicialmente efetuados sobre a eficiência do programa indicaram que a remoção das espécies invasoras resultaria num aumento dos fluxos médios de riacho de 8, 000 até 12,000 litros por hectare por dia, na época mais chuvosa do Inverno, e até 34,000 litros por hectare por dia, na época mais seca do Verão.58

52

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 53

Por outro lado, existem as tentativas da Autoridade pelo Desenvolvimento dos Planaltos em Lesoto, de introduzir novas provisões para fluxos ambientais referente a novas barragens. A nova política de fluxos ambientais será elaborada com base nos estudos realizados por uma equipe interdisciplinar em 1997, utilizando a DRIFT (ver capítulo 2). A abordagem foi extremamente inovadora por ter envolvido as comunidades de partes interessadas para a jusante da barragem que tinham sido afetadas pela mudança no regime de fluxo. O acordo original de 1987 entre o Lesoto e a África do Sul tinha provisionado as descargas de 0,5 e 0,3 metros cúbico por segundo(cm/s), das Barragens Katse e Mohale respectivamente. Baseado nos resultados da DRIFT, o desenho da Barragem Mohale foi modificado de maneira a incluir uma estrutura de entrada com múltiplos níveis capaz de ultrapassar 3-4 cm/s. Com essa medida, a qualidade de água, em particular a estrutura hídrica e níveis de oxigênio por parte das descargas para ecossistemas a jusante puderam ser melhorados. O diâmetro de uma estrutura de saída de um nível a jusante foi igualmente aumentado para permitir a passagem de água do reservatório a uma altura de 57cm. Dessa maneira fornecendo a capacidade para a descarga ocasional de fluxos que simulassem uma inundação.59

3.3 Implementar os fluxos ambientais utilizando infra-estrutura hídrica existente 3.3.1 Estudos necessários e envolvimento das partes interessadas As barragens existentes são freqüentemente o ponto de partida para o início da implementação das novas políticas de fluxo ambiental. Muitos países têm um grande estoque de barragens, açudes e represamentos existentes onde os efeitos benéficos podem ser imediatos. Se as novas regulações do fluxo ambiental determinarem o que é necessário para cada barragem, então os necessários poderão se concentrar em como implementá-las melhor e, se reformas estruturais forem necessárias, como realizar a monitoração e garantir que as determinações sejam cumpridas. É preciso efetuar estudos mais substanciais quando o regime de fluxo ambiental necessita retificações periódicas e específicas a um caso nas descargas de fluxo, baseados nos indicadores da qualidade ambiental, como no caso dos Planaltos de Lesoto. Não obstante, os indicadores da qualidade ambiental precisam ser traduzidos para parâmetros físicos sobre quais os operadores de barragens podem atuar. Estes poderão incluir as descargas de fluxo mínimas e máximas por hora, propriedades químicas e térmicas de água descarregada, e descargas periódicas para lavagem, ou volumes e ajustamento de fluxos sazonais de simulações de inundações . Em situações onde as regulações de fluxo ambiental sejam flexíveis e seja preciso fazer atualizações envolvendo reformas estruturais, as investigações podem incluir um conjunto de estudos inter-relacionados sobre: • As necessidades de fluxo ambiental e os indicadores de qualidade ambiental • Os meios alternativos para fornecer serviços reduzidos pelo aumento na lotação de fluxos ambientais • A otimização de engenharia envolvida na escolha de medidas de reformas estruturais. • As estratégias operacionais para otimizar os impactos dos fluxos ambientais sobre serviços existentes • Comissionar/re-operações experimentais e vigilância , para estabelecer se as novas descargas fornecem as qualidades ambientes antecipadas e decisões para consertar os fluxos. As licenças de operação e, até mais recentemente, os planos de utilização de água por barragens estão entre os mecanismos disponíveis para incluir as partes interessadas na tomada de decisões em torno de fluxos ambientais. Os fluxos ambientais são uma das várias regulações dizendo respeito à operação de barragens, além daqueles relacionados com questões como a segurança da barragem, gestão de inundações e controle do nível de água. Em vez de tomar uma abordagem fragmentada, os planos de utilização de água facilitam a integração de vários aspectos e envolvem a comunidade local na tomada de decisões.

53

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 54

O processo a ser identificado dependerá das regulações em cada país e da maneira como são interpretadas na prática. Sob essa questão, a Comissão Mundial sobre Barragens60 apelou a todos os países que formalmente licenciassem todas as barragens existentes com cláusulas claras que garantam o envolvimento de todas as partes interessadas nas decisões de gestão de barragem que as afetem. Isso inclui o desenvolvimento de estratégias operacionais e o estabelecimento de fluxos ambientais. Adicionalmente a Comissão recomendou a adoção de provisões para a aplicação de relatórios anuais de fiscalização, e para a revisão periódica e abrangente a intervalos de 5 -10 anos da gestão das barragens e a participação c da comunidade e das partes interessadas.

3.3.2 Limitações na modificação de barragens existentes Um fator-chave na limitação da melhoria de fluxos ambientais para barragens é o custo e a questão de quem deverá custear o processo. Existem dois custos gerais para considerar. O primeiro é o custo inicial de fazer as atualizações necessárias para modificar as descargas da barragem. Se for simplesmente uma questão de abertura de uma comporta numa barragem ao longo do rio, o custo será mínimo. Porém, se for preciso fazer atualizações envolvendo reformas estruturais importantes numa barragem alta de armazenamento, os custos serão consideravelmente mais elevados.

“OS FLUXOS AMBIENTAIS SÃO UM ENTRE VÁRIOS REGULAMENTOS PARA OPERAR UMA BARRAGEM”

O segundo é o contínuo custo da substituição dos serviços hídricos perdidos devido à descarga suplementar de fluxos ambientais. Tais perdas podem incluir a geração reduzida de energia, ou uma redução no abastecimento de água de um sistema de irrigação . Em termos econômicos, esse custo deverá aparecer no valor adicional dos serviços ambientais mantidos. No global, a noção geral é que o valor social da manutenção ou restauração dos serviços de ecossistemas seria mais alto do que o valor daqueles serviços que são abandonados, se bem que o mercado não seja capaz de calcular nenhum desses custos. O Capítulo 4 explora essa questão em profundidade, junto com a questão importante de quem deverá pagar fluxos ambientais e a perda potencial em outros serviços relacionados com a água. Do ponto de vista de um proprietário privado ou uma empresa pública, poderá não ser viável continuar com a operação de uma barragem se a implementação de um fluxo ambiental reduzir a rentabilidade de outros serviços. Onde uma isenção de cumprir os novos padrões não seja dada, alguns proprietários podem decidir que o descomissionamento é a única opção. Nesse caso, a questão da entidade responsável pelo pagamento do descomissionamento terá que ser resolvida. Em certas situações, poderia ser dado algum tempo aos proprietários de barragens para alinharem-se às novas regulações, onde seja preciso fazer atualizações envolvendo reformas estruturais. Como exemplo, a legislação poderá permitir aos operadores públicos ou privados um atraso na realização de obras civis importantes até que ocorram os ciclos de atualizações envolvendo reformas estruturais, ou até que uma barragem seja relicenciada. Geralmente, os governos consideravam esses fatores quando se fazia um esboço da legislação de fluxos ambientais e explicavam a aplicação das regulações a novas barragens e às existentes.

54

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 55

3.3.3 Exemplos de recuperação e mudança de operações Existem numerosos exemplos de países ocidentais onde a operação de reservatórios foi modificada ou as estruturas de saída relativas a barragens foram atualizadas no intuito de melhorar os fluxos ambientais. Nos EUA, por exemplo, houve uma mudança total na indústria de energia, já que as barragens de hidroenergia de propriedade privada, municipal ou de utilidade pública têm se apresentado para o relicenciamento e devem responder a exigências mais elevadas para as descargas ambientais. Com poucas exceções, os programas de fluxos ambientais efetuados nos países em desenvolvimento, até agora, têm se centrado na nova infra-estrutura. Porém, espera-se que a gestão de barragens existentes receba mais atenção durante as próximas décadas. Há um grande enfoque sobre as barragens como sendo oportunidades para a modernização e melhoria do desempenho do sistema. A gestão de sedimentos do reservatório, segurança da barragem, adaptação à mudança do clima e outros aspectos ambientais estão cada vez mais na ordem do dia dos operadores de barragens.

“A GESTÃO DE BARRAGENS EXISTENTES DEVERÁ RECEBER MAIOR ATENÇÃO.” A avaliação australiana abrangente das políticas de fluxos ambientais para o projeto das montanhas Snowy em 1997 é um exemplo do tipo de trabalho que já se faz nessa área. Esse grande projeto de integração de água com energia hidrelétrica tem disporá sua disposição seis barragens, 45 km de túneis interligados e 80 km de aquedutos. Ele desvia as águas orientais do reservatório do Rio Snowy, na direção Oeste para os Rios Murray e Muurrumbidgee, para a irrigação e geração de energia. O Governo Federal estabeleceu o inquérito Snowy Waters como parte da renovação do seu setor de energia. Foi um programa de investigação com bons recursos, provisão completa para a consulta de

A escada para a desova de peixes permite a migração de peixes para além da barragem da irrigação (Burkina Faso). As escadas para a desova de peixes são uma melhoria infra-estrutural importante e podem acompanhar as descargas de fluxos ambientais.

55

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 56

Medidas para intensificar os fluxos ambientais de barragens existentes 62 Projeto

Barragem Norris, EUA

Esta barragem de hidroenergia com 81 m de altura fica num afluente do Rio Tennessee. Em 1995 a Autoridade do Vale do Tennessee terminou os estudos para melhorar as descargas de fluxo a jusante. Medidas adaptadas incluem: • instalação de duas turbinas de auto-ventilação para oxigenar a água que passa pelas turbinas, aparentemente com um aumento de91%, nos níveis de oxigênio dissolvido; a instalação de cada unidade custou por volta de US$ 2,5 milhões. • construção (de um açude que regula 3 km a jusante da barragem US$ 3,5 milhões ), para aumentar ainda mais os níveis de oxigênio dissolvido e para servir como uma piscina para libertar a água quando a barragem não está gerando energia. Segundo o plano EFR, isto manteve o fluxo, independentemente das descargas intermitentes de hidroenergia.

Cachoeiras Priest e arragem Wanapum, EUA

Dois projetos de hidroenergia sobre o sistema do Rio Columbia (2000 MW). O Grant County Public Utility trabalhou com ONGs locais e a sociedade civil para desenvolver um plano de gestão adaptativa para melhorar as descargas de fluxo a jusante. Os acordos: • mudaram a operação do reservatório para esse transbordar no Verão e conduzir a migrações de peixes para aproximadamente metade do fluxo fluvial naquela época (em média), em vez de passar pelas turbinas de energia (que estariam já operando a toda capacidade) • reduziram o rendimento a energia de 20% numa escala anual, e • precisaram de um investimento de US$ 2.000 milhões em medidas de proteção à pesca

Barragem Arrow Rock, EUA

Projeto de substituição nas Cataratas de Stave, Canadá

56

Medida/características

Essa barragem foi construída no início dos anos 90 e tem válvulas em três níveis para controlar as descargas de água da barragem. Todas já ultrapassaram o tempo de vida útil projetado. Três válvulas que controlam o fluxo por condutos inferiores estavam fora de serviço, inibindo as descargas de inundação e a capacidade de responder às descargas de fluxos mínimos quando o reservatório estava parcialmente fechado. Em 2000, uma avaliação de várias partes interessadas, relativa às opções reabilitativas e impactos ambientais associados, recomendou: • a substituição das válvulas de saída do nível a jusante na estrutura da barragem (ensign valves) com comportas de tipo clamshell e aumento nas válvulas nos níveis médios e a montante • renovação da barragem a um custo capital estimado em US$ 14,6 milhões Em meados dos anos 90, a Columbia Britânica introduziu uma exigência no âmbito dos planos de uso de água (WUPs) para definir estratégias operacionais para todas as barragens licenciadas. As regulações requerem que os operadores envolvam as comunidades locais em diálogo sobre as opções, trocas e prioridades. Um Comitê Consultativo (CC) foi estabelecido para os projetos de substituição das casas de máquinas das barragens de Stave Falls. O CC estabeleceu oito objetivos para equilibrar as descargas a jusante do reservatório, inclusive o uso industrial do reservatório, proteção contra inundações a jusante, geração de hidroenergia, atividades recreativas no reservatório, proteção patrimonial para as pessoas do Nações Nativas, proteção da fauna selvagem, peixes e biodiversidade aquática e flexibilidade máxima para responder às futuras mudanças na política operacional. Outras características incluem: • acordo sobre uma nova estratégia de descargas para manter a estabilidade do nível de água a jusante (apoiando a viabilidade de populações de peixes, aumentando a capacidade de desova e procriação e reduzindo os chamados strandings) e assegurar a inundação periódica de zonas ribeirinhas • outras medidas para reduzir o risco de exposição a níveis elevados de pressão total de gás: • uma recomendação do CC para adotar imediatamente uma estratégia operacional, com uma revisão provisória após 5 anos, e uma revisão detalhada completa após 10 anos, e • uma estimativa do custo da implementação do plano de US$ 200.000 por ano em receitas resultantes da não-utilização da energia

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 57

partes interessadas e algumas audiências públicas. Tiveram como destaque os fluxos ambientais, as ações de gestão referentes aos reservatórios e obras de reabilitação fluvial em todos os rios afetados. Com base no inquérito, os dois governos provinciais envolvidos concordaram no restauro dos fluxos no Rio Snowy a 21% do fluxo médio anual, que não provém da barragem, e 27% a longo prazo. Isso foi considerado apropriado para restaurar os serviços ambientais nos rios afetados e assegurar um negócio viável que gera a hidroenergia. O acordo de dez anos custou aproximadamente US$ 170 milhões para as obras principais e a vigilância.61

3.4 Descomissionar a infra-estrutura para restaurar os fluxos ambientais A última fase do ciclo de projeto inclui a opção de descomissionamento ou extensão de vida. Muitos países têm barragens que se encaminham para o fim de sua vida econômica. Para essas, é preciso uma decisão sobre a extensão de vida ou remoção total. Freqüentemente a percepção pública é que a remoção é uma idéia radical. Certamente, muitas partes interessadas se opõem a essa idéia. Porém, a remoção de infra-estrutura que tenha ultrapassado a sua vida econômica é uma consideração normal e as barragens não são exceção.

“A REMOÇÃO DE UMA BARRAGEM PODE SER MENOS DISPENDIOSA DO QUE A SUA REPARAÇÃO” Quando já não faz parte do interesse publico ou não é viável econômica e financeiramente operar e manter a barragem, a remoção é uma opção. A experiência mostra que a remoção de uma barragem pode ser menos dispendiosa do que a sua reparação, principalmente quando os serviços que a barragem fornecia eram limitados. A mudança nos valores sociais que apelam para a recuperação de fluxos fluviais e serviços ecológicos, segurança pública, redução de responsabilidade legal sobre um perigo cuja reparação não seja econômica, são todos fatores que influenciaram as decisões no passado para o descomissionamento de uma barragem. Existem cerca de 500 exemplos de descomissionamento parcial e total de barragens na Europa e na América do Norte. As barragens têm sido removidas por motivos que vão desde o controle hidrelétrico até o controle de água e de inundações. Estas barragens eram de vários tipos, inclusive barragens com enchimento de terra, barragens arqueadas feitas com concreto e barragens de pedra. Até hoje a altura média de barragens removidas nos EUA é aproximadamente 6,5 metros. Cerca de 10% das barragens removidas tinham mais de 12 metros de altura e quatro barragens removidas ultrapassam os 36 metros.63 As tabelas seguintes fornecem exemplos de projetos de descomissionamento e estudos para a restauração de fluxos ambientais.

3.4.1 Opções para o descomissionamento As opções para o descomissionamento dependem do tipo de barragem e do contexto da bacia. Em geral as três abordagens principais são: • A abertura permanente das comportas, acompanhada por provisões estruturais menos importantes • Remoção parcial da barragem ou estruturas de regulação do fluxo • Remoção inteira da barragem A abertura das comportas é uma opção de baixo custo. É viável no caso de barragens ao longo do rio e barragens de armazenamento com comportas planas verticais deslizantes. Por exemplo, após uma decisão do gabinete, as comportas da Barragem Puk Mann na Tailândia foram abertas em 2000, para o restauro da migração de peixes no Rio Munn, um afluente do Rio Mekong. Esta medida foi tomada devido a uma avaliação total do impacto das operações da barragem sobre a migração de várias espécies de peixes.64

57

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 58

A remoção parcial poderá ser adequada caso a barragem seja construída em seções diferentes, por exemplo, com parte das estruturas de enchimento de terra e outras de concreto. Nesses casos poderá ser econômico e seguro remover apenas um segmento da barragem. A remoção total é geralmente mais dispendiosa e freqüentemente inclui a inversão dos passos procedimentais tomados para a construção da barragem. Em geral, os custos principais de descomissionamento são aqueles associados com: • O custo físico de remover a estrutura • O custo suplementar dos passos especiais, como a construção de obras de proteção a jusante, ou a remoção, tratamento e dispersão de sedimentos contaminados • A mitigação da mudança na dinâmica do rio, voltando este a condições normais • O custo de fornecer os serviços de substituição onde for preciso (por exemplo, gerar a energia ou implementar a gestão de procura ou medidas alternativas quanto à oferta e procura de água) Em termos econômicos, os benefícios derivados de serviços restaurados de ecossistema seriam tirados do custo do descomissionamento. Na prática, o descomissionamento em si pode ser simples e efetuado com alguma rapidez. Alternativamente, poderá ser escalonado em vários anos, principalmente quando é preciso um cuidado especial para a gestão de sedimentos que foram acumulados ao longo do tempo no reservatório.

Descomissionamento do Rio Barragem Leguer, Franca65 Esta barragem alta de concreto com 15 m de altura foi construída em 1920 para abastecer de energia uma fábrica de papel. O reservatório de 400.000 m3 localizado a jusante de zonas agrícolas já tinha sido abalado por extensa eutrofização e 50% de assoreamento no ano 1990. Em 1993 a concessão expirou e a barragem foi devolvida ao Estado. Houve preocupações quanto à segurança da barragem e à capacidade do vertedouro passar elevadas inundações. No descomissionamento da barragem, a dificuldade principal foi a de abordar a questão do sedimento no reservatório, que ameaçaria a pesca a jusante e os pontos de tomada da água potável comunitária, se fosse liberado sem tratamento e de maneira não controlada. A solução encontrada foi deixar passar uma quantidade de 95.000 m3 de lama ao longo do eixo do leito e tratar dos chamados “insetting lakes’. O trabalho de descomissionamento foi completado em 1996 sem ter havido nenhum problema grave e estabeleceu-se um programa de reabilitação e desenvolvimento para a bacia e as zonas próximas da barragem. Os custos totais aproximados foram de US$ 1,0 milhões e o Estado, com a ajuda da Agência Hídrica Loire-Brittany, pagou a remoção da barragem.

3.4.2 Limitações, respostas e riscos típicos Muitos dos que apóiam o descomissionamento reconhecem que esse processo não é apropriado para todas as grandes barragens. Geralmente, quanto maior for a barragem e o reservatório, menos viável será o descomissionamento. Num certo ponto, os custos e as limitações físicas tornam-se proibitivos. Numa bacia com insuficiência de água, por exemplo, o descomissionamento de uma barragem de armazenamento não seria uma opção viável no futuro previsível. De qualquer maneira, em alguns casos, o sedimento faria com que a capacidade de armazenamento até de uma grande barragem fosse inoperável. Seria preciso tomar as medidas necessárias para restaurar o sistema a um estado de fluxos não regulados, semelhante a um projeto referente à fuga fluvial. Os impedimentos principais à melhoria de fluxos ambientais pelo descomissionamento incluem: Mudança no uso de terreno: Onde o uso de terreno nas planícies de alagamento a jusante ou ao redor do reservatório tenha ajustado à presença da barragem e tenha alterado os fluxos de riachos. Por exemplo, poderá haver oposição local a mudanças nos níveis de água dos reservatórios ou a drenagem total, onde tenham sido desenvolvidos usos recreativos, instalações para turistas e outras. A

58

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 59

jusante, poderia haver invasão e uso da terra na planície de alagamento, e a retirada ou a remoção seria inaceitável em termos políticos ou demasiado dispendiosa. Disponibilidade e custo de serviços de substituição: Onde o custo de substituir os serviços fornecidos pela barragem existente (isto é, o abastecimento de água, controle de inundações, navegação, irrigação, recreação) seja elevado, ou onde não haja nenhuma alternativa viável. Descarga de sedimento a jusante: Onde pesticidas agrícolas, poluentes industriais tóxicos, metais pesados provenientes de operações de mineração a montante etc., tenham se acumulado no reservatório, e a sua liberação ameaçaria as atividades de consumo de água pelo homem ou os valores ecológicos. Custos e financiamento: Onde os custos de descomissionamento sejam elevados e os recursos do governo sejam limitados, ou não sejam resolvidas questões tais como, quem paga o descomissionamento ou serviços de substituição (se forem precisos). Para abordar e resolver algumas dessas questões, caso se considere a opção de descomissionamento, deverá efetuar-se um EIA completo,, tal como aconteceria para a construção de uma barragem.

Removal of the Edwards Dam, USA66 Esta barragem, com altura de 7,5 m e cumprimento de 280 m, foi construída em 1837 para um moinho movido a água. Mais tarde, foi transformada com a finalidade de gerar hidroenergia. Em 1997 foi a primeira barragem na história americana a ter rejeitada a renovação de sua licença. A Comissão Federal Regulatória de Energia declarou que a energia produzida era pouca para justificar os impactos ambientais hostis. Os fundos para a remoção da barragem e os programas suplementares de restauração da pesca foram fornecidos por uma coligação de proprietários de barragens a montante, e não foram utilizados fundos públicos. O trabalho de descomissionamento incluiu: • A remoção de uma seção de 30 m de uma barragem de dique após a construção de uma ensecadeira de cascalho. • A abertura da ensecadeira de cascalho e a remoção da barragem por etapas ao longo de um período de quatro meses parar reduzir as descargas de sedimento. • O planejamento de um programa de dez anos do restauro e controle de pescarias

Avaliação das opções relacionadas à Barragem Wloclawek, Polônia67 A WWF polonesa preparou um estudo avaliativo de opções, que recomendou o descomissionamento da Barragem Wloclawek existente sobre o trecho do nível médio do canal na eclusa do Rio Vistula na Polônia. Esta avaliação foi preparada como uma contraproposta à construção de uma barragem imediatamente a jusante para abordar uma questão de segurança de barragem com a existente barragem Wloclawek. A WWF tinha como propósito efetuar o restauro fluvial. A barragem Wlocawek é dividida em duas partes, uma barragem de terra do lado direito do rio e uma barragem de concreto com comportas, uma casa de máquinas e câmaras da eclusa para a navegação do outro lado. O estudo identificou um procedimento de: • Construção de uma ensecadeira temporária a montante e a remoção de uma seção de 300 m da barragem de terra. • Rebaixamento dessa barragem ao leito do rio para servir como fundação de uma nova ponte para a estrada e uma linha ferroviária, que atualmente passam por cima da barragem. • A seção restante de 300 m de concreto, composta por comportas, casa de máquinas e câmaras de eclusa para a navegação, permanecia no seu estado original, mas tiravam-se as comportas. • O custo total de descomissionamento foi estimado em US$ 45 milhões •

Isso se compara a um investimento de US$ 483 milhões na opção de reparar e modernizar a barragem existente (que produz 60 MW, não se utiliza das câmaras de eclusa para a navegação) e aos US$ 800 milhões para a construção de uma segunda barragem a jusante com instalações adicionais para a geração de energia.

59

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 60

3.4.3 Processo para envolver as partes interessadas Alguns países têm processos regulatórios para avaliar as barragens existentes e decidir se são apropriadas medidas como as atualizações envolvendo reformas estruturais, renovação, melhoria ou descomissionamento. Alguns não têm esses processos. Nos EUA, as avaliações se desenvolveram em grande parte em torno dos processos de renovação de licença das barragens existentes. Na Europa, tem-se ligado o descomissionamento a revisões de segurança e mudanças amplas na prática de gestão de inundações. O descomissionamento é uma opção no contexto das diretrizes da União Européia, tal como Diretriz de Enquadramento da UE.68 O processo genérico de descomissionamento teria algumas de as fases seguintes:

Fase 1: Estudo de viabilidade e avaliação de impactos •





Revise todas as alternativas (de barragens e estruturas que não sejam barragens) para os serviços que a barragem fornece atualmente; Faça um estudo de viabilidade para o descomissionamento e uma avaliação dos impactos ambientais e sociais paralelos, utilizando um grupo com várias partes interessadas ou uma organização independente Desenvolva recomendações para a(s) alternativa(s) ao descomissionamento.

Fase 2: Debates públicos referentes às opções • • •

Divulgue informações públicas e encoraje debates públicos. Apoie a construção de acordos com as partes interessadas Localize fontes de financiamento para o descomissionamento

Fase 3: Projeto detalhado e aprovação da opção selecionada • • •

Desenvolva um projeto de engenharia detalhado com mitigação e Prepare o plano final do EIA Organize a revisão pública, aceite apelos legais e revise a permissão de licença.

Fase 4: Construção, remoção e vigilância • • • •

60

Mude a operação, se isso for suficiente Construa e/ou remova a infra-estrutura Vigie as operações e efetue a manutenção Avalie as medidas mitigadoras, se for necessário

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 61

61

flow final portugues press.qxp

62

24/09/2007

9:59

PÆgina 62

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 63

Capítulo 4 Cobrindo o custo Para estabelecer fluxos ambientais é importante determinar os custos e benefícios, assim como os incentivos relacionados com a sua implementação. Dado que a restauração de fluxos é susceptível de implicar a realocação da água dos atuais usos e usuários para usos no interior dos riachos, como para a pesca e para a fauna selvagem, é pouco provável que os impactos sócio-econômicos sejam insignificantes. Contudo, os resultados de tal re-regulação variarão substancialmente de um caso para outro. Os resultados dependerão da possibilidade e de em que medida a dimensão do retorno econômico líquido gerado pelos fluxos ambientais irá exceder o do “desenvolvimento” original relativamente aos recursos hídricos. Quando se propõe estabelecer um regime de fluxo ambiental, será importante ter uma clara compreensão conceitual e empírica dos custos e benefícios da restauração dos fluxos. Isso pode prover uma justificativa importante para a ação e o financiamento. É importante compreender não apenas os custos e benefícios, mas também quem ganha e quem perde com o resultado dos fluxos ambientais. Isso pode servir para identificar as partes interessadas e facilitar a compreensão das motivações e incentivos dos diferentes intervenientes para participar. A análise econômica de fluxos ambientais servirá também para identificar as transferências monetárias, as potenciais fontes de financiamento e os mecanismos financeiros necessários para garantir a implementação bem-sucedida dos fluxos ambientais.

4.1 Avaliar as necessidades financeiras Uma avaliação criteriosa das necessidades financeiras e de outros recursos é parte integral do desenvolvimento de fluxos ambientais em qualquer nível. Obviamente, a determinação dos requisitos financeiros não ocorre de forma isolada. Os objetivos, alvos e a duração devem ser decididos em conjunto com a seleção de arranjos institucionais, mecanismos de incentivo e medidas técnicas. É também verdade que a fonte de financiamento pode desempenhar um papel em determinar as instituições e os métodos que serão utilizados. Por exemplo, se as fundações filantrópicas constituírem a fonte primária de financiamento disponível, isso pode favorecer uma abordagem liderada por ONGs em contraposição a uma abordagem liderada pelo governo. As alterações dos regimes dos fluxos naturais são efetuadas na expectativa de proporcionarem benefícios úteis. Nos casos em que são utilizados fundos ou recursos públicos, espera-se que os ganhos de tais ações, em termos econômicos e societários, superem o custo de recursos. Por exemplo, está implícito que, na instalação de uma barragem para armazenamento de água para irrigação de culturas, a expectativa é de que os benefícios em termos do aumento da produção das culturas – os “benefícios diretos” – excedam os custos referentes à construção e manutenção da barragem e do sistema de irrigação. Antigamente, considerava-se que os custos “diretos” se limitavam aos custos de construção e financiamento em que incorriam os proponentes do projeto. Atualmente, contudo, a noção de “custo direto” expandiu-se e inclui tipicamente os esforços empreendidos para mitigar ou reduzir os impactos sócio-ambientais associados à alteração do regime de fluxo natural de um rio. Habitualmente, permanecem impactos “externos” que não são conhecidos pelos promotores dos projetos ou que são desprezados no seu planejamento, desenho, construção e execução. É óbvio que estes não são inte-

63

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 64

Custos indicativos, benefícios e impactos externos da construção de barragens69

Custos diretos

Custos de capital de construção Custos de reassentamento • Custos de mitigação ambiental • Custos operacionais/de manutenção • Custos futuros de descomissionamento • •

Benefícios diretos

• • • • • • •

Impactos externos: custos ambientais, sociais e de saúde, benefícios e impactos (+ ou -)

• • • • • •

Energia Irrigação Abastecimento de água municipal e industrial Controle de inundações Navegação Recreação e pesca Armazenagem de refúgios das minas Impactos na qualidade da água Impactos na agricultura comercial ou não comercial (de subsistência), na indústria de madeira, fauna selvagem e pesca Impactos no ecossistema e na biodiversidade Impactos na emissão de poluentes Impactos nos riscos de doenças transmissíveis pela água Impactos sociais, incluindo os impactos em sítios histórico-culturais, identidade cultural, coesão social, acesso aos serviços sociais etc.

grados na contabilidade do projeto. Os custos, benefícios e impactos externos que podem estar associados a um projeto de construção de uma grande barragem são resumidos na tabela. O movimento em direção aos fluxos ambientais reflete a perspectiva mantida por muitos no sentido de que os recursos hídricos têm sido “sobre-desenvolvidos”. Essa noção implica que os benefícios importantes proporcionados por sistemas hidrológicos naturais tenham-se degradado ou se perdido, e que um regresso aos fluxos naturais seja preferível à situação atual. As razões subjacentes para ignorar os vários benefícios do fluxo natural são numerosas e difíceis de avaliar. Estas são freqüentemente ou de caráter público ou originadas de grupos marginalizados quer em termos culturais, geográficos ou econômicos. Estas características salientam não apenas a dificuldade de identificar e quantificar os benefícios diretos dos fluxos ambientais, mas apontam também para uma distinção conceitual importante entre os custos e os benefícios de fluxos ambientais.

“OS BENEFÍCIOS DA RESTAURAÇÃO AMBIENTAL SÃO DIFÍCEIS DE QUANTIFICAR.” Os custos principais para o estabelecimento de fluxos ambientais são tipicamente aqueles relacionados com a compensação de benefícios gerados pela infra-estrutura e usos existentes e os custos de reengenharia desta infra-estrutura. Estes se medem tipicamente em termos financeiros, por exemplo, os benefícios líquidos de energia hidrelétrica ou da agricultura, ou o custo de renovar infra-estruturas de energia. O preço de bens e serviços envolvidos é facilmente observado nos mercados. Todavia, os benefícios relativos à restauração ambiental são freqüentemente difíceis de quantificar. Em muitos casos, estes não passam pelos mercados e, portanto, não têm um preço de mercado observável ou quantificável. É difícil e dispendioso documentar o uso doméstico para subsistência dos rios, relativo à pesca, água doméstica, transporte e agricultura de recessão em planícies de alagamento. De igual modo, a satisfação obtida por aqueles que os aproveitam para fins recreativos e de pesca desportiva

64

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 65

não se reflete plenamente em um mercado de belas vistas, de águas límpidas ou de pesca. Nem a satisfação psicológica daqueles que não têm interação direta com os rios, mas que, entretanto, estão preocupados com a existência de habitats aquáticos, seu funcionamento e espécies, negociadas em mercados. Como é pouco provável que os fluxos ambientais passem por mercados, os benefícios que eles proporcionam não constarão numa análise que reflita apenas as transações em dinheiro nos mercados. Podem ser identificados, contudo, mediante uma análise econômica que abranja o que as pessoas estão dispostas a pagar por tais serviços. Tal análise avalia o impacto de fluxos ambientais no bemestar da sociedade em geral e pode fornecer uma imagem bem diferente de custos e benefícios. Não se podem modificar os sistemas existentes no sentido de estabelecer fluxos ambientais sem se referir ao status quo: o conjunto de custos e benefícios que resultaram do desenvolvimento de recursos hídricos e as alterações sócio-ecológicas e econômicas daí resultantes. Na avaliação de necessidades de financiamento, é crucial compreender bem este”blocos” econômicos. O que antes constituía um benefício na instalação de uma barragem para armazenar água poderá passar a ser um custo no caso de modificações na sua operação. De igual modo, a mudança para um regime de fluxo ambiental poderá converter um custo existente do projeto em um benefício para a sociedade em geral ao

Custos e benefícios de uma transição para fluxos ambientais Custos não amortizáveis (apenas financeiros)

• Custos financeiros remanescentes da dívida ou de outro financiamento obtido para a construção das instalações originais que regulavam primariamente o rio

Custos diretos (financeiros e econômicos)

• Investimentos de capital na modificação de estruturas, sistemas de distribuição da água etc. • Custos operacionais e de manutenção na modificação do sistema para facilitar os fluxos ambientais • Custos de capital ou operacionais e de manutenção da mitigação ambiental (no caso de uma melhoria ambiental resultante do desenvolvimento de recursos hídricos) • Custos de reassentamento (no caso de o assentamento ocorrer nas zonas que serão inundadas)

Custos de oportunidade (financeiros e econômicos)

• Renúncia a benefícios líquidos relativos à energia, irrigação, fornecimento de água, controle das inundações, aproveitamento para fins recreativos e outros usos

Custos de transação (financeiros e econômicos)

Custos de Poupança (financeiras e econômicas)

Benefícios diretos (financeiros, mas na maioria econômicos)

Impactos externos (+ ou -) (financeiros, mas na maioria econômicos)

• Custos para desenvolver regimes de fluxo ambiental e fixar alvos específicos para rios e instalações • Custos de legislação e disputas • Custos para desenvolver novos mecanismos e instituições necessários para a implementação de regimes dos fluxos ambientais • Diminuição de custos operacionais e de manutenção • Diminuição de despesas relacionadas com a mitigação • Benefícios líquidos da agricultura comercial e não-comercial (de subsistência), recursos madeireiros, recreação e pesca • Melhoria da qualidade da água • Melhoria do habitat aquático e da biodiversidade • Diminuição de riscos de doenças transmissíveis através da água • Diminuição de impactos sociais anteriorests

• Impactos em terceiros (isto é, aqueles que não se aproveitam diretamente da água ou de amenidades proporcionadas pela barragem ou por outra instalação) •Impactos no ecossistema e na biodiversidade (nas infra-estruturas existentes)

Nota: Um impacto financeiro tem uma conseqüência monetária para a pessoa ou grupo envolvido. Os impactos econômicos abrangem os impactos financeiros, mas também os não-monetários, que têm custos reais de recursos ou de oportunidades para os interessados. Exemplos do último incluem a colheita e o consumo da pesca e culturas à base de subsistência, bem como a pesca e a recreação para fins puramente estéticos e desportivos.

65

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 66

restaurar os fluxos (semi-)naturais. A compreensão das transformações de custos e benefícios é essencial para a identificação dos tipos de recursos e de financiamento necessários para a implementação de um regime de fluxos ambientais. A tabela lista os custos e benefícios resultantes da implementação de fluxos ambientais.

4.2 Efeitos sobre as partes interessadas Examinar os efeitos nos diferentes grupos das partes interessadas é possivelmente a melhor forma de compreender a transição para fluxos ambientais e as necessidades financeiras resultantes. Os atores relevantes incluirão todos aqueles que têm um interesse financeiro ou econômico na transição, como: • O prestador de serviços de infra-estruturas de água de fora dos cursos de água que proporciona bens e serviços aos usuários finais (isto é, os produtores de energia hidrelétrica, empresas de irrigação, provedores de fornecimento de água e agências encarregadas pela gestão e controle das cheias); • O usuário final da água de fora dos cursos de água que incorre em custos na obtenção da água e outros custos complementares, transformando-a em bem de consumo individual ou habitacional (tais como habitações que consomem água potável ou energia hidrelétrica ou barcaças nos reservatórios) ou em produtos para a venda (como agricultores que utilizam água para irrigação de culturas); • O usuário final da água de dentro dos cursos de água (isto é, o pescador, o agricultor, o homem de negócios, o usuário para fins recreativos, o turista ou cidadão que se beneficia em termos financeiros ou econômicos dos fluxos ambientais); • Terceiros não envolvidos diretamente na gestão de água ou na provisão ou usufruto de serviços, com ou sem o fluxo ambiental, mas que são afetados pelas alterações na alocação da água (por exemplo, as companhias locais prestadoras de bens e serviços não relacionados à água que sofrem perdas (ou se beneficiam) com a diminuição (ou aumento) da procura por parte usuários de água afetados; • As agências governamentais, organizações não-governamentais ou empresas do setor privado encarregadas da monitoria, regulação ou gestão de recursos naturais incluindo a água; e • Os contribuintes e filantropos que apóiam atividades de restauração ambiental. Para fins ilustrativos, a ênfase deste capítulo é o aproveitamento de água “dentro e fora dos cursos de água”. Em muitos casos em que serão aplicados os fluxos ambientais, o problema não será tão simples como a água estar ou não nos cursos de água. Ao contrário, a questão poderá estar na qualidade e regulação de fluxos, por exemplo, limpos ou sujos, doce ou salgado, no verão ou no inverno, rápidos ou lentos, contínuos ou descontínuos. Os princípios gerais aqui desenvolvidos serão muito provavelmente aplicáveis nos casos expostos

“SERÁ NECESSÁRIO A COMPENSAÇÃO OU INDENIZAÇÃO ADEQUADAS DOS GRUPOS AFETADOS NEGATIVAMENTE.” Os recursos necessários para a implementação dos fluxos ambientais abrangem aqueles requeridos para adaptar fisicamente os sistemas ambiental e de engenharia existentes e aqueles necessários para garantir mudanças aceitáveis nos nível social e econômico. No passado, o desenvolvimento de recursos hídricos ignorava a segunda parte da equação. A lição a ser aprendida aqui é que a mudança deve ser positiva para todas as partes interessadas ou ao menos não deve colocar qualquer grupo em situação de risco. Senão, o rancor e a oposição poderão comprometer a sustentabilidade de todo o programa. Isto implica que os grupos prejudicados em termos financeiros ou econômicos deverão ser adequadamente compensados ou remunerados. A tabela seguinte usa as categorias de custos e

66

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 67

benefícios indicadas na tabela anterior e examina quais as partes interessadas que arcariam com os custos ou se beneficiariam, caso o aspecto financeiro não fosse levado em conta para facilitar a transição para os fluxos ambientais.

4.3 Fontes de financiamento Para determinar as necessidades de financiamento, é preciso garantir que as partes interessadas não fiquem em piores circunstâncias com os fluxos ambientais do que estavam na situação inicial “status quo”. A tabela abaixo considera cada uma das categorias genéricas de partes interessadas pre-

Impactos sobre as partes interessadas na transição para fluxos ambientais Custo/benefício

Impactos sobre os grupos de atores/partes interessadas

Custos não amortizáveis



Decréscimo nos rendimentos para os proprietários e operadores de barragens, estruturas de desvio e sistemas de abastecimento de água, tais como as companhias hidrelétricas e outras empresas estatais, empresas de irrigação privadas e governamentais, agências/empresas municipais encarregadas do abastecimento de água

Custos diretos



Custos contraídos pelos proprietários e operadores, a menos que a propriedade ou operação mude de mãos, caso em que os custos poderão ser sustentados diretamente por uma agência governamental, uma organização não-governamental ou outra entidade de gestão

Custos de oportunidade



Perdas de energia pelas companhias/empresas estatais/projetos fornecedores de energia hidrelétrica que poderão afetar os clientes nas áreas de serviço Perda de rendimentos agrícolas líquidos pelos agricultores Perda na provisão de água pelas agências/companhias municipais encarregadas do abastecimento de água, bem como de clientes nas áreas de serviço Redução do controle de inundações afetando populações e proprietários a jusante Perda de oportunidades recreativas afetando as agências/empresas fornecedoras de bens e serviços relacionados com a recreação, bem como os usuários de água para fins recreativos

• • • •

Custos de transação



Pagamento de custos de transação pode advir de fundos públicos e, assim, os contribuintes, filantropos e cidadãos/empresas interessados possivelmente serão afetados.

Custos-poupança



Os proprietários e operadores conseguiriam fazer economia

Benefícios diretos



Benefícios para as empresas e domicílios que dependem do aproveitamento comercial dos rios para a pesca, recreação, turismo, abastecimento de água, transporte para geração de renda e de meios de subsistências Benefícios aos domicílios de subsistência em termos de satisfação das necessidades humanas básicas para alimentação, água, transporte etc Benefícios aos indivíduos em forma de uso consumível e não consumível para a recreação, turismo, pesca desportiva etc. Benefícios aos indivíduos que valorizam a existência dos rios, dos seu habitats aquáticos e da biodiversidade em si Benefícios aos indivíduos, domicílios e grupos sociais postos em risco por esforços anteriores destinados a regular os rios, seja em termos de doenças transmissíveis pela água, acesso aos recursos naturais ou perda de identidade cultural

• • • •

Impactos externos (+ ou -)





Impactos sobre terceiros (isto é, aqueles que não se aproveitam diretamente da água ou das amenidades providas pela barragem ou outras instalações, mas que são afetados em termos econômicos ou sociais pelos fluxos ambientais) Impactos sobre o ecossistema e biodiversidade (relativamente ao seu estado de adaptação vis-à-vis a infra-estrutura existente)

67

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 68

viamente identificadas, e faz uma análise geral da sua situação na condição inicial “status quo” e sob um regime de fluxo ambiental. No caso de uma diminuição no nível de bem-estar, indica-se o tipo de financiamento requerido. No caso de um aumento do bem-estar, existe uma fonte potencial de financiamento. Pode-se identificar com facilidade um conjunto de necessidades de financiamento, incluindo:Podese identificar com facilidade um conjunto de necessidades de financiamento, incluindo: • Custos não amortizáveis de reembolso da dívida; • Custos diretos na engenharia dos fluxos ambientais; • Custos diretos na engenharia dos fluxos ambientais; • Custos de mitigação associados com impactos negativos a terceiros e • Custos de transação que devem ser sustentados por estas agências, ONGs ou empresas encarregadas da implementação dos fluxos ambientais. A característica principal dos benefícios diretos dos fluxos ambientais é que esses benefícios abrangem uma gama diversa de pessoas e são dificilmente captados através dos mercados. Como qualquer bem público, as principais fontes de provisão podem por natureza ser de caráter público. Portanto, a tabela acima identifica os contribuintes e filantropos como fonte provável de financiamento na res-

Necessidades de financiamento de uma transição para fluxos ambientais Efeitos sob o regime de fluxos ambientais

Financiamento necessário

Fora dos cursos de água Fora dos cursos de água

Reembolso da dívida

Custos não amortizáveis

Reembolso da dívida

Custos reduzidos

Poupança nos custos operacionais e de manutenção

Reembolso da dívida

Custos reduzidos

Poupança nos custos de mitigação

Novos custos de capital, operacionais e de manutenção

Custos diretos de fluxos ambientais

Efeitos sob o ‘status quo‘(com infra-estrutura)

PROVEDORES DE SERVIÇOS

USUÁRIOS FINAIS Fora dos cursos de água Benefícios líquidos da produção

Custos de oportunidade relativos à produção perdida

Dentro dos cursos de água Perda de benefícios líquidos devido aos impactos externos

Recuperação parcial de benefícios diretos dos fluxos ambientais

Taxas pagas por usuários e recuperação de outros custos dos fluxos ambientais

Impactos externos (+ ou -)

Custos de mitigação

Custos de transação

Custos de transação

Compra de direitos ou compensação

TERCEIROS

Custos para as agências governamentais, ONGs e setor privado Contribuintes e filantropos

68

Financiamento para a restauração dos benefícios públicos

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 69

tauração desses benefícios públicos. Da perspectiva do governo, a provisão de financiamento deve ser contrastada com a alternativa de simplesmente autorizar a modificação. Em certos países, a última abordagem pode ser mais viável, mas muitos são os países em que qualquer esforço para “tirar” os direitos de propriedade existentes é suscetível de enfrentar uma resistência verbal e emocional. Tal resistência inevitavelmente acaba em litígio, o que exige um financiamento público substancial para garantir o sucesso do governo no caso. Portanto, o financiamento direto e abordagens baseadas no mercado exercem uma atração distinta da alternativa de abordagem regulatória mais rigorosa. Mesmo assim, a própria regulação pode servir para gerar o financiamento necessário para o retorno da água aos rios mediante sistemas de captação e de comércio. Um exemplo é a utilização destes sistemas nos Estados Unidos, onde as águas subterrâneas e de superfície são reguladas de modo integrado. Nas bacias onde os cursos de água são geralmente alimentados por águas subterrâneas, a captação dessa água pode ter efeitos adversos no fluxo dos cursos de água, se as águas superficiais estiverem completamente alocadas. Nesses casos fazem-se esforços para assegurar que os fluxos ambientais não sejam prejudicados ou tornados inviáveis por desenvolvimentos adicionais nas águas subterrâneas. Uma abordagem utilizada é a de desenvolver um sistema de fornecimento de uma grande quantidade de créditos, distribuindo-os e facilitando a sua comercialização. No Aqüífero Edwards em Texas, essa abordagem tem conduzido a um mercado ativo de tais créditos.70 Outra abordagem é estabelecer uma gestão verdadeiramente conjunta de águas de superfície e subterrâneas. O desenvolvimento de novas fontes de água subterrânea poderia então ser compensado, não só pela diminuição de outras retiradas de água subterrânea, mas também pelo restauro do fluxo dos cursos de água ou pela recarga dos aqüíferos. Num programa inovador, no Estado do Oregon, elaboraram-se regras em 2002 para mitigar o desenvolvimento de água subterrânea na Bacia do Deschutes. Os projetos de mitigação que evitam impactos sobre as águas superficiais podem ser utilizados para desenvolver créditos de mitigação que, por usa vez, podem servir para minimizar novas propostas de licença para as águas superficiais. Podem-se introduzir créditos evitando o uso de águas superficiais para o consumo, isto é, mediante projetos de conservação de água, transferências de propriedade de água permanentes ou temporárias dentro dos cursos de água e alocação de água armazenada ou através da recarga dos aqüíferos. Os créditos de mitigação podem estar na posse e comercializados por indivíduos. Os bancos de mitigação podem também comercializar créditos, sendo autorizados a usar concessões bem como transferências permanentes para gerar créditos. A Deschutes Water Exchange, uma corretora de água sem fins lucrativos, é o primeiro banco de mitigação que encarou esse desafio.71

“ALGUNS CUSTOS RELACIONADOS COM OS FLUXOS AMBIENTAIS PODEM SER RECUPERADOS À CUSTA DOS BENEFICIÁRIOS DIRETOS.” A análise das necessidades financeiras sugere que pode existir oportunidade de recuperar alguns dos custos dos fluxos ambientais à custa daqueles que se beneficiam diretamente desses fluxos. É possível cobrar taxas para a pesca e recreação, reinvestindo todo ou uma parte do rendimento em fluxos ambientais. Tal opção pode ser aplicada em países desenvolvidos, onde as pessoas envolvidas em tais atividades teriam naturalmente meios e possibilidades de pagar essas taxas. A dificuldade reside no fato de que nestes países, o nível geral de bem-estar costuma significar que a prática de tais atividades era geralmente gratuita no passado. Por exemplo, só foram feitos esforços limitados quanto a cobrar taxas para atividades recreativas “públicas”, relacionadas com os parques, e estas têm enfrentado uma oposição considerável. As taxas associadas à pesca e à caça são mais comuns, mas estas teriam provavelmente de ser aumentadas, dado que tais rendimentos serão já alocados. Nos países em desenvolvimento, poderia haver falta de equidade exigir aos grupos ribeirinhos pagar pelos serviços que originalmente lhes foram retirados sem compensação adequada, em resultado do desenvolvimento

69

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 70

de recursos hídricos tais como barragens. Portanto, as perspectivas em termos de cobrança de taxas de utilização e de recuperação de custos não são promissoras. Uma última fonte de financiamento identificada é o potencial para realizar economias mediante a diminuição de custos operacionais e de manutenção e ainda de despesas relativas à mitigação contraídos pelos prestadores de serviços. Estas entidades podem assim ser capazes de contribuir em dinheiro ou em espécie para os fluxos ambientais. Nos Estados Unidos, por exemplo, os investimentos feitos na mitigação ambiental e segurança de barragens falham em avaliar se estes poderiam simultaneamente contribuir para a melhoria dos fluxos. Outro incentivo para os provedores de serviços contribuírem é a incerteza do mercado versus abordagens do tipo “comandar e controlar”. Acima, assumiu-se que os objetivos de fluxos ambientais são garantir que nenhum grupo fique em piores circunstâncias devido aos fluxos ambientais. Na realidade, todavia, tal situação pode ocorrer e ocorre. Os prestadores de serviços e a sua clientela ficam muitas vezes preocupados com a possibilidade de futuras ações regulatórias interferirem nas suas atividades. Contribuir para os fluxos ambientais seria uma maneira dos provedores de serviços demonstrarem que agem de boa fé no sentido da melhoria das condições dos rios. Os requisitos financeiros associados à modificação de regras de operação nas descargas das hidrelétricas no intuito de melhor atender as necessidades em termos dos fluxos dos rios e afluentes, relacionam tipicamente com os custos de ajustes no tipo de equipamento para atualizações envolvendo reformas estruturais e com a perda de rendimentos provenientes da venda de energia. No caso do projeto Priest Rapids Hydroelectric localizado no Rio Columbia, nos Estados Unidos, o Grant County Public Utility District investiu mais de 200 milhões de dólares na proteção do salmão e tem alocado uma verba anual de mais de 40 milhões de dólares neste sentido.72 Para além do investimento direto que inclui a instalação de sofisticados, degraus para peixes e programa de incubadora, a concessionária aceitou realizar descargas de água durante as migrações do peixe da espécie anádromo nas épocas de Primavera e Verão. Estima-se que isso reduzirá em 20% a produção total de energia das barragens com a capacidade de 2.000 MW. Estas medidas foram tomadas pela Utilidade Pública Distrital como parte dos esforços para resolver o problema mais amplo da energia hidrelétrica e da pesca no Rio Columbia. Outra variação relativa a esta questão é a possibilidade de os provedores de serviços empregarem uma porção do seu rendimento no intuito de demonstrar que estão comprometidos com a restauração ambiental. Em 2003, por exemplo, a Bonneville Power Administration (BPA) iniciou o Columbia Basin Water Transactions Programme no sentido de explorar estratégias inovadoras, incluindo as transações de direitos sobre a água relativos a fluxos ambientais como parte do seu programa mais amplo sobre a pesca e a fauna selvagem. Em 2003, foi alocada uma verba de 2,2 milhões de dólares no programa, enquanto que o programa de 5 anos de duração deve proporcionar um financiamento anual de 5 milhões de dólares no seu segundo ano de operação. Isto constituiria uma parte significativa do largo Programa de pesca e fauna selvagem do BPA, responsável por despesas de 140 milhões de dólares anuais. Administrados pela National Fish and Wildlife Foundation, onze entidades locais do Oregon, Washington, Montana e Idaho foram qualificadas para participar do programa. Embora os fundos sejam tecnicamente federais, o governo local se beneficia de recursos provenientes de contribuintes, já que o BPA recebe receitas pela produção e venda de energia elétrica aos estados do Noroeste do Pacífico.73 Em outros casos, se medidas específicas não tiverem lugar, a ação federal ou a probabilidade da ação federal poderá o ímpeto para proporcionar financiamento. Em outros casos, também, tais esforços podem ser voluntários. Tanto na Costa Rica como no Equador, existem casos inovadores onde os provedores municipais de água cobram dos contribuintes para financiar atividades referentes à recuperação da bacia hidrográfica. Na Costa Rica, vários são os casos que demonstram diferentes modos de financiar abordagens voluntárias destinadas a otimizar o uso da terra na proteção da bacia hidrográfica e de fluxos de água.74 Desde meados dos anos 90, o governo da Costa Rica tem aproveitado

70

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 71

os rendimentos provenientes das taxas de combustível para financiar um programa de pagamento dos serviços ambientais. Os fundos são depositados num Fundo de Investimento Florestal, que paga proprietários de terra para manterem ou plantar árvores. Em muitos casos, os fundos estatais têm sido complementados por fundos provenientes dos produtores de energia hidrelétrica de pequena escala, que pagam uma porção (um quarto) do montante total. Outro contribuinte ao programa estatal é a Utilidade Municipal de Água, que cobra dos seus clientes uma sobretaxa ecológica, que é subseqüentemente reinvestida. Os fundos provenientes dos “compradores” são, portanto, utilizados para equilibrar os fundos estatais que posteriormente pagam aos agricultores nas bacias hidrográficas relevantes para se dedicarem ao reflorestamento e conservação. Num outro caso na Costa Rica, uma pequena instalação hidrelétrica tem trabalhado diretamente com uma ONG envolvida na conservação e proprietária da área a montante, passando fundos à ONG para assegurar a gestão da bacia hidrográfica de modo a que se mantenham os fluxos para as instalações de energia localizadas a jusante. Resumindo, é provável que a maior parte do financiamento e recursos para os fluxos ambientais provenha de fontes públicas e privadas de fundos, derivados das taxas, contribuições filantrópicas e contribuições de prestadores de serviços interessados. Geralmente, quanto maior a probabilidade de ameaça de regulação associada ou a aceitação pública da necessidade dos fluxos ambientais, mais provável é a possibilidade de criação de parcerias que combinam essas três fontes de financiamento.

Bacia Fluvial do Deschutes – Opções para o financiamento de fluxos ambientais Um exemplo da função do financiamento na agricultura irrigada e na recuperação de fluxos dentro dos cursos de água é o caso da Bacia do Deschutes localizada no Oregon nos Estados Unidos. Um estudo recente75 examinou os custos e benefícios potenciais de restaurar os fluxos na porção média do Rio Deschutes mediante um número de alternativas, inclusive a concessão de direitos de água dentro dos cursos de água por meio de doações e pagamentos anuais, e a montagem e extração por tubagem nos canais com perdas de transmissão que variam entre 50% e 65%. Baseando-se nos alvos de fluxo dentro dos cursos de água provenientes do Departamento de Pesca e Fauna Selvagem do Oregon, o estudo examinou o custo de aumentar o fluxo dos cursos de água no Verão de 0,8 m3/s para 7,1 m3/s. Baseando-se num estudo elaborado pelo US Bureau of Reclamation, os autores calcularam que custaria aproximadamente 4 milhões de dólares por ano para atingir os alvos unicamente por meio da canalização/tubagem. A utilização de concessões como abordagem única custaria 5,6 milhões de dólares, de acordo com os estudos sobre o aumento de custos de oportunidade da deslocação das terras. Os autores sugerem que a seleção da opção menos custosa – que implica a doação de concessões, um conjunto limitado de concessões a custo baixo seguido por alternativas menos dispendiosas de canalização – custaria 2 milhões de dólares por ano. Essas cifras refletem os custos diretos de fluxos ambientais, no caso da montagem de tubos nos canais, e os custos de cobrir os custos de oportunidade por parte dos agricultores que deixam a sua água dentro dos cursos de água mediante a concessão. Não foram considerados os custos de transação no estudo de Rio Deschutes. A experiência do Deschutes Resources Conservancy (DRC), um grupo de vários atores autorizado pelo Congresso a financiar o restauro do fluxo dentro dos cursos de água no Rio Deschutes, usando fundos federais e outros, sugere que estes custos estão longe de ser negligenciáveis. Com uma experiência de 100 anos de agricultura irrigada, existem consideráveis obstáculos de caráter social, tecnológico, legal, regulatório e administrativo a ultrapassar no gasto e consumo de fundos da magnitude sugerida no estudo, e observar que tal resulte na existência de água nos cursos de água. Em particular, os desafios resultantes dos interesses agrícolas têm impedido ou atrasado a alocação de água para a utilização nos cursos de água. Têm emergido e aumentado os grupos que se opõem à montagem de tubos nos diques de irrigação, que aumentam o valor das propriedades locais. Num caso, eles tomaram posse de um distrito de irrigação que estava prestes a iniciar um extensivo projeto de canalização. As regras complexas, muitas vezes

71

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 72

arcaicas, relativas à gestão dos direitos sobre a água e a falta de pessoal na agência regulatória têm representado dificuldades suplementares e atrasos no processamento de documentos. Todas essas considerações práticas aumentam os custos de transação, afetando o tempo de implementação dos fluxos ambientais. Se a alternativa de transferir permanentemente os direitos de água nos cursos de água for incluída junto com a concessão e a montagem de tubos nos canais, a análise do financiamento da Bacia do Deschutes constituirá um bom exemplo do conjunto completo das necessidades de financiamento. São resumidos abaixo os efeitos positivos, negativos e líquidos de passar para um regime de fluxo ambiental de acordo com o estatuto financeiro dos atores pertinentes. Neste caso, os prestadores de serviço são os distritos de irrigação. São eles que detêm os direitos que a montagem de tubos, a concessão e as transferências colocam nos cursos de água como fluxos ambientais. A concessão anual de direitos de água é o método menos complicado para atingir os alvos do fluxo ambiental. Os requisitos administrativos são de longe menos complicados que aqueles relacionados com a montagem de tubos e transferências. A única necessidade em termos de recursos ou financiamento são os custos administrativos e o pagamento aos detentores de direitos de água. No programa de concessão gerido pela DRC e pelos distritos de irrigação locais, os distritos ocupam-se da documentação e a DRC iguala esta contribuição a um pequeno pagamento (de 7 dólares acre-pé) ao titular dos direitos de água, utilizando fundos do governo federal. A montagem de tubos nos canais requer um investimento importante por parte dos distritos, porque a maior parte dos fundos públicos nos Estados Unidos requer uma contribuição das fontes locais ou dos beneficiários. De acordo com a legislação do Oregon, os distritos de irrigação podem manter uma porção da água economizada devido à montagem de tubos e utilizá-la em terras suplementares. O Estatuto sobre a Água Preservada é único no sentido de facilitar aos envolvidos no programa de conservação tirar benefícios. Isso porque os seus direitos de água foram aumentados por causa de uma porção da água economizada. Contudo, para se qualificar para este benefício, é preciso transferir permanentemente um mínimo de 25% da água para os cursos de água. Assim, criam-se possibilidades de ganhos mútuos por parte do agricultor e do ambiente, o que possivelmente atrairá financiamento para as obras de restauro. A quantidade de água que é legalmente protegida nos cursos de ‘água conservada’ deve ser proporcional à quantidade de fundos públicos, no intuito de garantir a variação de necessidades de financiamento. Todavia, a contribuição mínima estatutária de 25% da água conservada para o uso nos cursos de água implica que, no caso de os distritos não precisarem de uma contribuição de pelo menos 25% do financiamento, ‘perderiam’ água utilizando o processo de água conservada. Os fundos proporcionados pela DRC ou provenientes das fontes de financiamento estatais são tipicamente utilizados para pagar materiais (isto é, a tubagem), enquanto os distritos fazem a sua contribuição em espécie, mediante a provisão de mão-de-obra e equipamentos para montagem dos tubos. Dada a sobrelotação de água na bacia, os distritos tipicamente não efetuam um aumento da sua extensão em acres. Ao contrário, omitem a porção de água conservada na sua área, melhorando assim a provisão para a sua clientela. A tubagem não tem conseqüências econômicas consideráveis para a clientela dos distritos (os usuários finais fora dos cursos de água), uma vez que estes recebem a sua alocação regular de água. Consequentemente, o requisito principal em termos de financiamento no caso da montagem de tubos é o custo direto da tubagem – isto é, dos fluxos ambientais. Em certos casos, o impacto negativo da cobertura de diques abertos sobre as pessoas que vivem ao longo dos canais necessita de mitigação. Por exemplo, o distrito poderá proporcionar um reservatório como um corpo de água para reduzir a oposição ao projeto da montagem de tubagem. Como já se mencionou acima, os custos de transação relacionados com a montagem da tubagem nas zonas residenciais ou em sítios de lazer podem ser significativos Atualmente, não se praticam transferências permanentes de água nos cursos de água pelos distritos de irrigação, mas isso pode vir a ser uma alternativa, dado que a urbanização e a demografia reduzem a procura de água de irrigação. No caso de transferências, não é utilizada nenhuma tecnologia; portanto, a transação não implica nenhum custo direto. Todavia, os detentores de direitos de água em cada dis-

72

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 73

trito pagam taxas de avaliação ao distrito no intuito de sustentar os custos operacionais e de manutenção, as despesas de capital, bem como custos de capital anteriores. Portanto, além de pagarem diretamente os seus direitos como detentores de direitos sobre a água (por exemplo, os custos de oportunidade pelo uso da água de irrigação), qualquer esforço para transferir água nos cursos de água necessitaria que, no mínimo, a porção de custos não amortizáveis dos custos de avaliação (por exemplo, por dívidas já incorridas) seja reembolsada ao distrito para facilitar acordos da transação. O próprio distrito pouparia custos operacionais e de manutenção por não ter que distribuir tanta água. Presume-se que isto não tenha impacto líquido, já que os distritos são geridos como corporações com fins não lucrativos: os distritos só teriam de ajustar os custos de avaliação relativos aos componentes de operação e manutenção de modo a refletir as taxas reduzidas. Os impactos de transferências sobre terceiros relacionam-se com os impactos sócio-econômicos e ambientais de ”secagem” das terras irrigadas. A invasão de terras desocupadas por ervas daninhas é especialmente preocupante e requer financiamento. Pode-se plantar vegetação nativa do deserto no intuito de mitigar este impacto negativo. Esta responsabilidade poderá recair sobre o proprietário de terra ou pode ser assumida por uma organização tal como a DRC. Devem-se considerar também os impactos econômicos mais extensos de passar de uma economia agrícola a uma baseada na recreação e no turismo na zona de Deschutes. O estudo sobre o caso do Rio Deschutes discutido acima salientou a possibilidade de a passagem para os fluxos ambientais poder aumentar os benefícios de pesca da truta até 700.000 de dólares por ano, mas indicou igualmente o potencial de perdas relativas ao rendimento domiciliar devido à perda de atividades agrícolas. Talvez sejam mais críticos os impactos sociais, interpretados ou reais, de modificar os modelos históricos de uso da terra na bacia. Os custos de transação exigem também financiamento. Um projeto gerido pela DRC, o chamado Deschutes Water Exchange (DWE), tem trabalhado para desenvolver mercados de água e facilitar transferências entre os usos, inclusive usos em cursos de água. O DWE depende de financiamento público e filantrópico para desenvolver infra-estruturas de mercado e empreender o desenvolvimento do programa necessário para fazer transações na recuperação dos fluxos nos cursos de água. Os benefícios da recuperação são geralmente de caráter público, dado o fato de a utilização não ser regulada, sendo feita por pescadores, usuários para fins recreativos e turistas. Teoricamente, podem existir oportunidades de recuperar custos mediante taxas de pesca; todavia, muitas vezes o uso dessas taxas está já alocado. Portanto, no caso Deschutes, para além das contribuições em espécie provenientes dos distritos e detentores de direitos de água, que doam toda ou parte da sua água para a concessão ou a transferência nos cursos de água, precisa-se de financiamento em dinheiro que provenha dos setores públicos e filantrópicos. A própria DRC recebe uma subvenção do congresso de fundos federais anualmente que é variável, mas tem sido de cerca de 750.000 dólares americanos. Tem conseguido com sucesso também outros fundos estatais e federais de organizações que financiam a restauração de bacias hidrográficas e de rios, como a Oregon Watershed Enhancement Board e a National Fish and Wildlife Foundation. As fundações locais e estatais, tais como a Bent Foundation, o Meyer Trust e o Oregon Community Funds proporcionam subvençõess para apoiar o essencial e o desenvolvimento da missão da DRC. Mais ainda, com o desenvolvimento de programas e iniciativas como a Water Exchange, a DRC espera gerar rendimentos suplementares pelos serviços prestados aos clientes dos setores privado e público para financiar atividades de restauro suplementares.

Os mercados de água podem fazer uma contribuição aos fluxos ambientais. A comercialização da água não é um fenômeno universal, mas existem mercados formais e informais em certos países, incluindo o México, Índia, Paquistão, Chile, Estados Unidos e Austrália76. De modo geral, estes mercados têm-se desenvolvido para a transferência de água e direitos de água de um uso fora dos cursos de água para outro, como, por exemplo, de um agricultor para outro dentro de um distrito de irrigação. Com os processos crescentes de urbanização, de crescimen-

73

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 74

to demográfico e desenvolvimento econômico, esses mercados podem ajudar na alocação de água de um uso social para outro, como, por exemplo, da agricultura para o abastecimento de água municipal. Apenas na última década foi iniciada a exploração das possibilidades de utilizar mercados de água para a transferência provisória ou permanente de água nos cursos de água. Muitos países e estados gerem água sob uma doutrina de “uso benéfico”, segundo a qual a água não utilizada de modo benéfico é perdida pelo usuário ou detentor dos direitos. Neste contexto, a condição-chave que permite o aproveitamento de mercados para desenvolver fluxos ambientais é a provisão estatutária de que os usos nos cursos de água sejam “benéficos”, que as transferências de um determinado uso para outros usos nos cursos de água tais como a agricultura sejam permitidas, e que exista uma entidade autorizada a deterem os direitos. A despeito de muito interesse na criação de “Fundos” privados para deter estes direitos sobre a água na parte ocidental dos EUA, os estados que autorizam os usos benéficos nos cursos de água têm preferido adotar uma doutrina de fundo público, onde estes direitos são detidos exclusivamente pela agência estatal relevante. O comprador interessado em criar fluxos ambientais tem, portanto, de comprar o direito à água e transferi-lo para os cursos de água, devolvendo-o, efetivamente, ao Estado. Há dificuldades no que diz respeito a essa abordagem, uma vez que podem emergir conflitos entre as funções do Estado no seu papel de administrador e o detentor dos direitos de propriedade, e os constrangimentos relativos aos orçamentos estatais que podem impedir os esforços feitos para garantir que o monitoramento e o reforço à fiscalização sejam implementados no que concerne aos fluxos nos cursos de água. A implementação de tal abordagem dentro de um sistema em que os direitos pertencem a detentores privados pode facilitar a transferência de usos nos cursos de água, conforme as vantagens econômicas da água dentro e fora dos cursos de água. É pouco provável, todavia, que um mercado “livre” de água seja suficiente para alcançar as metas dos fluxos ambientais, dado o conjunto de incentivos sociais e econômicos que poderiam favorecer os usos fora do cursos de água. Ao contrário,77 é importante fornecer um quadro regulador capaz de orientar a realocação da água entre usos dentro e fora dos cursos de água, na direção desejada pela sociedade.

“E POUCO PROVÁVEL QUE UM ‘MERCADO LIVRE DE ÁGUA ’ SEJA SUFICIENTE PARA O ALCANCE DOS OBJETIVOS DE FLUXO AMBIENTAL.”

4.4 O fundamento econômico Dado que a implementação do fluxo ambiental requerer significativos recursos sociais, assim como o reajustamento dos direitos de propriedade, precisa-se de uma clara fundamentação econômica para os fluxos ambientais. Em termos simples, se o investimento de recursos na modificação de regime de fluxo não conduzir a uma melhoria marcante nas condições sociais, ambientais e econômicas, ou se este exacerbar as desigualdades e injustiças sociais existentes, então o empreendimento e financiamento de tal modificação tem fraca justificativa. O argumento a favor da provisão de financiamento para os fluxos ambientais depende, assim, da demonstração ou aceitação da necessidade de modificar as condições existentes. Em retrospectiva, sugere-se que uma fundamentação e justificativa clara não foram aplicadas no desenvolvimento de infra-estruturas de recursos hídricos, mesmo quando a decisão era interpretada em termos estritamente econômicos. Todavia, resta a necessidade de justificar decisões relativas às políticas e ao investimento do dinheiro do contribuinte e fornecer uma explicação clara no sentido dos fluxos ambientais. Isto é o caso, mesmo se uma abordagem multifacetada que considera cuidadosamente o largo espectro dos impactos econômicos, sociais e ambientais, é usada para comple-

74

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 75

mentar uma simples análise de custo-benefício. Se for assumido, porém, que todos os efeitos sociais e ambientais podem ser traduzidos em termos econômicos, a abordagem econômica mantém-se como uma simples estratégia de examinar a justificativa para o financiamento dos fluxos ambientais.

“É NECESSÁRIA UMA JUSTIFICATIVA ECONÔMICA CLARA PARA OS FLUXOS AMBIENTAIS.” Se a decisão de proceder com os fluxos ambientais for examinada na perspectiva econômica como um todo, ao contrário da perspectiva estrita de impactos financeiros sentidos por atores específicos, é preciso fazer uma série de modificações relativas às perdas e ganhos examinados acima. Estas vão de fato simplificar a avaliação líquida de custos e benefícios (ver tabela). Numa análise de custo-benefício econômico de uma mudança política, o que importa são os custos reais dos recursos e o valor da produção econômica obtida. Todos são avaliados na perspectiva de uma economia verdadeiramente competitiva.

Efeitos líquidos da transição para os fluxos ambientais sobre as partes interessadas Efeito Financeiro

Efeito Econômico

Perda líquida (conforme a compensação de custos não amortizáveis )

Perda líquida (mas inferior à perda financeira resultante da omissão dos custos não amortizáveis )

Perda líquida (conforme o valor de recuperação e de compensação paga)

Perda líquida (mas inferior à perda financeira resultante da economia em taxas e à omissão dos custos não amortizáveis )

Utilizador final nos cursos de água

Ganho líquido (se não houver taxas de utilização)

Ganho líquido (muito maior do que o ganho financeiro líquido resultante dos benefícios não-comerciais)

Agências governamentais e ONGs

Mudança interna e potencial aumento do rendimento

Perda líquida relacionada apenas aos custos de transação

Aumento de pagamentos

Nenhum efeito

Melhoria em pequena escala

Melhoria significativa

Pode haver ganho líquido, mas é provável que haja uma perda financeira líquida

Quanto mais extrema for a modificação dos fluxos naturais, mais provável será a possibilidade de haver um ganho econômico líquido.

Parte Interessada Prestador de serviços fora dos cursos de água Usuário final fora dos cursos de água

Contribuintes Terceiros Balanço

Não são consideradas, nesta análise econômica, as transferências internas nem os produtos intermediários. Assim, as transferências efetuadas por contribuintes ao governo e às ONGs não têm efeito econômico líquido. Do mesmo modo, são omitidas da análise as transferências efetuadas pelo governo e ONGs, como compensação, aos prestadores de serviços fora dos cursos de água pela modificação de sistemas e aos usuários finais fora dos cursos de água. Estes são meramente produtos e transferências intermediárias, e não produtos econômicos em si. Não são apresentados também na análise econômica os custos irrecuperáveis refletidos nos custos de infra-estrutura não pagos. A análise indicará que os custos líquidos serão contraídos por prestadores de serviços e usuários finais fora dos cursos de água. Indicará, também, que os custos de transação serão contraídos por agências governamentais e ONGs, ao passo que os benefícios líquidos serão usufruídos pelos usuários finais nos cursos de água. Na transição dos efeitos financeiros para os efeitos econômicos, é provável que os ganhos para os usuários finais nos cursos de água aumentem devido à prevalência do público e à ausência de mercado para os usuários no cursos de água. Ao mesmo tempo, deixa-se de considerar vários custos. Por exemplo, os custos não amortizáveis passam a ser custos irrecuperáveis em ter-

75

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 76

mos econômicos, e os benefícios e subsídios fiscais para os produtores passam a ser transferências e não benefícios reais ou custos em termos de recursos. Se os custos de transação forem razoáveis e os efeitos de terceiros se realizarem, o resultado econômico líquido pode ser positivo. De modo geral, pode-se esperar que quanto mais um sistema se afastar do seu estado natural, mais provável será o resultado em ganhos econômicos da introdução dos fluxos ambientais. Se a modificação de um sistema for pouco significativa, é mais provável que os custos de recuperação excedam os benefícios. A análise econômica revelará se um determinado projeto será benéfico ou não, se forem incluídos todos os benefícios e custos. A possibilidade de haver perdas líquidas ou ganhos líquidos segundo a análise financeira e econômica de fluxos ambientais implica a utilização de uma matriz de duas entradas na classificação dos resultados possíveis em determinados casos. Como é indicado na tabela, a implicação de uma insuficiência em termos financeiros é que o conjunto existente de incentivos não seja suficiente para induzir uma alteração nos fluxos ambientais e, portanto, são necessários incentivos financeiros e financiamentos suplementares. A matriz revela que no caso de uma análise completa de custos e benefícios indicar o caráter benéfico de fluxos ambientais, os incentivos financeiros podem ser ou não suficientes. Um cenário “em que todos ganham” verifica-se no caso de os fluxos financeiros gerados pelos fluxos ambientais serem suficientes e produziremos resultados econômicos desejados. Em tal caso, não há necessidade de financiamento suplementar. Todavia, como se indicou anteriormente, pode-se esperar geralmente que haja uma insuficiência financeira e, em tal caso, é a existência de benefícios líquidos para a economia que justifica a canalização de recursos suplementares para a implementação de fluxos ambientais. Tal é denominado de cenário “trocas”, uma vez que a transição para um regime de fluxo ambiental implica um jogo de soma negativa em que uma das partes interessadas sofrerá em termos financeiros.

Explicação financeira e econômica para o financiamento de fluxos ambientais

Análise Econômica dos Fluxo Ambientais

Análise Financeira

Existência de uma lacuna financeira (por exemplo, as despesas nos fluxos ambientais excedem os rendimentos)

76

Não existência de lacuna financeira (por exemplo, os rendimentos são suficientes para cobrir os custos de transferências e transação necessários)

Não lucrativo

Lucrativo

(custos totais de restauro excedem os benefícios)

(benefícios totais de restauro de fluxo excedem os custos totais)

CENÁRIO: TUDO SEGUE IGUAL Os fluxos ambientais não deverão ser uma questão

O desenvolvimento de recursos hídricos existente parece ser equilibrado favoravelmente, portanto a insuficiência de incentivos financeiros destinados a aumentar os fluxos ambientais não é surpreendente. Deve-se prestar uma atenção particular a qualquer iniqüidade não atendida no desenvolvimento original dos recursos hídricos. CENÁRIO: ENIGMA O desenvolvimento existente de recursos hídricos aparenta em equilíbrio favorável, mas existem incentivos financeiros que favorecem a melhoria dos fluxos ambientais. Deve-se prestar atenção particular à eliminação de incentivos perversos ou de outros fracassos políticos ou de mercado se os fluxos ambientais estiverem ocorrendo espontaneamente. Se estes forem resolvidos, reveja a análise econômica, que é provavelmente errada, sendo este um cenário “Ganhos para todos”.

CENÁRIO: TROCAS Financiamento é necessário

Os benefícios são incertos, mas os métodos são provados e relativamente econômicos, portanto o risco de arrependimento é baixo.

CENÁRIO GANHOS PARA TODOS Não se necessita de financiamento

Os incentivos financeiros estão de acordo com os resultados econômicos desejados. Se os fluxos ambientais não estiverem ocorrendo espontaneamente, podem existir incentivos perversos, fracassos políticos e de mercado que não sejam relacionados com custos de transação não atendidos.

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 77

A insuficiência de descargas mínimas resulta na poluição grave do rio Vishnumati em Kathmandu (Nepal)

“UM CENÁRIO ‘EM QUE TODOS GANHAM’ VERIFICA-SE NO CASO ONDE OS FLUXOS FINANCEIROS GERADOS PELOS FLUXOS SEJAM SUFICIENTES E PRODUZAM OS RESULTADOS ECONÔMICOS DESEJADOS.” Claramente, a matriz leva também em conta os casos em que os fluxos ambientais não fazem sentido econômico. Importa ter em mente que, nesta apresentação conceitual, todas as formas e tipos de impactos são denominados de “econômicos”, o que enfatiza o ponto referido acima de que a introdução de fluxos ambientais não é uma abordagem global que convém em todos os casos. Em outras palavras, existem muitos projetos relativos a recursos hídricos que fazem sentido econômico, especialmente dados os custos de transação que se podem contrair ao fazer alterações marginais. Vale a pena salientar, também, que o movimento para abranger a questão de fluxos ambientais tem que abordar as perpétuas injustiças sócio-políticas e econômicas inerentes ao desenvolvimento inicial de infra-estruturas aquáticas, e não serve apenas de meio físico para responder aos impactos de devolução de água aos rios. A simplificação dos impactos dos fluxos ambientais num conjunto de custos e benefícios econômicos serve de guia útil. Todavia, importa considerar a aplicabilidade desta abordagem em determinadas situações. Os custos e benefícios são claramente consideráveis. Alguns serão determinados mediante cálculos de fácil compreensão, como os custos de engenharia para renovar ou alterar instalações hidrelétricas ou a análise do orçamento das áreas agrícolas para determinar os custos de oportunidade de água de irrigação. Outros cálculos relativos ao custo, tais como aqueles associados ao descomissionamento de barragens ou à montagem de um programa rentável de transferências voluntárias nos cursos de água seriam mais especulativos.

77

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 78

Olhando mais especificamente para a remoção de barragens, a experiência está, sobretudo de grandes barragens (de mais de 15 metros), é limitada, mas vai-se aumentando. Uma publicação produzida pela American Rivers, uma ONG envolvida na conservação, fornece um panorama amplo do financiamento para este efeito no contexto norte-americano.78 Fornece também um exemplo do modo como uma série de barragens foram removidas e sofreram atualizações envolvendo reformas estruturais no Rio Naugatuck em Conneticut. Multas federais e estaduais de 300.000 dólares por violações da Lei sobre Água Limpa foram utilizadas para financiar o trabalho de planejamento e desenho relativos à remoção de barragens. A remoção de barragens foi possibilitada utilizando fundos de uma gama diversificada de fontes, inclusive multas pagas pela cidade de Waterbury por violações de promessas de pagamento e por parceiros privados. No final, o custo da remoção e atualizações envolvendo reformas estruturais relativas às barragens foi de 8 milhões de dólares norte-americanos. À medida que os benefícios diretos dos fluxos ambientais podem ser estimados com segurança determinará a utilidade da avaliação econômica na elaboração de políticas. Embora tenha havido grandes melhorias nas estimativas de benefícios relacionados com os recursos naturais e o ambiente, e a capacidade para esse tipo de ação tenha se estendido pelo mundo, seria enganoso afirmar que a análise de custos e benefícios é, ou será, a única forma técnica legítima e final relativa às decisões de políticas desta natureza e dimensão. É provável que, dependendo dos casos, essa possa fornecer informações importantes e úteis sobre os custos e benefícios. Contudo, é pouco provável que ela forneça uma orientação precisa e até aproximada sobre o nível ótimo de fluxos do ponto de vista econômico. De fato, é provável que a função da avaliação econômica seja muito mais circunscrita. Inevitavelmente, utilizar-se-ão métodos de avaliação para estimar os benefícios específicos de fluxos ambientais. Se se souberem também os custos, as comparações são inevitáveis. É dado o caráter subjetivo da avaliação de benefícios; todavia, será importante saber como se utilizam tais estimativas de custos e benefícios. Por exemplo, na Bacia do Deschutes, estimaram-se em um milhão de dólares os benefícios anuais de fluxos ambientais na porção média da Bacia de Deschutes para os praticantes da pesca desportiva, enquanto a abordagem de mais baixo custo para o alcance de tais fluxos era de dois milhões de dólares.79 Em vez de resumir os resultados como sendo uma insuficiência, dadas as incertezas associadas à estimação de benefícios e a falta de dados sobre a totalidade de benefícios, devese apresentar os resultados assim: “na Bacia Deschutes pode-se realizar benefícios completos (menos os da pesca à linha) relacionados com fluxos ambientais por apenas um milhão de dólares por ano.” A avaliação de benefícios em si, quando for executada por aqueles que estejam envolvidos nestas questões, poderia ser mais útil se for utilizada como maneira de documentar casos em que o desequilíbrio no uso de água sob o status quo desviou-se demasiado para o uso fora dos cursos de água. Em outras palavras, nos casos onde a magnitude dos insucessos no desenvolvimento de fluxos ambientais sejam maiores do que os benefícios dos atuais usos fora dos cursos de água, a avaliação pode fornecer uma ilustração convincente do problema. As limitações na estimativa dos benefícios não deverão, todavia, impedir o uso da análise econômica na estimativa de custos para o estabelecimento de fluxos ambientais. A economia pode ser bastante útil no planejamento e implementação em termos de avaliar os custos diretos e de oportunidade. Vale a pena também tentar fazer uma avaliação dos custos de transação associados a diferentes abordagens e mecanismos utilizados para o alcance de fluxos ambientais. É claro que a dificuldade que se pode apresentar aos praticantes/especialistas de fluxos ambientais é o fato de muitos economistas, e, sobretudo os economistas acadêmicos, preferirem o desafio inerente à estimativa de benefícios e estarem freqüentemente menos interessados nos aspectos mais “mundanos” de avaliar, por exemplo, os custos de oportunidade de atividades produtivas. Quando se trata da estimativa de benefícios, é sempre possível melhorar os métodos e avanços no tocante às fronteiras do conhecimento. Importa, porém, garantir que o dinheiro e talento sejam conservados para as análises que fornecem uma orientação útil aos praticantes/especialistas encarregados da implementação.

78

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 79

“O ENCARGO DE PROVAR PORQUE NÃO AGIR CABE AOS PROPONENTES DO STATUS QUO.” No mundo real, pois, a disponibilidade de uma avaliação econômica exaustiva sobre os impactos dos fluxos ambientais será uma ocorrência rara. Ao mesmo tempo, a tendência de subestimar e subavaliar os benefícios públicos da hidrografia natural tem conduzido em muitos casos à degradação ambiental, desequilíbrio social e a uma inadequada tomada de decisões econômicas. Em outras palavras, quando se considera introduzir e financiar fluxos ambientais, deve-se dar o benefício da dúvida sobre a importância destes fluxos. Resta aos que apoiam o status quo provar por que não se deve dar esse passo importante, e não o caso inverso. Isto seria o corolário prudente para exercer o princípio de precaução relativa a novos projetos que visam o desenvolvimento de novos recursos hídricos. Infelizmente, isso não é sempre um objetivo realista, dados os interesses econômicos envolvidos no desenvolvimento dos recursos hídricos, e a incerteza se este desenvolvimento realmente significará uma melhoria (ou pelo menos, não piora) pela transição para os fluxos ambientais. Visto que esta cortesia não se estendeu àqueles que perderam no processo de desenvolvimento dos recursos hídricos, não é despropositado que haja medo da possibilidade de haver “receitas” ambientais uma vez iniciado o processo.

Determinando as prioridades para os fluxos ambientais

Certeza dos Benefícios Diretos dos Fluxos Ambientais

A Rentabilidade e Eficácia dos Métodos para Implementar Fluxos Ambientais

Baixo: grau de benefícios diretos incerto (por exemplo, falta o apoio público ou evidência técnica)

Alto: grau de benefícios diretos estabelecido ou digno de crédito (por exemplo, o apoio público ou evidência técnica)

Baixo

Alto

(métodos de restauro relativos aos fluxos não estão provados e os custos são relativamente altos ou desconhecidos)

(métodos de restauro relativos aos fluxos estão provados e os custos são relativamente baixos)

QUARTA PRIORIDADE Os benefícios são incertos e os métodos e custos não estão provados ou são largamente desconhecidos. O restauro de fluxos ambientais seria a última prioridade.

SEGUNDA PRIORIDADE

TERCEIRA PRIORIDADE

PRIMEIRA PRIORIDADE

Os benefícios são certos e os métodos não estão provados e os custos são altos ou geralmente desconhecidos. Portanto, o risco de arrependimento é alto.

Os benefícios são incertos, mas os métodos estão provados e relativamente baratos, portanto o risco de arrependimento é baixo.

Os benefícios são claros e os métodos são rentáveis e bem conhecidos. O restauro de fluxos ambientais nesta situação tem a maior prioridade.

Num futuro recente, contudo, caberá aos que apoiam os fluxos ambientais fornecer certas provas. Numa tal abordagem, os atores sociais, mediante um processo político, julgarão as prioridades dos projetos de restauro, determinando a alocação total dos recursos financeiros e de outros recursos necessários para a sua implementação. A tabela indica o modo de combinar o grau de incerteza relativo aos benefícios diretos de fluxos ambientais com a rentabilidade e a eficácia de restaurar os fluxos. Isto pode ajudara definir prioridades para a alocação dos recursos financeiros disponíveis. Claramente é preferível dedicar fundos a áreas problemáticas, onde os benefícios diretos sejam relativamente certos e os métodos provados e eficientes do ponto de vista financeiro. Todavia, é provável que este caso seja exceção e não a regra. Resta a questão de priorizar as situações onde a rentabilidade e a eficácia são baixas, ou onde os benefícios nos cursos de água sejam limitados. Deve-se atribuir uma prioridade aos casos em que os

79

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 80

resultados sejam garantidos. Isto implica que, no caso de se conhecerem os métodos a serem utilizados para o alcance de tais fluxos e os custos serem baixos, a incerteza no que respeita aos benefícios e custos não deve servir para a discriminação contra os fluxos ambientais. A tais casos devem ser atribuídos uma prioridade maior do que os casos em que o grau destes benefícios seja claro, apesar dos métodos e custos de realizar os fluxos ambientais serem incertos. Dado o fato de a implementação de regimes de fluxo ambiental também estar na sua fase inicial, a minimização do risco de arrependimento garantirá que os fracassos desastrosos em situações de perfil alto sejam evitados. O sucesso, por outro lado, é suscetível de aumentar o interesse no prosseguimento do projeto seguinte da lista de prioridades.

“DEVE-SE ATRIBUIR PRIORIDADE AOS CASOS EM QUE OS RESULTADOS ESTEJAM GARANTIDOS.” Se bem que as ferramentas econômicas possam contribuir para justificar a necessidade de investir em fluxos ambientais, são apenas um dos muitos fatores que determinam a agenda social. Isso dito, a compreensão dos custos e benefícios de fluxos ambientais e da alocação dos ganhos e perdas é importante na identificação dos recursos e métodos requeridos. Isso se mostra verdadeiro sobretudo no caso onde se precisará de incentivos relacionados à alocação de água entre usos conflituosos, ou onde os mecanismos de mercado servirão para facilitar a alocação voluntária. À medida que o tempo passa e com o aumento da experiência, a informação sobre a rentabilidade pode desempenhar uma função importante no planejamento, fixação de prioridades e implementação de fluxos ambientais. Uma vez fixadas as prioridades, a informação constituirá parte integral do processo de seleção de abordagens e mecanismos para o alcance dos objetivos de fluxo ambiental. Demonstrar que os alvos dos fluxos ambientais são alcançados de forma eficiente financeiramente seria um marco importante para os interessados e mostraria que o processo é transparente e legítimo. Isto irá demonstrar que os fluxos ambientais não são simplesmente um “passatempo” para os interesses ambientais, mas sem dúvida um esforço sério para responder às situações em que a desregulação fluvial ultrapassou de longe o ponto ótimo a longo prazo para todos os interessados.

4.5

Descobrir os incentivos adequados

Antes de prosseguir na implementação de um fluxo ambiental, seria útil voltar atrás e avaliar as questões institucionais mais amplas de política e incentivos relacionados com os recursos hídricos e outros recursos envolvidos. Em certos casos, a consideração de tais questões pode mostrar a necessidade de haver uma abordagem projeto a projeto ou rio a rio, por meio da remoção dos incentivos que funcionam contra os fluxos ambientais. De igual modo, pode ser preciso alterar os incentivos existentes para garantir o sucesso da abordagem projeto por projeto. Há várias maneiras de encarar o termo “incentivos” e numerosas tipologias foram produzidas pelos economistas. Portanto, convém fazer uma caracterização breve dos incentivos. Em primeiro lugar, no entender dos economistas, o termo abrange tanto os aspectos positivos como os negativos, por exemplo, uma taxa que obriga um consumidor a renunciar a uma atividade é um incentivo e não um desestímulo ou um incentivo negativo. Em segundo lugar, embora os incentivos sejam construídos em termos puramente econômicos, não se referem apenas às compensações e penalidades financeiras. São “as alterações positivas e negativas nos resultados que os indivíduos percebem como suscetíveis de decorrer de ações específicas tomadas no âmbito de um conjunto de regras em um contexto físico e social específico.”80 Em terceiro lugar, pode-se fazer uma distinção entre os incentivos diretos referentes a estímulos financeiros ou outros e incentivos indiretos que dizem respeito tanto aos incentivos variáveis como aos incentivos capacitantes.81 Finalmente, incentivos de qualquer tipo podem ser designados de “perversos” quando funcionam contra os seus próprios objetivos ou tenham efeitos colaterais negativos.

80

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 81

Incentivos para a conservação da água municipal Para os provedores de abastecimento de água municipal, os esforços centram-se na gestão da procura e nas tecnologias de água eficazes que limitem a utilização da água dentro e fora da casa. A instalação de medidores e a cobrança de tarifas em bloco (em que o preço aumenta à medida que aumenta a quantidade utilizada) são duas maneiras excelentes de incentivar clientes a reduzir o uso de água. Em 1990, o Los Angeles Department of Water and Power (LADWP) iniciou um programa de instalação de sanitários com descarga extremamente baixa, que usa 1,6 galões de água em vez dos 5 a 7 gastos pelos modelos padrão.82 Os clientes recebem descontos na compra dos vasos sanitários ou, nas zonas de baixa renda, recebem os vasos de graça. No último caso, paga-se um montante à organização comunitária participante para cada vaso, no intuito de sustentar os custos da implementação do programa. O LADWP, por sua vez, divide o custo do programa a baixo rendimento através do Conservation Credits Programme do Municipal Water District de South California, a quem o LADWP compra a sua água.

Os incentivos diretos conduzem as pessoas, grupos e organizações ou a fazerem ações específicas ou a ficarem inativos. No caso de fluxos ambientais, isso equivale aos ganhos e perdas sofridos pelas diferentes partes interessadas. O desafio principal é garantir que os incentivos se conformem com o alcance de fluxos ambientais. Isso implica a necessidade de compensar os que contraem custos suplementares, pagando-lhes de modo adequado ou compensando-os de outra maneira. Assim, os agricultores a quem lhes é solicitado ceder a água de irrigação sobre qual têm direitos de propriedade estabelecidos ou direitos de uso, podem exigir um pagamento para a cessão de tais direitos. A pergunta que se coloca é como obter o financiamento necessário para suportar os custos de desenvolver tais transações e a transação em si. Os desafios que se apresentam, portanto, são melhor ilustrados à medida que se garante um campo eqüitativo entre os usos dentro e fora dos cursos de água e os vários níveis da política econômica. Abaixo se enumeram alguns exemplos dos incentivos variáveis: •

Políticas de crédito: no caso em que o crédito seja disponível ou subsidiado para fins agrícolas, mas não para a fauna selvagem ou outros usos naturais da terra. Isso pode levar a incentivos perversos que encorajam os proprietários de terra a se dedicarem a usos não produtivos da água fora dos cursos de água ou de fazer com que as atividades agrícolas de baixo rendimento pareçam viáveis no plano financeiro.



Incentivos fiscais setoriais: as políticas relativas à produção, entrada e exportação que subsidisiam a agricultura e favorecem a energia hidrelétrica, em detrimento de outras fontes de energia apoiarão tais atividades. A falha no tocante à atribuição de preços relativos à água ou a atribuir-lhe um preço inapropriadamente (isto é, por acre e não por volume, na agricultura) não dará os sinais corretos para que se invista na conservação de água.



Política pública de investimento: o critério de seleção de projetos pode discriminar a favor de projetos de infra-estrutura de água que exigem muito capital em vez de despesas recorrentes no restauro do habitat. Por exemplo, em meados dos anos 90, o governo norte-americano utilizou uma taxa de desconto de 2% para avaliar projetos relativos aos recursos hídricos tais como grandes barragens e infra-estrutura para controlar as inundações. Utilizando uma taxa tão baixa, praticamente todos os projetos foram considerados rentáveis a partir de uma perspectiva de custos e benefícios – de tal maneira que vários projetos autorizados excedem as apropriações disponíveis de fundos.

81

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 82

Uma mulher indiana atravessa o leito seco de um lago carregando jarros sobre a cabeça em busca de água, no distrito de Rajkot em Gujarat.

“É PRECISO UM CLARO CAMINHO LEGAL E ADMINISTRATIVO PARA GARANTIR QUE AS AGÊNCIAS COMPROMETAM OS SEUS RECURSOS.” O termo “incentivos capacitantes” refere-se aos fatores políticos e institucionais que criam um ambiente que permita a produção e o consumo de bens e serviços. No caso dos fluxos ambientais, por exemplo, é preciso um claro caminho legal e administrativo para a proteção da água nos cursos de água, antes que as agências possam alocar recursos para a implementação de fluxos ambientais. Umas séries de outras condições que facilitam a gestão bem-sucedida de recursos hídricos e fluxos ambientais são: • • • • • •

82

Claros enquadramentos políticos, legais e institucionais para regular a alocação de água, o seu uso e/ou direitos de água; Claras normas administrativas para reger a transferência de água de usos fora dos cursos de água para usos nos cursos de água e a alocação de recursos para esta tarefa; Disposições para uma abordagem regulatória para o licenciamento com restrição temporal de infra-estruturas hídricas tais como as barragens; Vontade política e capacidade para a imposição de regras e regulamentos existentes no tocantes aos usos aprovados de água, inclusive os fluxos nos cursos de água; Mecanismos flexíveis para a resolução de conflitos tocantes aos direitos de água entre os sistemas nativos e estatais e entre os usos dentro e fora dos cursos de água; Sistemas de educação, formação e investigação que permitam o desenvolvimento da capacidade profissional nas diferentes disciplinas e campos relevantes aos fluxos ambientais; e

flow final portugues press.qxp



24/09/2007

9:59

PÆgina 83

Apoio a organizações e à imprensa para a conscientização cultural e princípios de supervisão relativos aos valores ecológicos e de biodiversidade de fluxos ambientais.

Em suma, o desafio que se apresenta para alcance dos fluxos ambientais é essencialmente evitar três tipos gerais de fracasso: • Fracasso do mercado, isto é, fracasso de direitos de propriedade e/ou outras deficiências que limitam o apoio financeiro aos fluxos ambientais; • Fracasso no que toca à política, isto é, evitar incentivos perversos ou incentivos que fazem com que o campo de jogo seja contra o uso de água para fins dentro dos cursos de água; e • Fracasso institucional, isto é, garantir que o enquadramento institucional e a capacidade favoreçam e não desfavoreçam os fluxos ambientais. Deve-se, porém, fazer uma investigação cuidadosa dos tipos de questões relativas à natureza dos incentivos variáveis e facilitadores mencionados acima antes de concluir que o que é preciso são simplesmente o financiamento necessário e alguns métodos úteis para a devolução da água aos rios.

4.6 Abordagens Voluntárias Em termos gerais, os esforços para estabelecer fluxos ambientais dependerão de uma abordagem regulatória ou voluntária. A distinção é um tanto simplista, já que em muitos casos emergem abordagens voluntárias de um enquadramento regulatório em si, ou são apoiadas por regulamentos complementares. Todavia, a distinção importante é entre a abordagem voluntária, que proporciona uma quantia fixa de financiamentos para os fluxos ambientais e que cria condições de mercado que favoreçam trocas voluntárias, e a abordagem que determina que estes fluxos aconteçam independentemente dos custos. No último caso, as partes interessadas podem ser indenizadas, ou simplesmente perderem o acesso ou os direitos sobre a água. Isto dependerá da maneira como a água é distribuída ou gerida, e de outras questões mais gerais relativas à ordem política, regime de lei e inviolabilidade dos direitos de propriedade. O financiamento direto voluntário e abordagens baseadas no mercado seguem um processo diferente. Fixam-se alvos e preparam-se condições que facilitem o estabelecimento dos fluxos ambientais. O grau em que os alvos são alcançados ou não depende de uma série de fatores. Entre eles estão principalmente a disponibilidade de financiamento para suportar o custo de restaurar a hidrografia natural e o desenvolvimento de mercados e de mecanismos de mercado que diminuam os custos de transação de tais transferências. Neste capítulo é fornecido um conjunto de alternativas e experiências relativas ao financiamento de fluxos ambientais e ao desenvolvimento de abordagens relacionadas com o mercado. Os esforços para promover abordagens voluntárias baseiam-se no argumento de que eles constituem um método mais eficaz em termos econômicos de distribuir a água entre os usos fora e dentro nos cursos de água. Isso é alcançado mediante uma melhor combinação da oferta e da procura, e possivelmente de incentivos para a inovação técnica, se a ferramenta for corretamente desenhada. A melhoria da rentabilidade de abordagens baseadas no mercado constitui freqüentemente um aspecto crítico para torná-las efetivas. Por exemplo, em 2001, reduziu-se drasticamente a descarga de água de irrigação federal na Alta Bacia do Klamath no Oregon nos Estados Unidos, no intuito de proteger os fluxos para o benefício das espécies de peixes em perigo de extinção suckerfish e salmão coho. O custo econômico para os irrigadores foi de 33 milhões de dólares em termos de produção perdida. Os esforços estaduais e federais no sentido de ajudar os agricultores, por exemplo, mediante pagamentos diretos e perfuração de poços chegou aos 50 milhões de dólares. A água federal irriga aproximadamente 40% das terras irrigadas da Bacia do Klamath. Infelizmente, essas terras são de longe mais produtivas de que outras terras irrigadas da bacia. Se se tivesse feito esforços para desocupar as terras, de acordo com uma abordagem baseada no mercado de desocupar primeiro as terras menos

83

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 84

produtivas, os custos em termos de produção perdida poderiam ter sido tão baixos como 6.3 milhões de dólares.83 O sistema institucional e de titularidade que regula a terra e a água num contexto específico afetará muito na medida em que uma determinada abordagem voluntária é apropriada à abordagem de comando e controle. Por exemplo, as abordagens baseadas no mercado podem revelar-se inapropriadas no caso onde a água seja de titularidade e gestão públicas ao nível local, como se verifica na França. Mesmo nos casos em que essas abordagens se aplicam, pode haver uma escolha quanto a quais abordagens seguir ou quanto a quais abordagens combiná-las. As abordagens regulares que utilizam a informação sobre um conjunto de critérios relativos às decisões são melhor aplicadas na seleção de uma combinação apropriada de abordagens. Tal abordagem, baseada em múltiplos critérios, terá que identificar o critério mais pertinente ao contexto, mas é suscetível de integrar o custo, a sustentabilidade ambiental, equidade, viabilidade de custos de implementação e de transação

4.7 Questões-chave Para desenvolver um programa ou projeto bem-sucedido de fluxos ambientais, é preciso atender a uma série de questões-chave de caráter financeiro e econômico, a saber: Quanto será o custo? Pode-se esperar logicamente que os custos relacionados com os fluxos ambientais variem consideravelmente. Os custos financeiros principais dos fluxos ambientais seriam os custos de engenharia e/ou pagamentos feitos àqueles que deverão renunciar aos usos econômicos de água previamente desenvolvidos. Todavia, não se deverá subestimar os custos de transação, quer do ponto de vista financeiro, econômico ou social.

“A MAIOR PARTE DO FINANCIAMENTO ADVIRÁ DOS COFRES PÚBLICOS E DE FONTES FILANTRÓPICAS.” Quem é que sustentará o pagamento? A maior parte do financiamento em dinheiro para os fluxos ambientais terá que provir dos cofres públicos ou fontes filantrópicas privadas. Nos casos onde a água é conservada, em vez de renunciarem ao seu uso, os usuários existentes podem fazer uma contribuição imensa mediante pagamentos em espécie ou em dinheiro. Podem apresentar-se oportunidades específicas de cobrar de novos beneficiários, mas existem constrangimentos importantes a este respeito, tanto nas economias desenvolvidas como nas economias em desenvolvimento. Po que financiar os fluxos ambientais? Em muitos casos, o desenvolvimento dos recursos hídricos tem ultrapassado o ponto em que tal desenvolvimento seja rentável em termos econômicos, sociais e ambientais. A regulação e alteração maciças de ecossistemas ribeirinhos têm ocorrido em grande parte devido ao fato de os benefícios proporcionados por estes sistemas serem em grande medida públicos, enquanto que os benefícios de desenvolver recursos hídricos são mais facilmente captados por interesses privados. Atualmente, esta tendência está a reverter ao seu estado anterior, com uma preferência crescente para os sistemas mais naturais e uma melhor compreensão do dano provocado à saúde e ao bem-estar de grupos marginalizados. Como obter os incentivos certos? Existem muitos incentivos que favorecem as atividades econômicas associadas com o status quo. A remoção destes obstáculos é difícil, mas vale a pena ao menos compreendê-los – já que tentar trabalhar contra eles pode revelar-se um desafio maior do que confrontá-los. Pode ser preferível e rentável proporcionar condições que permitam meios alternativos de realizar fluxos ambientais em vez de desmantelar imediatamente o status quo.

84

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 85

Quais são as alternativas? Existe uma série ampla e crescente de abordagens voluntárias, baseadas no mercado, constituindo alternativas à abordagem tradicional de comando e controle. A aplicação de tais abordagens dependerá em última instância de um enquadramento regulatório que favorece o estabelecimento de fluxos ambientais. A vantagem primária de se servir da conservação, mercados de água, pagamentos para a bacia hidrográfica e outras abordagens é que essas são suscetíveis de converter o financiamento disponível em soluções rentáveis. Á medida que esses mecanismos ganham maturidade e replicadas as suas vantagens em termos de diminuição de custos, evitando abordagens mandatórias e reguladoras relativas à alocação da água para fins ambientais, deve-se encarar as abordagens voluntárias como um nicho importante na promoção de fluxos ambientais.

85

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

9:59

PÆgina 86

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 87

Capítulo 5

Criar um enquadramento político e legal 5.1 Definir o contexto Um regime para a gestão eficaz de fluxos ambientais precisará de um desenho concebido dentro do contexto das circunstâncias únicas de cada país. A promoção bem-sucedida de tal regime necessitará uma boa compreensão das medidas de política, institucionais e regulatórias necessárias para garantir o seu sucesso. Será preciso, também, uma compreensão clara de que as medidas gerais a serem tomadas precisam ser adaptadas e aplicadas no contexto local. A aplicação exata destas medidas gerais variará de país em país, e freqüentemente dentro dos países no nível subnacional. Para bem compreender o contexto internacional e nacional em que se aborde a questão de fluxos ambientais, deve-se considerar tanto o quadro da legislação internacional e nacional, como a organização institucional e política. O grau necessário de compreensão do contexto internacional, porém, variará de acordo com o nível em que se entra no debate. Para alguns, será essencial um bom entendimento da legislação internacional aplicável e de outros instrumentos não-vinculativos. No parecer de outros, isto pode ter pouca importância direta. O primeiro passo é determinar quais os instrumentos legais vinculativos e não-vinculativos existentes e que poderão influenciar as decisões e ações tomadas no nível nacional no que diz respeito à política. Isso pode ser feito mediante a pesquisa sobre os tratados e acordos internacionais que o país em questão é signatário.84 O objetivo é considerar as obrigações globais e regionais que se devem seguir e como estas poderão ser melhor implementadas mediante a legislação e a política domésticas. Existem também muitas orientações e declarações que não são legalmente vinculativas, mas que podem servir de guia muito útil a um país que desenvolve a sua própria estratégia de fluxo ambiental.85 O segundo passo é determinar as disposições, caso as haja, da Constituição do país relativas aos recursos hídricos e ambientais86; quais as políticas e regulações existentes no nível nacional e subnacional, e as instituições encarregadas de geri-las. Tal tarefa pode exigir muito tempo, já que implica revisitar políticas e regulações que possam ter impacto sobre os fluxos ambientais de ponto de vista econômico, social e ambiental. Pode haver, por exemplo, uma política social relativa às comunidades que têm acesso à água, ou uma política econômica para prover água para a irrigação de novas zonas. É possível que estas também não estejam incorporadas na política ou regulação ambientais, ou tenham sido objeto de discussão entre diferentes pastas governamentais. Mais ainda, certas funções da gestão de água podem ter sido devolvidas ao governo local ou a entidades estatutárias ou não estatutárias. De igual modo, a gestão infra-estrutural pode ser a responsabilidade da autoridade governamental regional, ou federal ou até de um gestor do setor privado.

87

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 88

5.2 Direito Internacional e outros instrumentos A questão de fluxos ambientais raramente é abordada diretamente numa única disposição pelos tratados e instrumentos internacionais não-vinculativos. Portanto, é necessário examinar outras disposições, como aquelas relacionadas com usos fluviais para fins não-navegáveis ou com a proteção do ambiente, que abordem a questão adequadamente de uma perspectiva mais geral. O conceito de fluxos ambientais faz parte de uma noção mais ampla da adoção de uma abordagem ecossistêmica para a gestão integrada de recursos hídricos. Assim, os instrumentos internacionais pertinentes não são apenas os que tratam diretamente a questão de recursos hídricos, mas também os que se centram primariamente na proteção da natureza e dos ecossistemas. Em outras palavras, será necessário examinar uma série ampla de instrumentos internacionais: desde as convenções fluviais até os acordos multilaterais mais gerais relativos ao ambiente, tal como a Convenção sobre a Diversidade Biológica.

“COMPREENSÃO DA LEGISLAÇÃO INTERNACIONAL APLICÁVEL E DE OUTROS INSTRUMENTOS NÃO VINCULATIVOS.” 5.2.1 Os Tratados “Fluviais” Existem três exemplos de acordos fluviais de enquadramento internacional87 que são pertinentes neste contexto, a saber:

1) A Convenção de Barcelona e o Estatuto sobre o Regime de Cursos de Água Navegáveis de Importância Internacional88; 2) A Convenção sobre o Desenvolvimento de Energia Hidráulica que afeta mais de um Estado;89 3) A Convenção da ONU relativa à Lei sobre os usos não-navegáveis de Cursos de Água Internacionais (Convenção da ONU).90 Os dois primeiros tratados foram adotados já nos anos 20, e ambos continuam ainda em vigor. O terceiro salienta que no caso de um signatário da Convenção desejar executar operações para o desenvolvimento de energia hidráulica, será obrigado a entrar em negociação com os Estados vizinhos afetados, no sentido de concluir um acordo antes da execução das operações. Em 1970, a Assembléia Geral das Nações Unidas recomendou que a Comissão da Lei Internacional (ILC)91 conduzisse um estudo relativo à lei sobre os usos não-navegáveis de cursos de água internacionais, tendo em vista a sua codificação e o seu desenvolvimento progressivos. Após mais de 20 anos de trabalho intensivo, a ILC apresentou à ONU o esboço dos Artigos relativos à lei sobre os usos não-navegáveis de cursos de água internacionais. Com base nesse trabalho, adotou-se um tratado multilateral na Assembléia Geral das Nações Unidas, no dia 21 de Maio de 1997. A Convenção da ONU relativa à Lei sobre os Usos Não-navegáveis de Cursos de Água Internacionais (Convenção da ONU) é o único tratado global baseado num enquadramento que aborda o uso de rios para fins não só de navegação. Expõe as obrigações e direitos fundamentais dos Estados, fornecendo um quadro de cooperação para as partes contratantes, o qual pode ser ajustado em acordos feitos pelos Estados que partilham um curso de água. Exige que os Estados protejam e preservem os ecossistemas do respectivo curso de água, controlando as fontes de poluição e tomando medidas preventivas no que diz respeito às espécies exógenas. Os Estados localizados dentro de um curso de água internacional são obrigados a cooperar na regulação de tal curso. Portanto, são obrigados a trabalhar em conjunto quando houver quaisquer obras hidráulicas ou outro mecanismo destinado a alterar, variar ou controlar o fluxo de águas dentro do curso de água internacional. Os países devem também tomar medidas, individuais ou conjuntas, dentro de tal curso para preservar o ambiente marinho, inclusive os estuários.

88

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 89

O Acordo do Rio Mekong O Acordo do Rio Mekong foi assinado em 1995 pela Cambodja, Laos, Tailândia e Vietnã, no intuito de estabelecer a Comissão do Rio Mekong, substituindo um acordo anterior prévio que tinha estabelecido a Comissão Provisória do Mekong. Cria um enquadramento de cooperação entre os Estados ribeirinhos em todos os campos de desenvolvimento sustentável da bacia do rio. As partes têm que proteger o ambiente da bacia da poluição e de outros efeitos nocivos resultantes de planos de desenvolvimento e de usos aquáticos e outros recursos relacionados. O Acordo exige especificamente fluxos de riacho mínimos para garantir a proteção de ecossistemas, indicando que os Estados vão cooperar na manutenção de fluxos que sejam “não inferiores ao fluxo mínimo natural aceitável durante cada mês da época seca”. A Comissão Conjunta, que é a entidade executadora da Comissão do Rio Mekong, é encarregada de adotar as orientações necessárias para a localização e os níveis de fluxos.

Existem vários acordos que incidem sobre cursos específicos de água que contêm princípios gerais da legislação internacional sobre água, relacionados com fluxos ambientais. Outros, ainda, incluem princípios semelhantes, mas vão mais longe, estabelecendo disposições mais específicas relativas à regulação de fluxos de água. Alguns exemplos que se destacam são: • A Convenção sobre a Proteção e Uso de Cursos de Água Transfronteiriços e Lagos internacionais (Convenção de Helsínque);92 • O Acordo do Rio Mekong; 93 • O Protocolo sobre os Sistemas de Cursos de Água Partilhados da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral;94 e • A Convenção de Cooperação para a Proteção e Uso Sustentável de Águas das Bacias Fluviais Luso-Hispânicas. A Convenção de Helsínque é de relevância particular no que diz respeito aos fluxos ambientais. Foi negociada sob a égide da Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa e tem 33 partes contratantes, inclusive a Comunidade Européia. Conta-se entre os objetivos da Convenção: • prevenir, reduzir e controlar a poluição da água que causa ou pode causar impactos transfronteiriços; • garantir que as águas transfronteiriças usadas de modo razoável e eqüitativo, levando em conta particularmente o seu caráter transfronteiriço no caso de as atividades causarem ou poderem causar impactos tranfronteiriços; • garantir que as águas tranfronteiriças sejam usadas no intuito de uma gestão de água ecologicamente saudável e racional, da conservação de recursos hídricos e da proteção do ambiente; e • garantir a conservação, e se for necessário, o restauro de ecossistemas. A definição do impacto transfronteiriço abrange toda uma série de atividades que podem ter um efeito sobre o ecossistema do curso de água e, assim, relacionarem-se à provisão de fluxos ambientais. O impacto transfronteiriço é definido como “qualquer efeito adverso significativo sobre o ambiente, resultante de uma alteração nas condições das águas transfronteiriças causada pela atividade humana, cuja origem física é localizada inteiramente ou em parte dentro de uma zona sob a jurisdição de uma parte, ou de uma zona sob a jurisdição de outra parte. Tais efeitos ambientais incluem efeitos sobre a saúde e segurança humanas, flora, fauna selvagem, solo, ar, água, clima, paisagem e monumentos históricos e outras estruturas físicas, ou a interação entre estes fatores. Incluem, ainda, os efeitos sobre o patrimônio cultural ou as condições sócio-econômicas resultantes de alterações destes fatores” (Artigo 12).

89

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 90

As partes são encorajadas a negociar abordagens de gestão comuns de rios partilhados e ajustar os acordos existentes de acordo com as disposições da Convenção. Os acordos negociados sob a égide da Convenção de Helsínque refletiram essa tendência, assim como uma abordagem integrada no uso e conservação da bacia inteira, por exemplo, a Convenção pela Proteção e Uso Sustentável do Rio Danúbio de 1994, e a Convenção sobre a Proteção do Reno de 1999.

5.2.2 Tratados ‘Não-fluviais’ Vários tratados não-fluviais abordam a conservação e o uso sustentável de bacias fluviais como parte de uma abordagem mais ampla. Podem assim ser encarados como relacionados à gestão de fluxos ambientais. A Convenção sobre as Zonas Úmidas de Importância Internacional, sobretudo pelos Habitats das Aves de Água (a Convenção de Ramsar)95 é um desses tratados. Esta Convenção procura garantir o uso sábio de zonas úmidas e permite uma conservação mais rigorosa das zonas úmidas que fazem parte da Lista das Zonas úmidas de Importância Internacional. A ênfase original da Convenção sobre as aves aquáticas foi estendida pelas partes à Conferência (COP) estabelecida sob a Convenção para incluir outras espécies e examinar a importância de zonas úmidas para, entre outras coisas, melhorar a gestão de água. A Convenção tem adotado várias orientações que, embora de caráter não comprometedor, encorajam as partes a introduzir medidas para gerir os fluxos ambientais. As mais pertinentes são as que passam em revista a legislação e instituições que promovem a conservação e o uso sábio de zonas úmidas. Podem ser úteis, ainda, as orientações para a integração da conservação de zonas úmidas e o uso sábio na gestão de bacias fluviais e as orientações recentemente adotadas relativas à lotação e gestão de água para a manutenção das funções ecológicas de zonas úmidas. Na gestão de fluxos ambientais, não se pode subestimar a função que desempenham as zonas úmidas. Os sistemas fluviais sãos abrangem as zonas úmidas como componente essencial. As zonas úmidas são consideradas como os ‘rins’ da paisagem, devido às funções que elas desempenham dentro dos ciclos hidrológicos e por serem os recipientes, a jusante, de desperdícios. Descobriu-se que elas limpam as águas poluídas, prevêem inundações, protegem os litorais e recarregam os aqüíferos subterrâneos. No decorrer da 8ª Conferência das Partes da Convenção de Ramsar, (Valência, Espanha, 2002), as partes adotaram orientações para lotação e gestão de água no sentido da manutenção das funções ecológicas de zonas úmidas. A resolução reconhece a variedade de serviços que as zonas úmidas podem proporcionar e a necessidade de distribuir água de modo a garantir a manutenção do seu caráter ecológico natural. A resolução salienta os sete princípios seguintes: sustentabilidade, clareza do processo, equidade na participação e nos processos de tomada de decisões, credibilidade da ciência, transparência na implementação, flexibilidade na gestão e responsabilidade na tomada de decisões. A resolução contém, ainda, cinco grupos de orientações destinadas a operacionalizar esses princípios. Estas orientações relacionam-se com a política e legislação que dizem respeito aos ecossistemas das zonas úmidas, à avaliação dos ecossistemas das zonas úmidas, às avaliações de fluxos ambientais a jusante das barragens, determinando os níveis de água a serem distribuídos em um determinado ecossistema de zonas úmidas, e implementando as distribuições de água às zonas úmidas. Como a Convenção Ramsar, a Convenção sobre a Proteção do Patrimônio Cultural e Natural (a Convenção sobre o Patrimônio Mundial)96 opera com base numa lista específica de locais. Todavia, contém um regime mais rigoroso e independente no tocante à seleção de locais. Impõe, também, obrigações mais rigorosas nas partes da Convenção e inclui uma série de disposições relativas à elaboração de relatórios e fiscalização. O valor desta Convenção para os fluxos ambientais reside no fato de ela conceder uma proteção aos locais enumerados como sendo zonas de notável valor universal, devido ao seu valor como patrimônio natural, no caso onde abranja um lago, um rio, ou a parte superior de um curso de água. A Convenção de Ramsar e a Convenção sobre o Patrimônio Mundial ope-

90

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 91

ram com base em listas voluntárias.97 Todavia, uma vez inscrita uma zona úmida, um rio ou um sítio específico na lista, tornar-se-ão objeto de escrutínio internacional. Outra Convenção que tem relevância indireta para a gestão de fluxos ambientais é a Convenção sobre a Conservação de Espécies Migratórias da Fauna Selvagem (Convenção de Bonn).98 Este tratado, ao contrário das Convenções de Ramsar e do Patrimônio Mundial, adota uma abordagem baseada numa determinada espécie estabelecendo um enquadramento dentro do qual os “Range States” (isto é, os Estados que têm jurisdição sobre qualquer parte do território de uma determinada espécie) podem cooperar para prevenir a ameaça de extinção de espécies migratórias. Entre os mecanismos de conservação proporcionados pela Convenção, contam-se a elaboração de acordos separados entre as Partes que constituem os ‘Estados do Range’ de uma determinada espécie ou de um determinado grupo de espécies que fazem parte da lista e do seu habitat, no sentido da conservação destas espécies. A Convenção de Bonn pode ser útil para a conservação de fluxos ambientais, no caso onde os rios e zonas úmidas constituem o habitat de espécies protegidas e a manutenção de fluxos de água seja necessária para garantir a sobrevivência de espécies migratórias. A Convenção sobre a Diversidade Biológica (CBD) é um tratado baseado num enquadramento que procura preservara diversidade biológica da Terra. São muito amplos os seus objetivos, e as obrigações substantivas das partes da Convenção são expressas em termos muito amplos. Aplica-se à diversidade biológica de todas as fontes (terrestres, marinhas e outras fontes aquáticas) e é, portanto, relacionada com os fluxos ambientais. A CBD estabelece um regime compreensivo para a conservação de ecossistemas e recursos biológicos. Conta-se entre os seus objetivos: (i) a conservação da diversidade biológica; (ii) o uso sustentável dos seus componentes; e (iii) a distribuição eqüitativa dos benefícios resultantes da utilização dos recursos genéticos. As partes contratantes são obrigadas a cooperar na conservação da biodiversidade biológica nas zonas que ultrapassam as jurisdições nacionais, elaborando novas estratégias, planos e programas nacionais – ou adaptando os existentes – no sentido da conservação e uso sustentável da biodiversidade biológica. Elas têm de integrar a diversidade biológica nos planos, programas e políticas setoriais ou trans-setoriais. Têm uma importância particular disposições da CBD relativas à conservação in situ, aos EIA e à redução dos impactos adversos. A Conferência das Partes adotou várias resoluções relativas à biodiversidade em águas interiores. Estas decisões tratam dos acordos institucionais e legais para a gestão de ecossistemas de águas interiores, da adoção de planos, programas e estratégias, e da integração da biodiversidade em outras políticas relevantes. Embora alguns dos compromissos acima examinados sejam um tanto ambíguos e permitam uma ampla margem de discussão quanto à sua implementação, eles oferecem, em conjunto, uma base sólida para um regime internacional abrangente em evolução relativo aos fluxos ambientais. Na maioria dos casos, a sociedade civil tem boas oportunidades de exercer pressão sobre as partes para que elas cumpram as disposições do tratado e de oferecer, também, assistência e perícia técnicas.

5.2.3 Direitos e deveres dos estados nos rios internacionais A comunidade internacional não foi capaz de chegar a um acordo quanto à adoção de um tratado global abrangente relativo à conservação e uso dos rios. A Convenção da ONU de 1997 acima referida99 não fez mais do que proporcionar princípios universais e certas recomendações e orientações que servem para guiar as políticas de gestão de rios transfronteiriços. Estes princípios e orientações constituem um guia útil aos Estados ribeirinhos que partilham um curso de água. Para que os princípios adquiram um significado real, precisam ser operacionalizados mediante a adoção de regras específicas aplicáveis a um determinado curso de água. Os princípios acima referidos, que foram incorporados na Convenção da ONU de 1997 e em outros acordos pertinentes são: • a utilização eqüitativa de cursos de água internacionais; 100 • o dever de não causar prejuízo significativo aos outros Estados ribeirinhos; 101

91

flow final portugues press.qxp

• •

24/09/2007

10:00

PÆgina 92

a obrigação de cooperar de boa fé;102e a troca regular de dados e informação.103

As Regras da Associação de Direito Internacional A Associação de Direito Internacional, organização acadêmica não-governamental de prestígio fundada em 1873, adotou as Regras de Helsínque sobre os usos de Águas nos Rios Internacionais. Estas regras, adotadas em 1966, foram complementadas mais tarde por regras suplementares, inclusive, por exemplo, a proteção ambiental do estado da água subterrânea. Estão atualmente sendo revistas pela Comissão sobre os Recursos Hídricos da ILA. As Regras de Helsínque endossam o conceito da bacia de drenagem ser a base da gestão de rios internacionais, que definem como a “zona geográfica que se estende sobre dois ou mais Estados, determinada pelas fronteiras da bacia hidrográfica do sistema de águas, inclusive as águas de superfície e subterrâneas que correm para um destino comum”. A Convenção da ONU de 1997 não se serve deste conceito e adota um, mais restritivo, relativo ao curso de água internacional. O Artigo IV das Regras abrange a regra relativa à utilização eqüitativa, que limita a soberania nacional e determina que cada Estado da bacia tem direito a uma parte razoável e eqüitativa a usos benéficos das águas de uma bacia de drenagem internacional, considerando fatores como o clima, população, uso prévio e fontes alternativas. Esta regra é complementada por outras, inclusive a de que não haja uma categoria de usos preferida em detrimento de outras; que as atividades existentes podem ser consideradas eqüitativas e razoáveis, a menos que o Estado ribeirinho que a elas se opõe forneça provas relativas à sua iniquidade, e que nenhum Estado pode reservar para si próprio usos futuros do curso de água. A contribuição maior das Regras de Helsínque é a de proteger os usos “benéficos” das águas, ou seja, que têm um valor econômico ou social. Consequentemente pode-se argumentar a favor da inclusão da água para o ambiente por conta do seu valor social. Embora as Regras não façam parte do tratado, têm sido utilizadas em várias ocasiões na elaboração de tratados, como foi o caso do Tratado da Bacia do Rio da Prata entre a Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai.

5.2.4 Instrumentos não-vinculativos Para além dos tratados e acordos acima delineados, existe mais um grupo de instrumentos, difíceis de definir, que não podem ser considerados como “legislação” no sentido estrito104 da palavra, mas que, todavia, são pertinentes. Na maioria dos casos, as regras apontadas nestes instrumentos têm sido cuidadosamente negociadas, freqüentemente com a intenção de fornecer uma orientação geral. Portanto, têm importância e não carecem de autoridade. Dentro dessa categoria de instrumentos denominados “legislação branda”, podem-se incluir instrumentos como os códigos de comportamento, orientações, princípios, recomendações, resoluções e normas. Têm sido adotados por organizações como o Programa das Nações Unidas para o Ambiente, a Organização Marítima Internacional e a Agência Internacional de Energia Atômica. O significado desses instrumentos reside no fato de eles demonstrarem certo consenso geral, contribuindo para a elaboração de novas regras de legislação nacional e internacional. Os princípios diretores da regulação de fluxos ambientais encontram-se numa série de acordos internacionais, tal como a Agenda 21.105. Este instrumento engloba o conceito do desenvolvimento sustentável de recursos naturais. O capítulo 18 tem uma visão global da gestão de recursos hídricos, estabelecendo, sobretudo a importância da gestão integrada de recursos hídricos nas bacias fluviais.

92

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 93

O nível apropriado de gestão integrada de recursos hídricos, inclusive os fluxos ambientais, é denominado o nível da bacia ou da sub-bacia. Embora esta seja um componente integral na gestão de fluxos ambientais, constitui uma avaliação incompleta de todas as preocupações que se deve considerar relativamente à gestão apropriada de fluxos ambientais. A importância da gestão de fluxos ambientais é tratada especificamente em outra parte do capítulo 18 e abrange a manutenção da saúde do rio para garantir a saúde de seres humanos e a qualidade da vida. A gestão integrada de recursos hídricos tem base, portanto, na perspectiva de que a água é componente integral do ecossistema, recurso natural e bem sócio-econômico, cuja quantidade e qualidade determinam a maneira como é utilizada. Qualquer regime de fluxo ambiental deve, no mínimo, garantir fluxos através de ecossistemas em níveis que mantenham a sua integridade. Um objetivo claro da Agenda 21 é a adoção da abordagem de bacia fluvial para a gestão de recursos hídricos, que reconhece a água não apenas como componente integral do ecossistema, mas também como bem sócio-econômico necessário para a vida. A Cúpula Mundial do Desenvolvimento Sustentável (Joanesburgo, 2002) foi uma continuação da Agenda 21. O seu Plano de Implementação fornece orientações específicas quanto à maneira como os Estados podem utilizar as estratégias de gestão de fluxos ambientais. O Plano de Implementação afirma a necessidade de desenvolver uma gestão integrada de recursos hídricos e planos para garantir a eficácia de água até 2005, com apoio para os países em vias de desenvolvimento, mediante ações a todos os níveis, tendo em vista: •







o desenvolvimento e implementação de estratégias, planos e programas em nível nacional e regional relativos à gestão integrada da bacia fluvial, da bacia hidrográfica e da água subterrânea, introduzindo medidas para melhorar a eficácia da infra-estrutura aquática no intuito de reduzir perdas e aumentar a reciclagem de água; a utilização de uma série completa de instrumentos de política, inclusive a regulação, vigilância, medidas voluntárias, ferramentas baseadas no mercado e na informação, a gestão do uso da terra e a recuperação de custos de serviços de água, sem que este restauro impeça aos pobres o acesso à água potável, adotando uma abordagem integrada da bacia hidrográfica; e106 melhoria no uso eficaz de recursos hídricos e promoção de sua lotação entre os usos conflituosos de modo a dar prioridade ao atendimento das necessidades humanas fundamentais, equilibrando as exigências de preservar ou restaurar os ecossistemas, sobretudo os ambientes frágeis, e as suas funções com as necessidades humanas domésticas, industriais e agrícolas, inclusive a manutenção da qualidade de água; e o desenvolvimento de programas de mitigação dos efeitos de eventos extremos relacionados com a água.

A gestão de fluxos ambientais nos rios transfronteiriços é uma questão internacional e, portanto, está sujeita à legislação internacional. A interpretação e implementação corretas de princípios pertinentes é o primeiro passo para estabelecer um regime mais compreensivo de gestão de fluxos ambientais dentro de um contexto transfronteiriço e também na jurisdição de um país.

5.3 Políticas e legislações nacionais Na maioria dos casos, a legislação nacional precisa ainda estabelecer um conjunto de regras claro e sistemático para legitimar a provisão de água para fluxos ambientais. É limitado o número limitado de países que tem reconhecido a importância dos usos não-consumíveis de água e desenvolvido legislação específica neste sentido. Os exemplos melhores e mais recentes de tal legislação elaborada no intuito de abordar a questão de fluxos ambientais são os da África do Sul e da Austrália.107

93

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 94

“EM MUITOS CASOS, A LEGISLAÇÃO PARA OS FLUXOS AMBIENTAIS ESTÁ AINDA POR SER ELABORADA.” As técnicas legislativas que têm sido utilizadas incluem um requisito legal para a provisão de um fluxo ambiental mínimo, a adoção de legislação, a aplicação da doutrina de fundo público e a gestão regulada de fluxos para proporcionar benefícios ambientais. Quando se trata particularmente de rios com excesso de água, incluíram-se em certos casos disposições relativas à aquisição forçada ou voluntária de direitos de água existentes. São dados exemplos a continuação.

O Estado, na sua capacidade de autoridade pública, tem a responsabilidade de proteger os cursos de água: o caso do Lago Mono Em 1983, o Supremo Tribunal da Califórnia resolveu proteger os direitos inerentes de cursos da água, independentemente dos direitos de seres humanos, no caso da Sociedade Nacional de Audubon contra o Supremo Tribunal. Essa decisão exemplifica a aplicação progressiva de um fundo público para a proteção de cursos de água. O Lago Mono é o segundo maior na Califórnia, alimentado principalmente por cinco riachos de água doce provenientes das zonas de fundição de neve da Serra Nevada. Em 1940, a Junta de Água de Califórnia concedeu uma licença para a apropriação de quase todo o fluxo desses riachos pela cidade de Los Angeles. Os desvios de água daí resultantes provocaram uma redução do nível do lago e a diminuição de um terço de superfície. Levou também a um aumento na salinidade e ameaçou consideravelmente a beleza cênica e os valores ecológicos do Lago Mono. A Sociedade Nacional de Audubon (NAS) moveu um processo contra a Cidade de Los Angeles para obrigá-la a não desviar os fluxos de água, argumentando que a doutrina de fundo público impõe uma obrigação afirmativa à Junta de Água de proteger as costas, o leito e as águas do Lago Mono. O elemento mais poderoso e pertinente dessa decisão foi a imposição pelo Tribunal de uma obrigação afirmativa para com a Junta de Água, em sua qualidade de fundo público, de considerar o impacto ambiental resultante da atual lotação de fluxos de água e da lotação de água, se necessário, no sentido de proteger o ecossistema do Lago Mono. É óbvio que nesta decisão era preciso equilibrar dois interesses fundamentais: as necessidades de água doce por parte dos cidadãos da cidade de Los Angeles de água doce e a necessidade das espécies e ecossistemas nativos do Lago Mono. O significado da decisão do Lago Mono para a causa dos fluxos ambientais é que desenvolveu e enriquececeu a definição de “fundo público”. Mais ainda, impôs uma obrigação afirmativa contínua aos Estados como autoridades de considerar o impacto ambiental do uso e desvio de cursos de água.

Requerimentos mínimos de fluxos Alguns países têm exigido a provisão de um fluxo mínimo para cada tipo de riacho. A Lei Suíça sobre a Proteção de Água108 estabelece valores mínimos de fluxos para diferentes taxas médias de fluxos, que deverão ser mantidos ou aumentados em certos casos, de acordo com fatores geográficos e ecológicos. Gestão regulada dos fluxos A gestão regulada de fluxos para proporcionar benefícios ambientais tem sido utilizada na Bacia do Murray-Darling na Austrália, principalmente através de decisões específicas tomadas a partir do acordo que estabeleceu a iniciativa que compreende a bacia inteira. Legislação relativa aos rios em estado natural e cênicos Alguns países adotaram a legislação sobre rios considerados em “estado natural e cênicos ”, que implica a preservação de rios em estado de fluxo livre de qualquer obstrução. Este é o caso da “Lei norte-americana sobre os Rios em Estado Natural e Cênicos”109

94

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 95

Doutrina de “fundo público”’ O uso da doutrina de autoridade pública está centrado na noção de garantir ao público um acesso a determinados recursos naturais tais como os rios. Os tribunais norte-americanos têm utilizado esta doutrina para redefinir os direitos de água no sentido da preservação de fluxos dentro do riacho e para proteger certas zonas úmidas fluviais. Planos de gestão estatutários Alguns países exigem a elaboração de planos de gestão estatutários que devem reservar uma quantia mínima de água necessária para manter a saúde do rio, com alocações para o uso de consumo restritas à quantidade de água que excede a esta necessidade. A Lei sul-australiana sobre os Recursos Hídricos110 tem adotado essa abordagem. Uma combinação de técnicas Um desenvolvimento interessante, que implica a combinação de alguns dos métodos já mencionados, é o representado pela “Reserva” na Lei Sul-africana sobre Água.111

A Lei Sul-africana sobre a Água A Lei Sul-africana sobre a Água, adotada em 1998, concedeu aos recursos hídricos o estatuto de bem público, sob controle do Estado e sujeitos à obtenção de licença. De acordo com a nova lei, o Governo Nacional é guardião dos recursos hídricos e os seus poderes são exercidos na qualidade de autoridade pública. Tem a responsabilidade de garantir a lotação e uso eqüitativo de água e a transferência de água entre as áreas de captação e de ocupar-se das questões relativas às águas internacionais. A Lei estabelece a “Reserva”, que consiste numa porção não-alocada de água que não rivaliza com outros usos de água. Refere-se tanto à qualidade como à quantidade de água e consiste em dois segmentos: a reserva que atende às necessidades humanas básicas e a reserva ecológica. A primeira diz respeito à quantia de água potável para a cozinha e a higiene pessoal, enquanto a segunda é a quantia de água necessária para a proteção de ecossistemas hídricos. A determinação da reserva é função do Ministro, que pode estabelecer uma reserva para todo ou parte de um determinado recurso hídrico. Mais ainda, de acordo com a nova lei, o Ministro, após consultas, pode regular as atividades que são suscetíveis de reduzir os fluxos dentro do riacho.

5.4 Passos práticos e desafios A seção seguinte contém uma lista indicativa de questões a considerar ao iniciar o processo de estabelecer um regime de fluxos ambientais. As medidas aqui sugeridas variarão de acordo com a passagem do tempo e o lugar, sobretudo à medida que evolui uma agenda hídrica global ou para uma região particular. Ao trabalhar com estas medidas, pode-se servir-se bem do ECOLEX, “o caminho de acesso à legislação relativa ao ambiente” (www.ecolex.org). 1. Consulte os acordos multilaterais relativos ao ambiente Determine se um país faz parte de qualquer dos seguintes acordos multilaterais relativos ao ambiente: a Convenção sobre a Diversidade Biológica, a Convenção de Ramsar, a Convenção sobre as Espécies Migratórias ou a Convenção sobre o Patrimônio Mundial

95

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 96

Um agricultor tailandês bombeia água em Pathum Thani, na Tailândia. Em 1999, os plantadores de laranjas e arroz bombearam grandes quantidades de água dos rios na seqüência da pior época seca em décadas, devido ao fenômeno El Nino.

2. Consulte os acordos globais relativos aos rios Determine se um país faz Parte de qualquer dos seguintes acordos internacionais relativos aos rios: a Convenção de Barcelona e o Estatuto relativo ao Regime de Cursos de Água Navegáveis de Importância Internacional, a Convenção sobre o Desenvolvimento de Energia Hidráulica afetando mais de um Estado, e se é signatário à Convenção da ONU relativa à Lei sobre os usos para fins não relacionados com a Navegação de Cursos de Água Internacionais. 3. Consulte os acordos regionais relativos aos rios Determine se um país faz parte de qualquer dos seguintes acordos regionais relativos aos rios: a Convenção de Helsínque relativa à Proteção e o Uso de Cursos de Água Transfronteiriços e Lagos Internacionais, o Acordo do Rio Mekong, o Protocolo sobre os sistemas de Cursos de Água Partilhados na Comunidade de Desenvolvimento na África Austral (SADC). Se o seu país for membro da União Européia ou faz parte do grupo de países que vão aderir à UE no próximo futuro, valeria a pena consultar as disposições da Diretiva - quadro relativo à Água adotado pelo Conselho e pelo Parlamento em 2000. 4. Consulte as disposições obrigatórias dos tratados e do direito consuetudinário Alguns dos tratados citados acima contêm disposições obrigatórias relativas à proteção de ecossistemas hídricos. Importa prestar uma atenção particular a eles. Mais ainda, alguns, tais como a

96

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 97

Convenção de Ramsar, têm adotado orientações que poderiam ajudar na preparação de enquadramentos legais sobre a conservação de zonas úmidas e na distribuição de água adequada para os ecossistemas. Lembre-se de que a lei internacional não reflete apenas nos tratados, mas também nos costumes, embora o direito consuetudinário neste campo apareça cada vez mais nos tratados. 5. Consulte os documentos internacionais recentes relativos à política sobre a água Examine as disposições de documentos internacionais tais como a Agenda 21, as Bonn Freshwater Conference Keys e o Plano de Implementação do WSSD. Estes documentos fornecem indicações úteis para a organização de suas próprias políticas sobre a água. Importa, ainda, examinar se um país participou ou aprovou quaisquer iniciativas globais, como o Relatório da Comissão Mundial sobre as Barragens, que possam fornecer mais orientações no processo de elaborar uma política e legislação nacionais relativas à gestão de fluxos ambientais. 6. Consulte as disposições constitucionais relativas ao ambiente e à água Determine se o país tem disposições constitucionais específicas relativas ao direito a um ambiente limpo e são ou o direito de acesso à água. Procure saber as especificações, se existirem, no que diz respeito à divisão de competências legislativas sobre tais questões. 7. Consulte as leis nacionais e subnacionais e os acordos relativos à água e aos recursos naturais Verifique as leis existentes a nível nacional, subnacional e local que abordam a gestão da água e de recursos naturais de modo mais geral. Importaria, ainda, considerar quaisquer práticas costumeiras das comunidades tradicionais, inclusive os usos e/ou os costumes relacionados com a gestão e proteção de recursos hídricos que não sejam protegidos de maneira adequada pela lei.

“UMA ABORDAGEM ÚNICA PARA TODAS AS SITUAÇÕES NÂO VAI FUNCIONAR.” Uma vez terminada a análise acima mencionada, a próxima etapa será fazer uma investigação detalhada do enquadramento político e legislativo. No que diz respeito à legislação, importa lembrarse de que não existe uma única abordagem que convém para todos os casos. Um modo de pensar do tipo ‘uma única abordagem serve para todas as situações não vai funcionar aqui. Os legisladores propõem leis no intuito de abordar questões de interesse público dentro da sua jurisdição, levando em conta as circunstâncias particulares do seu país e respondendo ao seu próprio eleitorado. A legislação-modelo não é elaborada nem envolvendo as comunidades locais nem aproveitando os conhecimentos de funcionários localmente eleitos. Mais ainda, não se elabora tal legislação no contexto de condições locais. A legislação-modelo pode revelar-se como sendo um exercício acadêmico interessante, mas na realidade indica que não existe uma abordagem milagrosa. Necessita-se de “aperfeiçoamento” para desenvolver um enquadramento legislativo que controle efetivamente a poluição de água e distribua água suficiente para atender às necessidades ecológicas. Todavia, embora a legislação-modelo não seja a solução, pode-se extrair, tanto a partir do trabalho efetuado no nível internacional como dos estudos de caso bem sucedidos ou não tanto bem sucedidos, orientações pertinentes ou princípios-chave. Estes podem servir para orientar o desenvolvimento de enquadramentos de política, institucionais e regulatórios. Porém, as questões principais reveladas serão definidas em grande parte na maneira como já se transformou o sistema fluvial e na medida e natureza dos direitos foram criados, quer legalmente quer através das expectativas legítimas do povo com base nas práticas passadas. O mais fácil é abordar os sistemas que não se alteraram muito, ou nos quais existam poucos direitos. Todavia, a experiência nos indica que são os sistemas já estressados pela sobrelotação que atraem a maior atenção

97

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 98

por parte da comunidade, da mídia e dos políticos. É claro que seria preferível abordar a questão da gestão de fluxos ambientais antes mesmo que se chegue a esse ponto crítico. Só se fará um esforço sério para gerir os fluxos ambientais se forem tomadas decisões claras relativas às políticas no nível apropriado do governo. O nível em que se tomam decisões variará de acordo com as circunstâncias. Em muitos casos, será preciso uma decisão tomada por uma organização encarregada da gestão da bacia e pelo governo nacional ou subnacional. Examinou-se acima o fato de as convenções internacionais poderem fazer referência indireta a fluxos ambientais. O mesmo aplica-se no caso de decisões políticas que possam “dar permissão” para prosseguir sem se referir diretamente a fluxos ambientais. Uma decisão política pode, por exemplo, servir-se de tal linguagem como a que foi usada no Plano de Implementação de Joanesburgo, a saber, de “melhorar o uso eficaz de recursos hídricos de modo a conferir prioridade ao atendimento das necessidades humanas básicas, equilibrarem a necessidade de preservar e restaurar os ecossistemas e suas funções, sobretudo nos ambientes frágeis com necessidades humanas domésticas, industriais e de agricultura, inclusive a proteção da qualidade de água”.112 Com base nos princípios indicados acima, será preciso abordar várias questões que necessitam de uma resposta política. Questão 1. Determinar o nível em que se trabalha Os elaboradores de políticas precisarão fixar o nível em que gerirão os fluxos ambientais. A abordagem aprovada internacionalmente é a de procurar gerir os recursos hídricos de modo integrado no nível da bacia. Caso não se esteja gerindo os recursos nesse nível, a tarefa de gerir fluxos ambientais enfrentará obstáculos significativos. Questão 2. Aplicar o princípio de subsidiaridade O princípio de subsidiaridade, que trata de abordar problemas a partir do nível mais baixo, deve ser aplicado na gestão de recursos hídricos. Em geral, isso implica difíceis escolhas políticas freqüentemente no nível em que são tomadas e implementadas determinadas decisões, e como e onde os recursos financeiros são obtidos e utilizados. No contexto da gestão de fluxos ambientais, a decisão inicial relativa à política e desenvolvimento de um enquadramento legislativo deve ser tomada no nível mais alto possível. Todavia, a implementação “no terreno” freqüentemente implicará a tomada de decisões diárias nos níveis nacionais e subnacional. Se bem que as circunstâncias variem, haverá constante necessidade de envolver todos os níveis no desenvolvimento e na implementação de um regime de fluxos bem sucedido. Questão 3. Definir os direitos de acesso à água É essencial estabelecer um robusto sistema de alocação de água que defina claramente os direitos relativos ao acesso à água. Isto implicará a abordagem do problema freqüentemente controverso, mas fundamental, de definir os direitos de propriedade relativos à água. Tem-se servido em vários países, inclusive a Austrália e o Chile, do comércio doméstico de direitos de água, uma ferramenta baseada no mercado. A experiência adquirida na Austrália demonstrou que “um pré-requisito essencial no comércio em direitos de água é a definição adequada desses direitos como forma de propriedade distinta da titularidade da terra”.113 Questão 4. Determinar se, necessário, um esquema de compensação Será preciso determinar como abordar as questões inevitáveis de se, como, e por quem será paga a compensação dos direitos à água, no caso onde os direitos relativos a ela são variados. No caso onde se alcancem os fluxos mediante a retirada pelo governo de direitos existentes, pode haver a expectativa por parte daqueles que cedem estes direitos que a água seja detida em fundo público. Isto pode originar a necessidade de determinar quem se responsabilizará pela gestão de fluxos ambien-

98

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 99

tais. Um gestor ambiental pode ser responsável pelos fluxos, que podem representar apenas uma quantia mínima de água a ser mantida obrigatoriamente dentro do riacho. Questão 5. Criar um regime legal adaptável Um componente integral de um regime bem sucedido é a criação de um sistema adequado capaz de responder a alterações nas condições. Este deve ser baseado na vigilância sólida do sistema e requererá uma legislação que forneça um sentido claro de direção, sem se limitar a um nível de detalhe que não possa ser modificado e aperfeiçoado.. Um processo contínuo de elaboração de planos de gestão detalhados e legalmente comprometedores, no contexto de orientações legislativas claras, é um meio de facilitar tal capacidade adaptativa. Tal abordagem tem sido adotada tanto na África do Sul como na maioria dos estados australianos. Questão 6. Preparar-se para o envolvimento autêntico da comunidade Não se deve deixar ao acaso o ato de se preparar para o envolvimento contínuo e autêntico da comunidade e para um meio de integrar os valores comunitários e conhecimentos tradicionais na elaboração de planos de política, de regulação e gestão. Isso deve ser integrado no enquadramento legislativo. Essa “comunidade” inclui a comunidade-usuária e outras que tenham um interesse na gestão sustentável do sistema ou num determinado elemento do sistema. Questão 7. Antecipar as questões relativas às obrigações Importa poder lidar efetivamente com questões específicas de caráter legal que vão inevitavelmente se manifestar, inclusive a responsabilidade pelo dano que pode ser causado na gestão de fluxos ambientais. Isto pode ocorrer, por exemplo, mediante a inundação ou a redução de direitos de acesso, ou a restrição de atividades comerciais ou impactos nas empresas fornecedoras de energia hidrelétrica. Será preciso antecipar tais questões e abordá-las no enquadramento legislativo. Questão 8. Criar um regime capaz de executar a implementação Importa muito criar um sistema que seja suficientemente claro e robusto para facilitar medidas de implementação, cumprimento e imposição eficazes. O “sistema”, inclusive o enquadramento legislativo, só se mostra eficaz realizando os resultados no terreno. Deve ser desenvolvido levando em conta as condições locais. Isto não requererá apenas a criação de legislação e instituições novas ou reorientadas, mas também um pessoal bem formado para desempenhar uma série de funções.

99

flow final portugues press.qxp

100

24/09/2007

10:00

PÆgina 100

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 101

Capítulo 6

Gerar o Ímpeto Político 6.1 Esteja preparado! O desenvolvimento de um regime de fluxos ambientais evoluirá de modo diferente em cada país. Não existe nenhuma regra para colocar os fluxos ambientais na agenda política. Do mesmo modo, não existe uma legislação-modelo para o estabelecimento destes fluxos. O que é universal é o fato de não ser nada fácil desenvolver tal regime. Enquanto os fluxos ambientais forem absolutamente essenciais à manutenção de sistemas fluviais salubres, será preciso um esforço longo e sustentado. Este capítulo oferece algumas sugestões e indicações úteis que podem os implicados no processo político de desenvolver um regime de fluxos ambientais e os que procuram apoiar tal processo. O sucesso dependerá de uma interação eficaz com a população local, desde os políticos até os agricultores, e da capacidade de comunicar a necessidade dos fluxos ambientais no contexto das condições locais. É importante estar bem preparado quando se trabalha no campo dos fluxos ambientais. Há cinco medidas essenciais a levar em conta, a saber: 1. Saiba as questões pertinentes relativas aos fluxos ambientais. Utilize este guia e outras fontes apropriadas de informação para ficar o mais informado possível no que diz respeito a essa questão; 2. Tenha conhecimentos relativos à bacia fluvial e aos recursos que ela suporta, tanto os recursos naturais como os artificiais. Por exemplo, saiba se os recursos são utilizados para a agricultura irrigada, para a indústria, ou para a pesca recreativa. 3. Tenha conhecimentos relativos aos benefícios do rio para a população local que depende dele. Por exemplo, saiba se o rio é utilizado para a subsistência, como fonte de água potável, para atividades recreativas ou por motivos culturais ou espirituais; 4. Tenha conhecimentos relativos aos grupos locais estabelecidos que tenham interesse na bacia. Contam-se entre os exemplos os consórcios de irrigação, clubes de pesca, juntas envolvidas no desenvolvimento econômico ou grupos ambientais; 5. Esteja bem informado no que se refere às leis locais e à gestão de recursos hídricos e outros recursos naturais da bacia. O melhor seria começar por reconhecer que o que será preciso em qualquer país que queira alcançar fluxos ambientais é uma declaração de política pública e a legislação de apoio para dar efeito à decisão de política. Depois, trata-se da implementação bem sucedida da política e legislação. Como se discutirá mais tarde, isto significará lidar com diferentes níveis do governo à medida que a ênfase do processo mude das decisões relativas à política pública para os enquadramentos legislativos, regulações de apoio e planos de gestão local. Uma medida crítica que influencia o trabalho relativo aos fluxos ambientais é a identificação dos

101

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 102

decisores-chave e daqueles que detêm o poder e/ou a influência necessária para colocar a questão de fluxos ambientais na agenda política e legislativa. É também preciso saber quem terá a responsabilidade de impulsionar este processo e quem será responsável pela implementação do regime. Isto pode revelar-se como sendo não tão fácil como parece, sobretudo no caso de sistemas federais e quando a autoridade já se devolveu ao nível da bacia de captação ou ao nível local.

“UMA MEDIDA ESSENCIAL É A IDENTIFICAÇÃO DOS DECISORES-CHAVE.” O poder de colocar a questão de fluxos ambientais nas agendas políticas e legislativas é normalmente detido pela pasta governamental responsável pela gestão de recursos hídricos. Em alguns casos, esta responsabilidade pode ser partilhada, inclusive no caso onde o outsourcing e a devolução a outrem já se tenham tornado uma realidade. O que se coloca na agenda pode ser afetado pela utilização de medidas fiscais de uma parte do governo para influenciar outra, como se verifica de modo gráfico no impacto da Política de Competição Nacional da Austrália. A Política de Competição Nacional de Abril de 1995114 foi um acordo assinado pela Comunidade de Nações e os Governos Estaduais e Territoriais no intuito de avançar uma abordagem coordenada a nível nacional para a reforma microeconômica em troca de uma série de pagamentos de competição nacional. A agenda de reforma abrange as chamadas reformas “associadas”.115 Através dessas reformas, as questões seguintes foram colocadas na agenda de política nacional: identificação e gestão de bens, atribuição eficaz de preços, comércio em direitos de água, fluxos ambientais e envolvimento comunitário.

O Ministro sul-africano dos Recursos Hídricos, Ronnie Kasrils, exibe os resultados do Programa River Health.

102

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 103

Mais especificamente, esse enquadramento estratégico abrangeu disposições relativas à atribuição de preços nas zonas urbanas e rurais, distinção entre lotações e direitos de água e titularidade de terra, reforma institucional, comércio de água, acesso de terceiros à infra-estrutura, fluxos ambientais e consulta a comunidades. Este exemplo demonstra a necessidade de pensar em termos mais amplos quando se aborda a questão do “poder”, inclusive a influência positiva que o acesso a recursos financeiros possa ter no avanço de agendas políticas e legislativas. Portanto, a identificação de fontes de influência capazes de colocar a questão dos fluxos ambientais “na agenda”, requer um entendimento de quem esteja disposto a dedicar recursos destinados a garantir que a questão seja abordada com empenho. É neste ponto que importa ter um conhecimento sólido das preocupações da comunidade internacional, sobretudo no caso onde a assistência para desenvolvimento seja a fonte principal de financiamento. O resultado disso é saber que os elaboradores de políticas públicas, legisladores, governos, ministérios setoriais, conselheiros nas questões de políticas públicas, burocratas e pessoal político constituem audiências-chave com quem é preciso se comunicar. Isto pode ocorrer mediante comunicação direta e/ou através de meios indiretos, tais como a mídia, como se discutirá abaixo. Dado o ímpeto necessário para estabelecer um regime de fluxos ambientais, será preciso a participação de muitos atores, desde os níveis mais altos do governo até as comunidades locais. Pode assumir várias formas a pressão exercida para a mudança e seu o catalisador último. Em vez de tentar adivinhar antecipadamente qual será a melhor opção para um determinado caso, seria melhor prosseguir com as várias opções disponíveis, adaptando depois a estratégia à medida que se avança.

6.2 Convencer a Comunidade 6.2.1 Envolver legisladores, governos e ministérios setoriais O caráter e o poder precisos que detêm os parlamentos, governos, ministérios e burocracias variam de um país para outro e freqüentemente dentro de um mesmo país. Qualquer que seja o sistema em operação é muito provável que seja necessário influenciar todos para assegurar o sucesso. É provável, também, que se deva trabalhar diretamente com diferentes níveis de parlamentos e governos, em etapas diferentes do processo, por exemplo: • • •

Os Parlamentos Nacionais e os governos no que diz respeito aos enquadramentos políticos e legislativos; Os Ministérios de linha no que diz respeito à regulação de apoio; Os Governos subnacionais, entidades encarregadas de gerir as bacias ou juntas estatuárias da área de captação, no que diz respeito aos planos de gestão.

É essencial determinar os enquadramentos políticos e legislativos, sem os quais tudo certamente fracassará. Portanto, deve ser esse o primeiro foco da atenção. Pode ser que os grupos e os indivíduos locais não sejam sempre conscientes de o que foi aprovado nos processos internacionais. Embora importe compreender o que foi combinado nos foros globais e regionais, não é judicioso depender disto quando se procura convencer os funcionários eleitos em qualquer nível, quer seja nacional, provincial ou local.116 Mantenha contatos com a população local, mas sempre no contexto de objetivos mais amplos. Um conhecimento sólido do que foi acordado através de processos internacionais pode ajudar a atrair financiamento para a assistência ao desenvolvimento. Nos países onde os parlamentos nacionais são compostos de funcionários eleitos, pode-se esperar que eles tentem responder às opiniões locais, sobretudo as opiniões da gente que faz parte do seu

103

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 104

próprio eleitorado. Se for representante da sociedade civil e quiser influenciar os legisladores, governos e órgãos responsáveis, um bom ponto de partida é pensar em quem pode influenciar. Isto poderá incluir os burocratas superiores, conselheiros em assuntos da política, grupos industriais, instituições de investigação, usuários, grupos comunitários e mídia. Cada situação será diferente. Os grupos internacionais, sobretudo os que podem ajudar a atrair recursos, podem exercer também uma influência, mas são os grupos locais que continuarão a ter uma influência considerável. Não existe um anuário dos “grupos de influência”, e é preciso um conhecimento local imenso para estabelecê-lo. Se a mesma mensagem clara for transmitida por uma vasta gama de grupos de legisladores, governos e ministérios setoriais pode-se esperar os melhores resultados. Senão, valeria a pena reconhecer as áreas de desacordo entre os grupos como questões legítimas e apresentar meios práticos (e de financiamento) necessários para realizar trocas entre os interesses conflituosos.

“MANTENHA UMA MENSAGEM SIMPLES.” Para obter a decisão política inicial, importa manter uma mensagem simples. Comece por tentar conquistar a aceitação geral do princípio. Uma vez o princípio aceito, pode-se desenvolver e implementar os enquadramentos políticos e legislativos. É na etapa final, a de determinar o regime de gestão particular para cada rio na bacia, que se deverão fazer trocas específicas. Embora isto variará de um país para outro, os ministérios e órgãos responsáveis tendem a gerir uma agenda compartimentalizada, distinguindo os fatores sociais, políticos e ambientais relacionados e a elaboração de políticas e regulações. Os processos, tais como o processo do gabinete, no qual todos os ministros se reúnem sob a presidência do chefe do governo, são destinados a promover abordagens “da parte do governo inteiro”, mas o sucesso de tais processos varia significativamente. Em muitos casos, o modo mais eficaz de conversar com os governos é dirigir-se não apenas às pessoas que sejam diretamente encarregadas da pasta ambiental. Dado o fato de estas serem as mais fracas de um governo, importa, ao contrário, conversar com pessoas que se ocupem com agendas sociais e econômicas. Outros caminhos a tomar são os de trabalhar nos processos de planejamento para o desenvolvimento sustentável ou, quando for possível, na elaboração de documentos relativos à redução da pobreza. Quando se fala aos que tomam decisões de política pública, convém lembrar os seguintes pontoschave:

• conhecimento das questões principais relativas aos fluxos ambientais; • algum conhecimento sobre a experiência dos elaboradores de políticas e os principais públicos; • Conhecimento da existência de uma legislação sobre a gestão de recursos hídricos e o que é preciso fazer em cada nível para estabelecer um regime de fluxos ambientais; • Conhecimento das necessidades que você pretende satisfazer e a capacidade da audiênciaalvo para satisfazê-las;117 • Conhecimento do processo de tomada de decisões, dentro do parlamento, governo e burocracias, em todos os níveis pertinentes; • Conhecimento das questões pertinentes que possivelmente interessarão a todas as partes envolvidas e de respostas cabíveis a cada uma deles; • Conhecimento das questões-chave, porque pode haver uma só oportunidade para comunicálas; • Rápido acompanhamento de qualquer pedido de informações suplementares.

104

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 105

6.2.2 Os interesses dos grupos-usuários A função que desempenham os grupos-usuários pode ser encarada de várias perspectivas. Os grupos de usuários podem passar a ser os seus aliados mais poderosos na promoção de fluxos ambientais, principalmente no caso onde reconheçam que a sua segurança em termos de recursos esteja ameaçada por um declínio na saúde do sistema fluvial. Será que os pescadores locais estão verificando uma redução na captura efetuada por eles devido aos impactos nos terrenos de procriação? Será que os irrigadores estão verificando um nível excessivo de salinização na água que lhes pertence? Será que os turistas estão se afastando devido às condições insalubres do rio? Será que os custos de tratamento de água estão tornando-se demasiadamente elevados? Tudo isto é sintomático de uma falta de fluxos ambientais e pode ser utilizado para fazer com que os usuários sejam mais conscientes, conciliando o apoio deles.

“OS GRUPOS DE USUÁRIOS PODEM TORNAR-SE ALIADOS PODEROSOS NA PROMOÇÃO DE FLUXOS AMBIENTAIS.” Os grupos de usuários também podem incluir aqueles que necessitam de uma regulação efetiva para assegurar que o recurso seja aproveitado de modo sustentável, como é o caso dos grupos industriais. Esses últimos são guiados pelo desejo de conseguir lucros e a importância dos fluxos ambientais deve ser apresentada dentro do contexto econômico. Quando se fala de fluxos ambientais, não se trata apenas de proteger animais e plantas. São essenciais para garantir um sistema fluvial salubre que funcione bem, por exemplo, proporcionar um fluxo ambiental adequado, melhorar a qualidade de água, garantindo que esta seja apropriada para a agricultura irrigada e minimizando os custos de tratamento para o consumo humano. Os regimes bem-estabelecidos de fluxos ambientais contribuirão, também, para garantir uma segurança a longo prazo em termos de recursos para os consumidores principais da água, facilitando assim a atração de investimentos nos empreendimentos que dependem da água. É importante mencionar este ponto! Mas comece por compreender o que isto significa sob as condições locais existentes. Uma vez tomada uma decisão de estabelecer um regime de fluxos ambientais, será preciso assegurar que o regime seja implementado e imposto de modo eficaz.118 Isto pode necessitar que se pense antecipadamente em fazer esforços para assegurar que a indústria cumpra com o regime. Isso pode incluir uma combinação de requerimentos regulatórios específicos e de incentivos econômicos tais como taxas e impostos. Quando se pensa nisso, vale a pena lembrar-se de que os fatores motivadores no setor privado que serão importantes na otimização do interesse, do empenho relativo e do cumprimento com um regime de fluxos ambientais incluirão:

• • • •

a manutenção da vantagem competitiva e o aproveitamento das oportunidades de mercado; a otimização de lucros, inclusive a redução de despesas; a manutenção da imagem pública e de relações com os consumidores; e a evitação dos processos judiciais, quando não se consegue cumprir com os requerimentos legais.

Os interesses comunitários conflituosos vão inevitavelmente levar a trocas. Estas trocas podem ser geridas através de um conjunto de ferramentas, inclusive os incentivos fiscais e a combinação eficaz de abordagens econômicas, regulatórias e voluntárias (auto-regulatórias). Para quem procura demonstrar que essa abordagem não implica simplesmente uma regulação de tipo “comandar e controlar”, importa familiarizar-se com as diferentes ferramentas disponíveis para realizar estes fluxos ambientais.

105

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 106

Um exemplo de um caso onde os grupos de usuários têm exercido pressão para avançar a agenda dos fluxos ambientais é o do Rio Columbia. A Bacia do Rio Columbia é um sistema de grande dimensão localizado na parte Noroeste dos Estados Unidos e na parte Sudoeste do Canadá, que tem orgulhado historicamente por ser o maior sistema produtor de salmão do mundo. A construção de barragens, sobretudo nos anos 50 e 60, alterou de modo significativo o regime hidrológico de muitos rios desse sistema e, em certos casos, não se preveniu para a migração do salmão e quanto aos requerimentos para a sua procriação. O Rio Snake, tributário do Rio Columbia, engloba quatro barragens, a saber: a Lower Granite, a Little Goose, a Lower Monumental e a Ice Harbour, as quais constituem impedimentos à migração do salmão. Uuma decisão tomada no dia 16 de Feveriro de 2001.119 determinou-se que essas barragens estavam violando a Lei relativa à Água Limpa (Legislação Federal). O caso foi proposto por uma coligação de grupos de conservação e de pesca, inclusive a National Wildlife Federation (NWF), Sierra Club, Idaho Rivers United, American Rivers, Pacific Coast Federation of Fisherman’s Associations, Institute for Fisheries Resources, Washington Wildlife Federation, e Idaho Wildlife Federation, e Nez Perce Tribe. A agência federal responsável foi obrigada pelo tribunal a elaborar um plano para assegurar que as barragens cumprissem a Lei sobre a Água Limpa e regulações relativas à qualidade de água do Estado de Washington. A coligação litigiante bem-sucedida argumentou que as barragens prejudicavam as espécies ameaçadas de salmão e de peixe da espécie steelhead, por diminuir a velocidade de fluxos ambientais e aumentar tanto as temperaturas como os níveis de nitrogênio dissolvido.

6.2.3 Envolver os grupos comunitários Os grupos comunitários desempenham uma função importante na influência sobre opiniões dos políticos e conscientização do público em geral. Podem ser parceiros essenciais na implementação de fluxos ambientais. Não surpreende que os grupos comunitários sejam os mais influenciados pelos impactos e pelas oportunidades locais, e a questão inevitável de trocas não se porá em evidência até que se abordem as necessidades e expectativas de tais grupos. Os grupos comunitários serão mais importantes quando da implementação de fluxos ambientais. Portanto, importa que eles tenham a oportunidade de envolver-se no diálogo desde o início, nomeadamente nas discussões relativas aos enquadramentos políticos e legislativos. A proposta de estabelecer um regime de fluxos ambientais não deve ser objeto de surpresa para com os grupos comunitários ou usuários locais.

“OS GRUPOS COMUNITÁRIOS PODEM SER PARCEIROS ESSENCIAIS.” Para envolver efetivamente os grupos comunitários, é de uma importância particular levar em conta as considerações sócio-econômicas e os fatores ambientais. Em muitos casos, as comunidades locais incluirão povos indígenas, e outros que colocam um valor cultural ou espiritual no rio ou na bacia. Tais valores são menos palpáveis, mas é igualmente importante compreendê-los e abordá-los. Os trabalhos empreendidos recentemente têm sugerido que discutir com os grupos de atores seja questão de “partilhar os benefícios em vez de partilhar água”.120 Isto implica pôr ênfase na identificação e compreensão mútua de todos os benefícios que todas as partes possam obter, neste caso por manter fluxos ambientais. Na prática, é provável que seja uma combinação de examinar como se partilha a água e como se distribuem os benefícios. A manutenção, gestão e regulação de fluxos ambientais serão mais pertinentes aos grupos comunitários se os benefícios forem identificados de modo adequado e se forem de modo eqüitativo. É mais fácil falar do que fazer e não há substituto para o trabalho empenhado na resolução de questões bacia por bacia, rio por rio. Não existem atalhos.

106

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 107

Na Bacia do Murray-Darling na Austrália, os grupos comunitários têm desempenhado uma função importante num processo difícil que implica a resolução satisfatória de questões difíceis de interesse comum dentro de um sistema federal, tais como a manobra política, a campanha pela reforma microeconômica, e uma base de conhecimento que vai melhorando. Não existe um único fator decisivo em si, mas um fator propulsor tem sido a evidência clara de uma deterioração na base de recursos naturais. Isso tem provocado uma determinação por parte da comunidade e dos políticos, de inverter o declínio no intuito de proteger a capacidade produtiva e os valores ambientais.

“OS FLUXOS AMBIENTAIS SERÃO MAIS PERTINENTES SE OS BENEFÍCIOS LOCAIS FOREM IDENTIFICADOS DE MODO ADEQUADO E PARTILHADOS DE MODO EQUITATIVO.”

A decisão voluntária de restringir os desvios de água do sistema em 1995 foi momentosa, e a de adotar a visão de um sistema fluvial salubre foi um marco miliário. Estão por vir decisões mais difíceis, mas o que é claro é que a comunidade será parte integral de qualquer opção que seja adotada e nada parará o ímpeto de ver mais água devolvida ao sistema. Isto reflete uma mudança dramática nos valores comunitários dentro de um período relativamente curto.

6.3 Comunicar a mensagem apropriada É provável que o componente mais importante do processo de promover os fluxos ambientais seja a de criar a mensagem certa. Promover a mensagem errada pode fazer retroceder o processo público ao estado de alguns anos atrás, sobretudo se for semeada a mensagem errada nas mentes dos políticos e usuários-chave. Vale a pena gastar tempo produzindo a mensagem certa. As maiores forças motrizes da política pública procuram representar as considerações sócioeconômicas e ambientais, e a formulação da mensagem ‘certa’ necessitará uma demonstração eficaz da essência de fluxos ambientais por sólidos motivos sócio-econômicos e ambientais. Embora a mensagem varie de acordo com as condições próprias a um país, é geralmente reconhecido que para o alcance de fluxos ambientais, os desafios principais a enfrentar são os de garantir a satisfação das necessidades humanas básicas, a proteção dos ecossistemas e os benefícios ótimos no uso para consumo. Isto exige a gestão adequada de riscos, atribuindo à água o seu valor real, e a regulação judiciosa de recursos hídricos. Mas como exprimir tudo isso de modo interessante e fácil de compreender em termos práticos? A mensagem “certa” deve salientar o fato de os fluxos ambientais serem essenciais para o funcionamento salubre de sistemas fluviais, que por sua vez são críticos para atrair o investimento, realizar a prosperidade a longo prazo, e conservar a biodiversidade. Os fluxos ambientais trabalham tanto para nós como para a natureza. Implicará, ainda, a necessidade de fazer trocas, que é fato inevitável. Não se deve ter vergonha em dizê-lo!! Elaborar a mensagem ‘certa’ significa também que todos os benefícios dos fluxos têm que ser claramente articulados. Devem ser salientadas as ligações entre os benefícios, a saber, por delinear uma série de benefícios ambientais e econômicos proporcionados pelos sistemas salubres. Pode-se servir da ligação entre a pobreza e os recursos hídricos. Mas também servem de base útil para mensagens-chave a ameaça geral para com os recursos hídricos de poluição, extração não sustentável, alteração do uso da terra e alterações climáticas.

107

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 108

“OS FLUXOS AMBIENTAIS TRABALHAM TANTO PARA AS PESSOAS COMO PARA A NATUREZA.” Os que apoiam os fluxos ambientais podem, também, centrar-se em tais benefícios, como o impacto sobre a qualidade e quantidade de água, no caso da fuga de nutrientes da agricultura, a descarga ou intrusão de água salinizada, ou a descarga de água fria e desoxigenada das barragens. Estes benefícios podem ser elaborados de acordo com a exigência de determinadas circunstâncias. Por outro lado, é preciso demonstrar os impactos adversos da falta de fluxos ambientais, não apenas nos seus contextos ambientais, mas também as implicações sociais e econômicas daí resultantes. Por exemplo, se a água se tornar demasiado salina, passará a ser inapropriada para o consumo humano, para a agricultura irrigada e para as espécies nativas que não sejam tolerantes ao sal. Todavia, é difícil equilibrar os valores sócio-econômicos e ambientais conflituosos e é preciso transmitir a mensagem clara de que as trocas serão inevitáveis, e a tomada de decisões sobre estes últimos exigirá um processo consultivo aberto e transparente. A mensagem “certa”, que incorpora a importância sócio-econômica e ambiental de fluxos ambientais para os sistemas fluviais salubres, cria uma função importante para as comunicações e a mídia. Quer se trate de informar a sociedade, promover a participação e o apoio da comunidade e dos usuários ou gerar o ímpeto político em nível nacional e subnacional, tudo acontece através da comunicação com os públicos-alvo. Portanto, a comunicação relativa à implementação de fluxos ambientais deve ser bem pensada. É preciso elaborar cedo uma estratégia de comunicação, com base no problema atual, os resultados esperados e as percepções dos diferentes atores. Ela deve articular de modo claro as etapas da campanha, desde a conscientização dos problemas a abordar, provisão de informação relativas aos interesses e às opções envolvidas, promoção da participação e, finalmente, a comunicação dos resultados. Um aspecto específico a considerar são as trocas entre os usos e usuários: não são todos que serão encantados com as medidas que se implementem! A estratégia de comunicação deve esperar lidar com o insulto público, os conflitos e a controvérsia. O melhor modo de lidar com isto é garantir um processo aberto e transparente no qual o resultado final é claramente a melhor solução para o futuro. A mensagem comunicada transmitir-se-á melhor se estes pontos forem reiterados, se ela fornecer uma perspectiva equilibrada e razoável de todos os interesses e quando torna claro que o resultado será melhor do que a situação atual.

‘NÃO SE PODE SUBESTIMAR O PAPEL DA COMUNICAÇÃO SOCIAL.’

Não se pode exagerar a função que desempenha a mídia dentro de tal estratégia. Embora a sua função possa variar de acordo com a situação política de cada país, certo é que a mídia representa um foro crítico em que a mensagem “certa” pode ser disseminada com – ou sem – sucesso. A mensagem apresentada pela mídia vai influenciar a natureza da opinião pública e da vontade política. O poder da mídia reside na sua capacidade de atingir e influenciar as pessoas, inclusive os políticos. No caso de a estratégia de comunicação pretender atingir a mídia, é preciso formular uma mensagem simples e clara, a começar com o impacto dos fluxos ambientais sobre as pessoas e o ambiente. Mas tenha cuidado: é provável que a mídia não copie a sua mensagem de modo literal. Procurará pontos de interesse específicos ou apresentará a sua mensagem de modo ou positivo ou negativo. Quando o objetivo é o de conscientizar, pode ser preciso salientar as conseqüências negativas de não dar uma atenção adequada aos fluxos ambientais. A mensagem divulgada precisa ressoar de modo forte naqueles que serão mais afetados e ser compreendida claramente pelo público em geral.

108

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 109

Um exemplo do uso de tais impactos negativos é o da Bacia do Murrray-Darling. Em 1999, uma Auditoria Independente, publicada pelo Conselho Ministerial da Bacia, mostrou a suposição de que, ao não se tomarem medidas no curso dos próximos 20-50 anos, os níveis de salinidade na entrada do abastecimento de água de Adelaide do Rio Murray iam exceder as normas da Organização Mundial de Saúde para a água potável. Para além disso, os tributários teriam níveis de salinidade que excederiam de longe estes níveis, inclusive os níveis suportáveis tanto para a irrigação como para a manutenção do habitat nativo. Isto alarmou imensamente a comunidade, sobretudo os 1,2 milhões residentes da cidade de Adelaide. Aumentou o ímpeto político, e as bases midiáticas nacionais e estatais publicaram um fluxo de histórias e artigos dedicados à saúde do sistema. A consciência comunitária e política atingiram o nível máximo, e o consenso geral foi de que se tirava demasiada água do sistema. Era preciso fazer alguma coisa e os governos e os parlamentos tinham que agir.

“TRADUZA AS QUESTÕES TÉCNICAS EM LINGUAGEM SIMPLES E UTILIZE EXEMPLOS DA VIDA REAL.”

Importa refletir as questões de modo informativo, tanto para o público em geral como para a mídia. Os fluxos ambientais têm que ser compreensíveis para as pessoas sem formação técnica. No passado, as questões referentes aos fluxos tendiam a apresentar um foco especificamente ambiental. A integração de considerações sócio-econômicas ajudará a elevar a importância da questão. Será essencial traduzir as questões técnicas em linguagem simples, utilizar exemplos relativos a essas questões tirados da vida real, e equilibrar os benefícios e os custos de fluxos ambientais, ilustrando como as vantagens têm mais valor que as desvantagens. O contato direto entre o pessoal técnico e os decisores, população local e grupos de interesse envolvidos pode servir para fazer a tradução e estabelecer confiança entre eles. A provisão mais eficaz de informação exigirá: • Simplificar os dados sócio-econômicos e ambientais e encontrar meios visuais de exprimir as questões; • Dar às perspectivas uma “cara”, identificando atores razoáveis e pedindo-lhes para exprimir suas opiniões pessoais; • Encorajar uma cobertura da mídia que identifique e aponte sempre soluções ao problema; • Salientar tanto os aspectos positivos como os negativos, reconhecendo que pode ser preciso começar por centrar-se nos aspectos negativos para ganhar a atenção; • Manter abertos os canais de comunicação: assegurar que fique claro que existem amplas oportunidades mediante diversos canais para que os atores exprimam as suas opiniões, levantem os problemas, façam perguntas, e que tudo vai ser levado em consideração; e • Centrar-se na ligação entre o desenvolvimento e o ambiente, e entre o ambiente e as pessoas. Uma coisa é saber que se trata da questão dos fluxos ambientais; outra é poder comunicá-la à mídia de modo eficaz. Quando se lida com a mídia, é preciso encontrar pessoas capazes de traduzir conceitos e linguagem técnica numa forma em que tanto ela quanto a pessoa normal possam compreender. A decisão por parte da mídia de tratar a questão e de como a tratar será influenciada pela força das relações individuais. Não se pode subestimar o valor de desenvolver relações profissionais com jornalistas individuais.

109

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 110

Manifestantes em Bangladesh desfilam para pressionar as autoridades a cessar a invasão do Rio Buriganga, que perturbou o fluxo do rio (Novembro de 2002)).

6.4 Incluir os grupos de interesse A questão de fluxos ambientais abrange tanto as pessoas como o ambiente. Existe um consenso geral sobre a importância de gerir os fluxos ambientais no nível administrativo respectivo mais baixo, e a importância de envolver a comunidade, inclusive as mulheres, os grupos nativos e o setor privado. É ao nível local que se destaca a importância de forjar a cooperação e equilibrar um conjunto de interesses conflituosos. Isto constitui um desafio significativo. A questão de envolver as pessoas tornase especialmente urgente nos países em desenvolvimento, onde a gestão de recursos hídricos desempenha uma função essencial na diminuição da pobreza. Ao crescer o envolvimento de todos os grupos interessados, é suscetível emergir um sentido de propriedade, responsabilidade e empoderamento. Isto permitirá que as condições locais e necessidades específicas de uma região se coloquem no primeiro plano em termos do planejamento. Os princípios gerais e freqüentemente “aspiracionais” que são elaborados no nível internacional devem ser adaptados e aplicados de acordo com as condições locais.

“AO NÍVEL LOCAL, O ENFOQUE SOBRE REFORÇO DA COOPERAÇÃO E O EQUILÍBRIO DE INTERESSES CONFLITUOSOS TORNA-SE CENTRAL.” 110

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 111

Na essência, é uma questão de escala. Centrar-se no nível dos acordos internacionais significa ignorar as especificidades regionais e locais. Inversamente, centrar-se apenas em práticas de gestão significa não levar em conta os objetivos mais amplos e as metas mútuas, sobretudo nas situações transfronteiriças, que não são plenamente levadas em consideração. O que é preciso é um conhecimento sólido de ambos. É neste contexto que os peritos internacionais podem trabalhar com as populações nativas, contribuindo para a adaptação e aplicação dos princípios geralmente aceitos às condições locais em vigor. Portanto, precisa-se sempre equilibrar e coordenar os processos de cima para baixo e de baixo para cima, para garantir uma gestão de fluxos ambientais que leve não apenas em conta as condições locais, mas também garanta a realização de todos os objetivos da bacia.121 A gestão dos fluxos ambientais deve equilibrar os benefícios sócio-econômicos e ambientais. Centrarse apenas nos benefícios alienará a maioria dos grupos locais do processo de gestão. A importância de manter o processo relevante e vivo garante que a implementação seja realista e a melhor possível. Importa ser consciente do fato de que a captação excessiva de recursos hídricos e demandas conflituosas dentro da bacia ribeirinha prejudicam freqüentemente o desenvolvimento e segurança das pessoas que vivem e trabalham a jusante. Os meios de subsistência que dependem deles são reconhecidos cada vez mais como elemento essencial da gestão sustentável de água, e é imperativo realçar a sua função no processo. Existe um grande potencial para a melhoria da cooperação mediante a facilitação de discussões informadas e o aumento do envolvimento nas decisões relativas à gestão dos recursos hídricos. A importância de empoderar a comunidade tem múltiplos aspectos, mas é atualmente subestimada em muitas partes do mundo.122

6.5 Captar o apoio Embora uma pessoa ou um grupo sejam susceptíveis de iniciar a questão de fluxos ambientais, importa, desde o início, encontrar parceiros e apoiadores provenientes de todos os setores. Como se viu antes, estes podem incluir tanto os aliados improváveis, tais como os pescadores e os irrigadores, como os aliados tradicionais, como, por exemplo, os grupos ambientais interessados. É preciso forjar uma coligação de apoio em que todos desempenhem a sua respectiva função de apoiador passivo ou parceiro ativo. O objetivo deveria ser o de encontrar indivíduos confiáveis capazes de defender a questão, levando em conta o maior número possível de perspectivas. Isto incluirá as pessoas que possam abordar a questão de uma perspectiva científica e os usuários que possam fazê-lo no contexto do impacto local. Será indispensável convencer um político forte e influente no que diz respeito a esta questão.

“DEVE-SE PROMOVER UMA COLIGAÇÃO DE APOIO. “ Em muitos casos, não se pode estabelecer uma coligação desde o início devido a uma resistência forte. Assim, importa começar por propagar os fatos para conscientizar as partes interessadas em todos os níveis e estabelecer o apoio de modo mais progressivo. Se não houver fatos, a parte inicial do trabalho seria o de reivindicar mais pesquisas e uma possível revisão do trabalho a certas instituições de investigação. Será indispensável o acesso a dados e cifras sólidas. Embora seja importante uma preparação minuciosa e um trabalho cuidadoso para identificar os parceiros e apoiantes potenciais, deve haver preocupação de criar uma burocracia ou um conjunto rígido de planos para o prosseguimento. Haverá mais probabilidade obter sucesso se se tiver uma estrutura e um processo simples e se existir a capacidade, ou se se puder desenvolvê-la para reagir e adaptar-se à medida que avance o processo. Finalmente, não tenha medo de pedir ajuda. Embora as decisões tomadas sejam baseadas nas condições locais de cada país, pode ser indispensável o apoio internacional para dar uma credibilidade científica para além de estudos comparativos e acesso a recursos. Isso para não falar do apoio moral!

111

flow final portugues press.qxp

112

24/09/2007

10:00

PÆgina 112

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 113

Chapter 7

Capacitação para o desenho e a implementação 7.1 Sem nenhuma conscientização, não há ação Em qualquer parte do mundo, a gestão de recursos hídricos hoje em dia consiste principalmente no abastecimento de água – quer para satisfazer a procura e gerir os poluentes, quer para o tratamento de água – e existe uma capacidade limitada para a avaliação e implementação de fluxos ambientais. Os fluxos ambientais constituem um ramo novo da ciência, tendo pouco mais de duas décadas de idade, e a maioria de pessoas permanece inconsciente da sua pertinência e utilidade como ferramenta de gestão de recursos hídricos. É provável que haja uma compreensão geral de que os ecossistemas aquáticos sofrem alterações quando nós os perturbamos. Todavia, pode haver pouca consciência geral relativa às necessidades de água doce dos rios, zonas úmidas, lagos, estuários e de certas partes dos sistemas marinhos localizados perto da costa, para garantir a sua saúde e sobrevivência. Para, além disso, pode haver pouca consciência da quantidade, qualidade e ajustamento específicas do abastecimento de água para estes sistemas e da ligação entre a água que fica num sistema e a sua condição. De modo semelhante, pode faltar uma apreciação da necessidade de manter a gestão da água subterrânea para garantir o estado salubre da água de superfície ou do fato de se poder gerir, em grande medida, as condições mediante a gestão sábia de fluxos de água.

“EM MUITOS PAÍSES, POUCO SE SABE ACERCA DOS ECOSSISTEMAS AMEAÇADOS.” A falta de consciência pode bem estender-se a todos os atores pertinentes à gestão de água, inclusive os políticos, elaboradores de política, advogados envolvidos nos assuntos de água, economistas, gestores de recursos hídricos, engenheiros e modeladores de recursos hídricos, cientistas aquáticos e sociais, e ainda os representantes de entidades financiadoras de investigação. É provável que outras partes interessadas, tais como os departamentos governamentais, ONGs e comunidades locais não tenham também tal consciência. Muitos países enfrentam a situação de pouco saber sobre os ecossistemas ameaçados e a dependência destes sobre os fluxos de água doce. Em muitos lugares, há pouca compreensão do modo operacional destes ecossistemas ou da importância deles como fornecedores de bens e serviços. É possível que os gestores de água e políticos não estejam acostumados a prestar atenção aos cientistas aquáticos ou de incluí-los nas questões reais relativas à gestão de recursos hídricos. Por lado, é possível que os cientistas que centrem a sua atenção principalmente nas questões acadêmicas não estejam bem posicionados para fornecer as informações práticas de que os gestores e os decisores possam se servir. Pode ser que os engenheiros e advogados envolvidos em questões de água, que desempenharam possivelmente uma função maior de aconselhar os gestores e os decisores, centrem-se no abastecimento e no saneamento da água. Têm freqüentemente pouca consciência de como isto pode ter impactos sobre o doador ou sobre os sistemas recipientes-alvo, ou até por que eles devem se preocupar com os impactos sobre estes sistemas. De modo semelhante, o

113

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 114

público pode ser inconsciente de tais questões. A despeito disto, são eles que arcarão com o custo nacional de ecossistemas em degradação que não funcionam bem, por exemplo, mediante as taxas, a perda de terra, a vida reduzida de reservas cheias de sedimentos, a pesca que falha, a severidade crescente de inundações e a degradação da qualidade de vida. Em certos casos extremos, pode ser que não exista qualquer capacidade para localizar ou reunir os peritos e dados pertinentes devido à insuficiência de financiamento proveniente do governo, ou seja, a um fraco apoio científico. A falta preocupante de arquivos históricos relativos à natureza do ecossistema, inclusive a fluxos de água, e a dados relativos ao nível de precipitação, pode completar a questão de modo drástico. Se for acompanhada por informações incompletas relativas à demografia humana, tais como cifras sobre a população e distribuição, perfis de saúde e uso de terra, a situação pode ser bastante difícil. Todavia, em todas estas situações, quer se trate de uma questão de níveis superiores de dados/habilidades, quer se trate de níveis inferiores de dados/habilidades, é possível começar por adaptar-se a um uso mais sustentável de recursos hídricos através dos fluxos ambientais. Até os países onde se utilizam agora as técnicas de modelação, começaram com abordagens simples baseadas numa compreensão hidrológica e idéias ecológicas básicas.

7.2 Identificar e abordar lacunas em termos de capacidade Como ponto de partida, é preciso reconhecer e aceitar três conceitos: • Os sistemas hídricos fornecem água e outros bens e serviços e são um recurso frágil e vulnerável; • A degradação deste recurso tem implicações para a qualidade de vida das pessoas; • O recurso deve ser, portanto, gerido de modo ativo. Diferentes grupos de pessoas – o governo, entidades de investigação, cientistas e engenheiros, atores e comunicadores – podem fazer esforços individuais para conscientizar e aumentar o progresso, como será discutido abaixo.

7.2.1 Políticos, advogados e gestores de água As necessidades societárias são as que impulsionam os desenvolvimentos relativos aos recursos hídricos e, no passado, as atuais decisões relativas a estes desenvolvimentos baseavam-se, em grande parte, no critério relacionado com a engenharia e a economia. Baseando-se numa tal abordagem, tem emergido durante o último século uma idéia global da riqueza e dos outros benefícios provenientes da represa de águas para os usos dentro do riacho. Nas últimas duas décadas, contudo, emergiram provas cada vez maiores do custo destes. Revelam-se ligações complexas entre a água e a saúde do ecossistema, sobre as quais os cientistas têm uma compreensão razoável, mas que estão nas etapas iniciais de serem comunicadas a uma audiência maior. Alguns governos têm entendido a importância destas questões, mas muitos também estão impulsionados pela prioridade mais urgente de fornecer serviços básicos para as populações. Se os países adotarem o conceito do uso sustentável de recursos, consequentemente os políticos, advogados e gestores de recursos hídricos devem ter uma consciência mais ampla do caráter dos ecossistemas e das implicações de alterá-los.

Os Políticos Espera-se cada vez mais que os políticos considerem as trocas que definem o melhor equilíbrio entre a água pelo abastecimento público, indústria, irrigação e a água requerida pela manutenção dos processos ambientais, recursos naturais e da biodiversidade. Seria importante que eles compreendessem que muitos impactos sobre os desenvolvimentos aquáticos tornar-se-ão aparentes daqui anos, senão décadas, mais tarde. Isso porque os ecossistemas se alteram lentamente, e os

114

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 115

impactos podem ser bem afastados do local de desenvolvimento. Uma barragem construída nas partes mais altas do rio, por exemplo, poderia levar ao fracasso da pesca marinha comercial localizada centenas de quilômetros rio abaixo. A perda de inundações resultou no fechamento da desembocadura do rio, impedindo aos peixes o acesso ao estuário que lhes servem de zona de viveiro. Emerge uma multiplicidade de causas e efeitos aparentemente não relacionados, provocando a procura de uma abordagem que considere todos os custos e benefícios dos desenvolvimentos relativos aos recursos hídricos. As avaliações de fluxos ambientais contribuem para esta nova abordagem. Contribuem para a descrição de custos a curto e a longo prazo, de custos e benefícios sócioeconômicos de uma determinada opção de gestão de água. Estes podem ser considerados junto com as imagens tradicionais relacionadas com a engenharia e a economia.

“OS POLÍTICOS VÃO NECESSITAR EQUILIBRAR COMPENSAÇÕES COMPLEXAS.” Servindo-se deste novo tipo de compreensão, os políticos enfrentarão situações em que tenham de equilibrar trocas muito complexas. É possível que se vejam obrigados a considerar um conjunto de cenários, cada um dos quais descreve os custos e benefícios de planejar ou operar um desenvolvimento hídrico. Cada cenário pode ter diferentes implicações de engenharia, para além de implicações econômicas, ecológicas e sociais. Pode haver custos palpáveis tais como a perda de terra devido à erosão das margens, ou da pesca de um planície de alagamento, e custos impalpáveis, tais como a diminuição da qualidade de vida, uma alteração no perfil de saúde ou a erradicação de algo que tenha valor espiritual ou cultural. Verifica-se cada vez mais que os valores impalpáveis que não sejam redutíveis aos valores monetários revelam-se como sendo importantes nas vidas das pessoas comuns, sendo freqüentemente mais importantes para as mais pobres. Podem existir processos de tomada de decisões que avaliam estes aspectos dos cenários, mas, na maioria dos casos, terão que ser elaborados. Por ser pouco provável que uma única abordagem atraia todos os atores, o processo de decisão referente às necessidades deve ser participativo e transparente. Os políticos se enfrentam com um desafio tridimensional, a saber, o de: a) compreender que os desenvolvimentos hídricos têm tanto custos como benefícios; b) reconhecer que as trocas que se deve fazer entre estes últimos variarão de uma bacia de captação para outra, e c) encontrar a troca adequada para um determinado sistema, mediante um processo participativo e transparente. As entradas ecológicas e sociais devem ser compreensivas, tendo o mesmo estatuto que as de engenharia e da economia.

Os advogados de questões de água Em muitas universidades, a legislação relativa à água está apenas a emergir como uma área de especialização de estudos que é distinta da legislação geral relativa ao ambiente.123 Os advogados especialistas nesta área podem ver-se obrigados, portanto, a desenvolver a sua própria perícia mediante o emprego pertinente. Estes advogados especialistas podem ajudar na elaboração e implementação da Lei sobre a água de um país, mas é provável que a experiência anterior nesta área não sirva de preparação para os novos tipos de legislação relativos à água que exigem a proteção de ecossistemas. Ocorre assim uma evolução da legislação de uma nação que diz respeito à água em termos do modo de realizar a distribuição dos direitos de água: • •

A legislação relativa à água expõe os direitos das populações à água com pouca ou sem nenhuma consideração mesmo para o bem-estar de ecossistemas envolvidos; A legislação relativa à água reconhece os ecossistemas hídricos como usuários de água, que rivalizam com outros grupos de usuários potenciais tais como a agricultura, indústria e zonas urbanas; e

115

flow final portugues press.qxp



24/09/2007

10:00

PÆgina 116

A legislação relativa à água reconhece os ecossistemas hídricos como unidades de recurso de paisagem fundamentais que fornecem água e bens e serviços afins para o benefício de seres humanos, cujas necessidades de água para a sua própria manutenção, junto com as para as necessidades humanas básicas (para cozinhar, beber e lavar) devem ser atendidas antes de qualquer outra demanda para água.

Diferentes países encontram-se em diferentes etapas nesta seqüência. Um dos mais avançados é a Lei sul-africana sobre a Água de 1998, que reconhece apenas dois direitos relativos à água: aquele relativo à proteção de ecossistemas e aquele relativo às necessidades humanas básicas. Estas se jun-

Quatro princípios da Lei sul-africana sobre Água que dizem respeito à Reserva Princípio

7

Detalhes O objetivo de gerir a quantidade, qualidade e fiabilidade dos recursos hídricos da nação é realizar um benefício sócio-econômico ótimo, de longo prazo e sustentável em termos ambientais para a sociedade que se aproveita dele.

8

Reservar-se-á a água necessária para assegurar um acesso a água suficiente para todas as pessoas.

9

Reservar-se-á a quantidade, qualidade e fiabilidade de água requeridas para a manutenção das funções ecológicas de que dependem os seres humanos para que o uso humano não comprometa, de modo individual ou coletivo, a sustentabilidade a longo prazo de ecossistemas aquáticos e afins.

10

Identificar-se-á como “a Reserva” a água requerida para satisfazer as necessidades humanas básicas (Princípio 8) e ambientais (Princípio 9), que terá prioridade de direitos. O uso de água para todos os fins restantes estará sujeita à autorização..

tam como a Reserva, com todas as outras demandas para água reguladas por licenças e satisfeitas apenas após a obtenção da Reserva (ver box). Para cumprir com esta lei, a parte ecológica da Reserva tem de ser fixada para cada curso de água no país. São profundas as implicações disto, devido à ligação entre o volume de água e a condição do ecossistema: a Reserva ecológica não pode ser fixada para um determinado sistema até que a sociedade chegue a um acordo apropriado no que respeita a sua condição futura e os outros usos de água. Outros exemplos da legislação avançada relativa à água são a Lei sobre os Recursos Hídricos da Austrália Meridional de 1997 e a Lei sobre a Água de New South Wales de 2000. É difícil a implementação e imposição destes novos tipos de legislação e existem poucos precedentes. Os advogados especialistas nas questões de água deverão estar conscientes do fato de os ecossistemas naturais serem complexos e freqüentemente imprevisíveis, e compreender o nível de incerteza quanto à informação fornecida pelos engenheiros, gestores e cientistas. Precisam estar preparados e serem capazes de esforçar-se para estabelecer uma linguagem e compreensão comuns a estes outros profissionais no sentido de elaborar leis que proporcionem o nível de proteção necessário e se cumpram de modo realista. Para isso, devem trabalhar em colaboração estreita com os gestores de recursos hídricos e os especialistas científicos na área de fluxos ambientais, e envolver-se desde as etapas iniciais da elaboração das políticas.

Os gestores dos recursos hídricos Os gestores dos recursos hídricos implementam e impõem a legislação nacional relativa a recursos hídricos, dando conselhos ao governo relativo às áreas problemáticas que têm que ser atendidas. Os políticos e os advogados precisam melhor compreender a natureza de ecossistemas hídricos, porque

116

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 117

a sua ação de gestão diária vai afetá-los diretamente. Os ecossistemas diferem-se de um local para outro, alterando-se no decorrer do tempo. Os sistemas fluviais encontrar-se-ão em diferentes níveis de naturalidade, de acordo com as perturbações anteriores. Estes fatores influenciarão certamente a maneira como os sistemas respondem às intervenções de gestão. Embora não se possa esperar que os gestores façam uma previsão detalhada da resposta dos ecossistemas, devem ter uma consciência global da maneira como um determinado sistema é suscetível de alterar-se. Devem saber as disciplinas científicas apropriadas que possam servir de guia. Sobretudo, devem ser conscientes do fato de a ecologia ser uma disciplina de várias facetas, como é a engenharia, e de não haver um único ecologista que possa dar conselhos sobre todos os aspectos de um determinado ecossistema.

“OS GESTORES DOS RECURSOS HÍDRICOS DESEMPENHAM UMA FUNÇÃO ESSENCIAL DE REUNIR ESPECIALISTAS.” Podem ganhar tal compreensão empregando e trabalhando em novos tipos de equipes multidisciplinares, compostas de engenheiros e cientistas. Contam entre as disciplinas geralmente envolvidas a hidrologia relativa à água subterrânea e de superfície, hidráulica, sedimentologia, geomorfologia fluvial, ecologia (peixes, invertebrados, rãs, répteis, aves aquáticas, mamíferos aquáticos e terrestres que sejam dependentes da água, e plantas ripícolas e aquáticas), microbiologia e química aquática. Quando houver a probabilidade de os usuários para fins de subsistência de regime de posse comum ser afetados, acrescentar-se-ão às disciplinas relativas ao abastecimento de água, saúde pública e do gado, antropologia, sociologia e economia de recursos. O gestor desempenha uma função essencial em reunir todos esses especialistas, ajudando a criar uma linguagem comum. Quando trabalham em equipe, os gestores dos recursos hídricos aprendem a fazer perguntas diferentes e mais apropriadas. Percebem que não existe uma resposta ecológica simples a perguntas do tipo: “Qual é o fluxo ambiental para esse rio?”, já que se trata de uma decisão social impulsionada por uma troca entre o desenvolvimento e a conservação do ecossistema. Ao contrário, devem chegar a compreender a maneira como um ecossistema se altera quando se toma uma determinada decisão. Portanto, ajudam a criar os cenários que os decisores considerarão. Aprendem, ainda, a reconhecer situações altamente perigosas que teriam resultados indesejáveis devido ao caráter sensível do ecossistema-alvo ou ao tipo de intervenção. Aprendem a interpretar a informação pertinente para que os gestores possam se aproveitar dela. Uma vez completados os trabalhos de investigação, devem ser capazes de fornecer um leque de opções de intervenção e revelar como cada uma pode afetar o ecossistema e a sociedade em geral. Embora os gestores, engenheiros e cientistas possam colaborar na descrição de opções, a seleção de uma delas é freqüentemente uma decisão política. O conceito global do uso sustentável pode falhar se forem tomadas as decisões certas, mas cuja implementação pelos gestores seja pouco diligente. É provável que a distribuição de fluxos ambientais apropriados, talvez ao contrário dos desejos de certos usuários potenciais de água, seja a parte mais difícil do processo global de avaliação e implementação, visto que existem poucas orientações a seguir. Para além disso, dado o caráter inerentemente complexo e imprevisível dos ecossistemas, os gestores podem ter que solucionar esta dificuldade com uma gestão adaptativa. Para ajudar neste sentido, será preciso vigiar tanto a distribuição das necessidades de fluxos ambientais como a condição do ecossistema. Se for distribuído o fluxo ambiental selecionado, mas a condição não for realizada, ou se o fluxo selecionado for alcançado apesar da não realização da condição desejada, é provável que seja preciso alterar ou a condição-alvo ou o regime de fluxo. Ajuda se a lei levar em conta este tipo de gestão adaptativa e se existir a capacidade institucional na autoridade encarregada de ocupar-se das questões de água.

117

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 118

O uso de cenários À medida que se caminha para o uso sustentável de água, os departamentos nacionais de água transformar-se-ão progressivamente de fornecedores de água em gestores holísticos de ecossistemas aquáticos da nação. Uma medida inicial e importante será a de atribuir o mesmo nível de importância aos planos que dizem respeito a recursos hídricos como já se fez tanto no caso dos aspectos sócio-ecológicos como nos econômicos e de engenharia. Os estudos ecológicos pertinentes do sistema-alvo têm que se iniciar ao mesmo tempo em que os relativos à engenharia, e um programa social estruturado que liga todas as partes interessadas tem que ser integrado em todas as etapas do planejamento. À medida que se criam cenários que descrevem o conjunto de opções disponíveis para o desenvolvimento –, inclusive a opção de não-desenvolvimento –, o governo tem que estabelecer um processo de tomada de decisões para considerá-las e selecionar uma. O cenário selecionado pode incluir uma descrição de um regime de fluxo, que se tornará o fluxo ambiental para aquele rio, e uma descrição da condição do rio esperada, que se tornará o estado desejado para aquele rio. Cada rio de um país pode vir a ter um fluxo ambiental diferente, um estado desejado diferente, e um conjunto diferente de custos e benefícios para as pessoas. Isso refletirá as diferenças na localização e natureza de cada rio e a escolha da sociedade em relação ao que mais valoriza em cada um deles. A implementação e gestão destas escolhas são depois simplificadas à medida que trabalham de acordo com – e possivelmente não ao contrário de – os desejos globais da sociedade. Poucas são as instituições terciárias que têm começado a adotar esta questão num nível suscetível de fornecer orientações ao governo. Existem alguns centros de experiência no nível internacional, sobretudo nos governos, universidades e consultorias de países conhecidos para o trabalho no campo de fluxos ambientais. As áreas que se têm destacado neste campo são a América do Norte/Reino Unido/Europa, África do Sul e Austrália. Os dois últimos países têm liderado na elaboração de métodos holísticos, e a África do Sul tem introduzido um forte componente social nos seus métodos, que descreve as implicações de intervenções de gestão não apenas para o ecossistema, mas também para os usuários para fins de subsistência em regime de posse comum. Um ponto de partida útil pode ser o de visitar projetos pertinentes em um ou mais desses países.

7.2.2 Ciência, pesquisa e desenvolvimento Pode-se fazer uma avaliação de fluxo em situações em que se verifica ou uma falta ou uma riqueza de dados, mas a confiança na sua produção aumenta de acordo com o nível de compreensão. A investigação permite aos cientistas compreender a natureza e o funcionamento do sistema, o qual, por sua vez, ajuda-os a desenvolver a capacidade de predizer como o sistema reagiria à perturbação. Pode-se atualmente, por exemplo, predizer a maneira como as alterações nos fluxos planejados modificarão as comunidades de vegetação localizadas ao lado da margem, a qualidade de água, as características dos canais e a pesca e, assim, a vida das pessoas. O tipo de conhecimento de que se precisa acumular-se-á apenas no curso de anos. Por exemplo, a África do Sul entrou no campo de avaliação de fluxos ambientais nos finais dos anos 80 e, em uma década, tinha uma entidade nacional composta por cientistas aquáticos que serviam de conselheiros ao governo nesta área. Isto levou diretamente à inclusão da proteção estruturada do ecossistema na Lei sobre a Água de 1998. A década de desenvolvimento foi apoiada pelo Departamento Nacional encarregado das questões de Água e Florestas e por entidades financiadoras de investigação que responderam de maneira forte às necessidades da gestão. A investigação dirigida feita por cientistas superiores foi baseada nas ligações entre o fluxo e o conjunto total de características do ecossistema, permitindo uma compreensão gradual da maneira operacional dos ecossistemas e, portanto, uma capacidade de predizer os resultados prováveis das ações de gestão propostas.

118

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 119

É ESSENCIAL HAVER UMA BOA RELAÇÃO DE TRABALHO ENTRE OS GESTORES, CIENTISTAS E FINANCIADORES.” Não se pode exagerar a importância de haver uma boa relação de trabalho entre os gestores, cientistas e financiadores. Os três desempenham diferentes funções, todas essenciais para a transformação da boa ciência em boa gestão. Os cientistas precisam ter consciência das áreas nas quais os gestores necessitam de ajuda, e estar dispostos a apresentar propostas para fazer a investigação necessária. Os financiadores precisam ter consciência, freqüentemente antes da investigação e gestão atual nos seus países, dos campos de investigação que poderiam ajudar os gestores, e estar dispostos a fornecer financiamento para tal ação. Os gestores precisam estar dispostos a orientar os investigadores em relação às suas necessidades e servir-se dos resultados da investigação. Se um desses grupos falharem na função que desempenha, os outros dois tornar-se-ão menos eficazes: podem-se apresentar boas propostas de investigação sem que sejam financiadas; pode-se completar boa investigação sem que seja utilizada. As entidades financiadoras são atores essenciais no estabelecimento de fluxos ambientais. Se desejaram ser proativas neste campo, podem discutir com os gestores de água as necessidades para os fluxos ambientais, ajudando a localizar cientistas que tenham ou que estejam desejosos de desenvolver as habilidades e o conhecimento necessários, e convocando reuniões de gestores e cientistas para responder às necessidades. Podem, ainda, liderar a procura e o apoio de uma liderança nacional: alguém que se possa financiar para liderar o desenvolvimento nacional dentro deste campo. Quem coordena o financiamento de investigação precisa ser visionário, compreender a função das várias disciplinas, promover a investigação multidisciplinar e olhar para além da investigação estabelecida para as necessidades futuras da nação.

Cientistas, engenheiros e outros peritos Os engenheiros e os economistas têm tradicionalmente desempenhado uma função profissional e de conselheiros-chave na gestão dos recursos hídricos. Todavia, os cientistas biofísicos e sociais estão desempenhando uma função cada vez mais proeminente, à medida que os países caminham para o uso sustentável. São indicadas abaixo as suas respectivas áreas de envolvimento e os tipos de aprendizagem necessários.

Cientistas biofísicos No passado, a maioria de cientistas biofísicos foi excluída das atividades de gestão, seguindo as áreas mais acadêmicas de investigação. Todavia, nos últimos anos, tem emergido um novo tipo de cientista biofísico, que trabalha atentamente nas atividades de gestão. Estes cientistas têm reconhecido que muitas questões relacionadas com os recursos hídricos não podem esperar os resultados de programas intensivos de investigação. As decisões de gestão continuarão a ser tomadas sem muita entrada científica se forem retidos os conselhos só na expectativa de melhores dados. Argumentam que por menos que sejam os dados que existem acerca de um determinado ecossistema, é provável que os cientistas e os peritos informados compreendam melhor a sua natureza e o seu funcionamento do que os engenheiros e gestores. Eles têm-se dedicado, portanto, a fornecer conselhos com base no ‘melhor conhecimento disponível’ e nos dados-chave que podem ser recolhidos rapidamente. Se os gestores precisarem de orientações neste nível inferior de confiança, portanto, é justo que eles apoiem a investigação que procura melhorar as entradas a longo prazo. Os cientistas precisam defender a sua causa para tal ação, articulando de modo claro as condições sob as quais oferecem as orientações, as lacunas no seu conhecimento, o seu nível de confiança e a investigação requerida. Deixar de investir em tal investigação significa que os ecossistemas continuarão a ser geridos no nível de conhecimento e ignorância que causaram a sua degradação no início. Do outro lado, prosseguir de modo cooperativo, mas sem compreensão completa revelará rapidamente ao gestor e ao cientista as lacunas essenciais no conhecimento e na investigação. Um objetivo a longo prazo deve ser o de

119

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 120

transformar a boa ciência em boa gestão. Os cientistas podem fornecer informação sobre os ecossistemas, da mesma maneira que é feito por um engenheiro para uma municipalidade ou um esquema de irrigação.

Os engenheiros especialistas em assuntos de água A maioria de engenheiros especialistas em assuntos de água trabalha nos campos relacionados com o abastecimento e purificação de água, irrigação e controle das inundações. No passado, a maioria da aprendizagem era dirigida para a resolução de problemas e a obtenção rápida de resultados. Assim, poderão ter agido com conhecimento incompleto, utilizando técnicas que incluíam fatores e modelos de segurança amplos e relativamente inferiores. Embora se centrassem simplesmente na manipulação física de ecossistemas hídricos, isso produzia os resultados requeridos a curto prazo. Um efeito colateral inevitável, todavia, era a degradação ambiental. À medida que cresceram as preocupações com isso, os ecologistas têm começado a trabalhar junto com os engenheiros no que diz respeito às questões de gestão de recursos hídricos. Cada disciplina aprende o que a outra pode oferecer. Os engenheiros que se especializam na transporte de sedimentos, por exemplo, têm começado a trabalhar com os geomorfologistas fluviais e os hidrologistas cooperam com os ecologistas em uma escala cada vez mais ampla.

“MUITAS TÉCNICAS E MODELOS TRADICIONAIS DA ENGENHARIA ESTÃO SENDO QUESTIONADOS.” À medida que têm prosseguido as ligações entre a ciência e a engenharia, muitas técnicas e modelos tradicionais da engenharia estão sendo disputadas. Diz-se que não são suficientemente refinados para responder aos problemas ecológicos. Por exemplo, um modelo hidráulico utilizado em uma escala não refinada para predizer a altura de inundações pode revelar-se inadequadamente preciso em uma escala menor se um fluxo baixo for suficientemente profundo para permitir a passagem de peixe. Os modelos hidrológicos que prediziam, a partir dos registos de pluviosidade, as quantidades brutas mensais disponíveis para o abastecimento de uma vila, não serão capazes de predizer as condições diárias enfrentadas por plantas e animais aquáticos. Precisa-se, portanto, de dados mais detalhados deste tipo quando se tenta descrever as implicações para o ecossistema das intervenções de gestão planejadas. Têm-se disponibilizado no curso das últimas duas décadas modelos hidrológicos diários e de hora em hora para além de modelos hidráulicos desenhados que simulam fluxos baixos e o habitat aquático. Mas é preciso desenvolver mais modelos, e a sua relevância para com as aplicações de fluxos ambientais será garantida apenas se houver ligações fortes com os ecologistas que são especialistas neste campo. Outras áreas em que os engenheiros especialistas em questões de água relacionadas com a gestão de ecossistemas começam a afinar suas habilidades são: •





120

O desenho de barragens, inclusive os múltiplos pontos de tomada, qualidade de água, sensores termais e o registo contínuo de fluxos globais rumo aos reservatórios e saídas das barragens para que se possam distribuir as quantidades, qualidade e temperatura de água e os sedimentos requeridos para a manutenção do ecossistema a jusante, podendo-se vigiar a transmissão da auditoria; A operação da barragem ligada ao clima atual para garantir não apenas a distribuição de fluxos ambientais ao local requerido, mas também a ligação com o clima atual, para que o sistema a jusante continue a experimentar os ciclos úmidos e secos anuais; Os modelos de qualidade de água mais refinados, para que os nutrimentos e outros fatores pertinentes sejam modelados no nível de resolução em que ocorrem as reações ecológicas.

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 121

Mais uma vez, o desenvolvimento deve realizar-se em cooperação estreita com ecologistas experimentados neste campo.

Os funcionários encarregados do ambiente e da conservação da natureza É possível que os cientistas aquáticos que trabalham nas entidades nacionais e regionais encarregadas da conservação do ambiente e da natureza tenham menos oportunidades de fazer a investigação formal de que os seus colegas nas universidades e instituições de investigação. Todavia, freqüentemente acumulam inestimáveis quantidades de dados formais e conhecimento informal relacionados aos ecossistemas sob a sua responsabilidade. No caso em que haja uma falta de dados sólidos, a sua compreensão geral dos sistemas pode ser tudo o que está disponível quando se começa a aplicação dos fluxos ambientais. O seu conhecimento pode ser mais holístico do que o de um investigador acadêmico, que em geral se centra freqüentemente numa pequena parte do ecossistema e tem freqüentemente um sentido intuitivo da maneira como as alterações nos fluxos afetarão o ecossistema. Uma grande parte do desenvolvimento inicial de abordagens holísticas para avaliar fluxos ambientais implica a elaboração de técnicas destinadas a explorar o seu conhecimento. Uma combinação útil pode ser a de aliar os investigadores acadêmicos aos cientistas especialistas em questões de conservação, já que eles podem colaborar na aprendizagem aprofundada dos métodos e na investigação relativa aos fluxos ambientais, fornecendo conjuntamente contribuições pertinentes e realistas sobre as avaliações de fluxos ambientais.

Os cientistas sociais e economistas encarregados de recursos hídricos À medida que as preocupações relativas ao ambiente desempenham uma função nas decisões relativas à gestão, os cientistas sociais tornam-se cada vez mais proeminentes no campo da gestão de recursos hídricos. Quase todas as pessoas podem ser encaradas como “usuários” de um ecossistema,

A ligação entre a DRIFT, o Processo Público Participativo e a avaliação regional macro-econômica

preocupações relativas ao rio

DRIFT PÚBLICO

PROCESSO PARTICIPATIVO

produz uma gama de cenários requeridos pelo gestor de recursos hídricos Regime de fluxo Condição do rio • Impactos sociais sobre os usuários para fins de sustento • Economia de recursos • Implicações para a coleta de água •

Troca de informação



macro-econômicos de cada cenário

Troca de informação

Aceitabilidade para o público de cada cenário

DECISOR 121

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 122

quer através do uso direto da água, quer de outra maneira. Para aceder às suas preocupações, um Processo Público Participativo (PPP) pode ser gerido pelos cientistas sociais no intuito de colher respostas quanto à aceitabilidade de um conjunto de cenários elaborado no curso da avaliação do fluxo ambiental. Cada cenário pode incluir o estatuto de muitas questões de importância social, tais como o grau de disponibilidade de recursos naturais, riscos à saúde das pessoas e do gado e se serão afetados os valores não consumíveis do ecossistema (por exemplo, culturais e religiosos). Devem ser transmitidas aos decisores as respostas das partes interessadas no tocante aos cenários. Os cientistas sociais especialistas neste trabalho serão mais eficazes se compreenderem a descrição da alteração do ecossistema fornecida pelos cientistas biofísicos, podendo apresentá-la de maneira informada às partes interessadas. É preciso uma dedicação clara para uma linguagem comum e um ambiente de trabalho propício, junto com os cientistas biofísicos, da mesma maneira que estes últimos têm criado ligações com os engenheiros e gestores no curso das últimas duas ou três décadas. Até hoje, poucos são os cientistas sociais que têm tentado transpor a lacuna. Pode ser o caso que um PPP formal não aceda aqueles que sejam mais afetados pelo desenvolvimento aquático, sobretudo nos países em desenvolvimento, como as populações ribeirinhas localizadas a jusante, que dependem diretamente dos recursos fluviais. Freqüentemente são as pessoas pobres que residem nas zonas rurais que têm pouca compreensão da maneira como o rio pode mudar e sobre outras opções para substituir os recursos perdidos. Os métodos ambientais recentes criam cenários que predizem não apenas a maneira como os ecossistemas mudarão devido à manipulação dos fluxos, mas também como isto impactará os usuários para fins de subsistência em regime de posse comum. Os cientistas sociais e economistas de recursos desempenham uma função essencial para determinar os recursos utilizados e a maneira como estes seriam afetados se desaparecerem. Cada cenário produzido pelos cientistas biofísicos pode incluir predições na maneira como a abundância de recursos aumentaria ou decresceria. Os cientistas sociais e economistas poderiam assim quantificar como os usuários ribeirinhos seriam afetados pelo desenvolvimento projetado. Este tipo de informação não tem ficado do disponível aos decisores no passado e, atualmente, poucos são os especialistas que detêm as habilidades e a experiência necessárias para disponibilizá-la.

Capacitação dos cientistas, engenheiros e economistas encarregados dos recursos Muitos departamentos universitários têm-se centrado tradicionalmente na procura de conhecimento e compreensão como um fim em si. Na ciência, a investigação aplicada está evoluindo como componente essencial da formação universitária, porque se reconhece que ela deve ser bem desenhada, executada e interpretada como qualquer outro tipo de ramo acadêmico, sendo, pela sua natureza mais diretamente pertinente às questões de gestão. As universidades podem apoiar e orientar a investigação aplicada destinada a responder aos problemas relacionados com a gestão de recursos hídricos. Particularmente nas ciências biofísicas, onde as ligações entre a gestão de recursos e as pessoas podem ser fracas, precisa-se de apoio para os especialistas que tentam realinhar o seu modo de pensar às abordagens mais empreendedoras e aplicadas. Muitos especialistas começam por trabalhar de acordo com a procura: oferecem o que sabem. Se se abordar a questão de outra maneira, todavia, podem responder melhor à procura, mobilizando o seu conhecimento de maneira diferente. Para serem pertinentes, todos os dados e toda a compreensão relacionados com a água devem ser ligados ao fluxo (no caso dos cientistas biofísicos) e à alteração de ecossistemas (no caso dos cientistas sócio-econômicos). Deste modo, começarão a desenvolver a capacidade de predizer a maneira como as alterações do fluxos afetarão qualquer coisa que estudem. O manual para a Metodologia de Blocos de Construção124 fornece um conjunto de sugestões sobre o que cada disciplina pode contribuir à avaliação de fluxos ambientais. Dado o caráter multidisciplinar de tais avaliações, muitas faculdades universitárias têm uma função a desempenhar. As faculdades de engenharia, direito, ciência, ciências sociais e economia contam entre as que podem oferecer cursos combinados nesta disciplina. A maior parte da aprendizagem que se filtra através dos níveis universitários e de pós-graduação pode bem emanar dos especialistas que

122

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 123

efetuaram uma auto-aprendizagem e, portanto, a maioria das universidades não disporia de perícia pertinente. A procura pela formação formal vai crescendo, e uma demanda coordenada por parte dos financiadores e gestores para tais cursos pode encorajar as universidades a responder ao que pode passar a ser uma demanda substancial.

As partes interessadas e os comunicadores Variam os graus de participação dos atores envolvidos na tomada de decisões, de acordo, em certa medida, com o poder que é transferido ao público. De um lado, fornece-se informação ao público. De outro, o poder é delegado a um grupo de pessoas que tomam as decisões. Ao refletir sobre o conceito de “escada” de participação de cidadãos desenvolvida na literatura, tem-se categorizado as abordagens da seguinte maneira: 1. provisão de educação e informação; 2. feedback de informação; 3. participação e consulta; e 4. participação ampliada. Dois outros elementos que fazem parte da linguagem atual relativa à participação, e se relacionam sobretudo com os elementos 3 e 4 são a construção de consenso e os processos deliberativos. A realização de consenso define-se como “o acordo por consentimento”, cujo resultado final é uma adesão ao acordo e à sua intenção. O consenso não implica o acordo total. É de suma importância como se realiza o consenso – o conceito de construir o consenso implica processos participativos que permitam o debate, discussão de desacordos, questionamento de fatos e uso de perícia. A construção de consenso implica uma abordagem de baixo para cima, em que as partes interessadas são aliciadas na elaboração das propostas iniciais, e consideração das propostas e soluções preferidas. Os processos deliberativos, tais como os grupos comunitários consultivos e os júris de cidadãos, defendem interesses pertinentes no debate, discussão e negociação, e são apresentados como necessários a serem integrados nos métodos de avaliação. Os processos deliberativos implicam uma nova relação entre os decisores e as partes interessadas, a qual ultrapassa os métodos tradicionais de participação. As partes interessadas e afetadas são melhor representadas nas decisões relativas à gestão de recursos hídricos se compreenderem o que se propõe e os cenários de fluxos ambientais considerados. Ajuda se compreenderem as diferentes maneiras como os ecossistemas podem-se alterar de acordo com os diferentes cenários, e o conjunto de impactos e benefícios ligados a cada um. Uma vez que se compreenda isto e que se desenvolva uma compreensão mais ampla sobre o que motiva o envolvimento de todos estes especialistas, podem fazer entradas informadas aos decisores no que respeita ao nível de aceitabilidade de cada cenário. É provável que nem todas as partes interessadas encarem cada cenário de modo igual, e que nenhum cenário seja aceitável por todos. Neste caso, a decisão final será política, melhor servida quando cada grupo de atores apresenta o seu caso de maneira informada. Apresentar a informação científica a pessoas não-cientistas é uma arte. Muitos são os cientistas que tentam desenvolver esta habilidade, mas precisa-se de comunicadores experimentados. A informação tem que ser transmitida em três sentidos. Primeiro, a informação aos vários níveis de tomada de decisão relativas aos recursos utilizados, meios de subsistência ameaçados e preocupações relacionadas deve ser transmitida das partes interessadas à maioria dos outros grupos de especialistas para ser integrada à elaboração de cenários. É provável que a habilidade menos desenvolvida neste caso seja a de recolher informação dos usuários que são analfabetos, isolados e incapazes de prever como os seus recursos poderão se alterar e o impacto que isto poderá ter na sua vida. Os comunicadores que operam nesta área precisam ter uma boa compreensão do funcionamento ecossistêmico e dos estilos de vida nas zonas rurais, e devem ser capazes de conversar de modo adequado com os cientistas biofísicos, engenheiros/gestores e populações ribeirinhas. Segundo, a informação relativa aos cenários desenvolvidos, inclusive as descrições de alterações previstas nos ecossistemas, deve ser transmitida às partes interessadas.

123

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 124

Terceiro, o nível de aceitabilidade de cada cenário deve ser comunicado ao decisor. A verdadeira participação de todas as partes no processo é uma tarefa complexa, que está se iniciando. As partes interessadas podem tornar-se mais informadas ao assistir a apresentações de especialistas, ler a literatura pertinente, e estar dispostos a participar de reuniões onde os cenários são explicados. Os atores que possam necessitar de representação no que diz respeito a um determinado ecossistema aquático pode incluir: os agricultores e irrigadores, municipalidades, indústria e minas, agências de conservação nacionais e regionais, tratados internacionais sobre a biodiversidade e tratados semelhantes, usuários locais de bacias de captação, tendo um conjunto de meios de subsistência, ONGs e ministérios de turismo e de recreação. Uma questão principal que se coloca para a participação das partes interessadas é se os participantes representam as opiniões de grupos de interesse particulares ou meramente um conjunto de interesses. Tradicionalmente, a participação tem-se centrado em travar conversas com pessoas que representam um interesse particular – por exemplo, o chefe de uma aldeia ou de um grupo de pesca local. Espera-se que os indivíduos se relacionem com as opiniões dos seus grupos e talvez sirvam de condutos de informação, proveniente de e dirigida aos grupos e organizações. Em muitas atividades participativas públicas, todavia, importa mais recrutar ou selecionar pessoas para participar que não representam um conjunto de interesses e preocupações diferentes numa determinada área ou comunidade. As pessoas não servem de repórteres de informação ou de debate neste sentido (embora possam desempenhar tal função), mas estima-se que a sua participação introduz um conjunto de interesses e experiências diferentes no debate. Isto se assemelha a recrutar uma amostra representativa de uma área. Um facilitador de participação é encarregado de assegurar que todos tenham oportunidade de ser ouvidos. A boa participação não é uma habilidade, todavia, e os atores selecionados não serão sempre capazes de exprimir as suas opiniões ou sintetizar os seus argumentos. Pode ser preciso capacitar os atores mediante a formação adequada e o apoio à participação, para que o processo se opere de modo eficaz. Esse processo de conscientização geral do público vai de questões tocantes aos fluxos ambientais à formação em habilidades de apresentação. Os atores podem também precisar de acesso a um apoio especializado independente relativo às questões técnicas.

7.3 Uma estratégia para a capacitação Os países encontram-se em diferentes etapas em relação ao reconhecimento e uso dos fluxos ambientais como ferramenta de gestão de recursos. As suas estratégias para a capacitação neste campo variarão por esta razão. Segue-se um exemplo de o que se pode fazer. Aponta-se uma estratégia de dez pontos para a capacitação relativa a uma avaliação de fluxos ambientais para a Tanzânia.125 Este plano de dez pontos inclui um conjunto de atividades variadas. Algumas atividades são de grandes dimensões e podem levar alguns anos; outras são pequenas, podendo implementarse rapidamente. São enumeradas de modo muito amplo, na ordem cronológica sugerida de implementação, embora algumas possam se sobrepor em parte ou executar-se ao mesmo tempo. Medida 1. Curso de formação – Adquirir a experiência relativa aos enquadramentos e métodos O objetivo do curso de formação seria introduzir os conceitos relativos às avaliações de fluxos ambientais e de enquadramentos, abordagens e métodos afins que estão disponíveis no mundo, junto com as suas necessidades em termos de dados. Tal curso de formação criará consciência, em vez de uma capacidade imediata de levar a cabo avaliações de fluxos ambientais. Tal capacidade levaria algum tempo para desenvolver-se e idealmente implica o apoio técnico de usuários experimentados nestes métodos, ao menos no curso das aplicações iniciais. O apoio técnico poderia se dar onde for apropriado, mediante uma rede de mentores (ver medida 8). Medida 2. Definir um quadro de avaliação - da política à ação A implementação da Nova Política sobre Água de Tanzânia, recentemente aprovada pelo governo, requer a elaboração de um enquadramento de avaliação adequado que se ligue com o processo de

124

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 125

Peritos discutem as conseqüências ecológicas da seca de 1992/1993 no rio Olifants.

Avaliação do Impacto Ambiental e a Estratégia para a Redução da Pobreza. Tal enquadramento poderia incluir a classificação da condição atual de cada rio na Tanzânia, ou partes deles, e da condição desejada. As condições atuais e desejadas podem variar, de originais a significativamente degradadas para diferentes rios, de acordo com as prioridades das zonas de captação individuais. Avaliar-se-ia então o fluxo ambiental necessário para realizar as condições desejadas para cada rio. Em contraste, em vez de fixar uma condição desejada, esta pode ser negociada pelos decisores e todas as partes interessadas. Pode-se avaliar os cenários que detalham as conseqüências de vários diferentes regimes em termos do seu efeito sobre o ecossistema fluvial, os usuários parar fins de subsistência, todas as partes interessadas e a economia regional. Medida 3 Aplicação experimental dos métodos de avaliação – Pôr em prática o que se aprendeu Existem muitos métodos de avaliação de fluxos ambientais, e a participação numa avaliação experimental é a melhor maneira de compreender os diferentes métodos, inclusive os dados que eles requerem, quanto custam, quanto tempo duram, como podem ser utilizados os seus resultados. Podese selecionar um único estudo de caso numa área de alto conflito, mediante um debate durante o curso de formação (Medida 1) ou de um ateliê (Medida 2), mediante um ou mais dos métodos selecionados. Um número limitado de pessoas (talvez 20), inclusive os especialistas-chave de cada disciplina pertinente, participariam desta atividade. A aplicação experimental duraria um ciclo hidrológico inteiro (um ano), embora não seja um tempo completo e contínuo. Se for necessário, poder-se-ia estabelecer um programa de coleta de dados a longo prazo. Medida 4 Visitas aos locais dos casos de estudo – Ver o que fizeram os outros A leitura de relatórios relativos às avaliações de fluxos ambientais nas bacias ribeirinhas por todo o mundo é fonte de informação inestimável no que diz respeito às praticas do processo de fluxos ambientais, métodos utilizados e necessidades de dados. Visitar as próprias bacias, todavia, e discutir questões pertinentes com os cientistas, gestores de água e partes interessadas possibilita a obtenção de idéias e uma compreensão que não se pode ter através da palavra escrita.

125

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 126

Medida 5 Workshops e simpósios técnicos – Discutir as técnicas aplicadas O desenvolvimento da perícia necessária deve ser alimentado mediante interações, apresentações em workshops e simpósios. As apresentações relativas às questões que dizem respeito à hidrologia ou à biologia pesqueira serão feitas por peritos da Tanzânia que estão assistindo um curso de formação e/ou contribuíram com a aplicação experimental. Cada apresentação pode servir-se dos dados existentes relativos aos ecossistemas aquáticos pertinentes, e, onde for possível, dos métodos de análise aprendidos no curso de formação e na aplicação experimental. Por exemplo, um hidrólogo pode analisar a cronometragem dos fluxos ambientais, servindo-se de uma simples ferramenta de fluxo ambiental como os índices hidrológicos de Richter. Isto pode ser comparado com a análise hidrológica convencional, no sentido de salientar as diferentes necessidades para as avaliações de fluxos ambientais. As reuniões podem também incluir sessões em que os grupos de trabalho desenvolvem tópicos, tais como a integração de investigação proveniente de diferentes disciplinas. As publicações provenientes das reuniões podem definir o estado da arte da avaliação dos fluxos ambientais na Tanzânia. Medida 6 Apoio técnico – Apoiar o que é empreendido Os especialistas na Tanzânia ganharão experiência prática nas questões pertinentes relativas às avaliações de fluxos ambientais, adquirida mediante o envolvimento nas atividades acima mencionadas. À medida que prosseguem as avaliações plenas de fluxos ambientais, poderiam se aproveitar do apoio de especialistas internacionais no campo, que forneceriam orientações relativas aos métodos, e das revisões independentes dos Termos de Referência para os estudos técnicos e relatórios sobre estes estudos. Medida 7. Base de dados nacional – Estabelecer uma biblioteca de conhecimentos Os cientistas, especialistas, gestores e partes interessadas precisam de materiais escritos de origem nacional e internacional para informar as suas atividades. Existe um corpo extenso de literatura internacional que pode servir de fonte inestimável de idéias no que diz respeito aos enquadramentos de tomada de decisões, métodos de avaliação de fluxos ambientais, coleta e análise de dados e outras questões. Pode-se estabelecer uma biblioteca nacional dessa literatura e da localização de bases de dados pertinentes, com acesso gratuito, no seio de uma instituição anfitriã apropriada. Medida 8. Redes de contatos – Partilhar as experiências Uma avaliação de fluxo ambiental é uma atividade multidisciplinar. Os diversos peritos podem compreender melhor as suas respectivas perspectivas e modos de trabalhar mediante as redes de contato. A rede deve ter um coordenador ou líder, que seja proativo em garantir a interação entre os membros, gerir os ateliês e reunir equipes de peritos para fazer avaliações de fluxos ambientais. Uma tarefa particular de uma rede seria estabelecer uma equipe de especialistas para dirigir formações futuras relativas à avaliação de fluxos ambientais Medida 9. Fazer investigação – Melhorar a compreensão Tem-se desenvolvido métodos de avaliação de fluxos ambientais em várias partes do mundo, sobretudo na Europa, América do Norte, África do Sul, Austrália e Nova Zelândia. Muitos deles podem ser adaptados à situação da Tanzânia, e depois se pode colher dados apropriados. Para realizar isso, seria preciso dar alta prioridade à ciência dos fluxos ambientais na investigação e no ensino universitário. Medida 10. Estratégias de comunicação – Divulgar a informação Um passo essencial no estabelecimento de um programa nacional de fluxos ambientais é garantir que todo o mundo compreenda o que são os fluxos ambientais, e a maneira como eles podem ajudar a promover o uso sustentável dos recursos hídricos. A audiência-alvo para a conscientização é muito ampla, incluindo setores pertinentes tais como os políticos, advogados, gestores de água, cientistas e o público. Os produtos requeridos variariam de acordo com a audiência-alvo, mas incluiriam panfletos, artigos jornalísticos, entrevistas à televisão e artigos científicos. Um primeiro passo seria elaborar uma efetiva estratégia de comunicação. Algumas das medidas acima mencionadas podem ser aplicadas na maioria dos países, mas muitos países terão também outras necessidades específicas. Estas podem ser melhor compreendidas através do diálogo com os especialistas neste campo.

126

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 127

REFERÊNCIAS 1

Berkamp, G., McCartney, M., Dugan, P., McNeely, J., Acreman, M. 2000. Dams, Ecosystem Functions and Environmental Restoration Thematic Review II.1 Preparado como insumo para a Comissão Mundial de Presas, Cape Town, .

2

World Commission on Dams. 2000. Dams and Development, Earthscan, London.

3

IUCN. 2000. Vision for Water and Nature. A World Strategy for Conservation and Sustainable Management of Water Resources in the 21st Century. IUCN, Gland, Switzerland and Cambridge, UK.

4

No caso de energia hídrica a fio de água, pode haver pouco efeito sobre os fluxos, embora os níveis e velocidades da água a montante serão afetados e o esquema possa interromper a conectividade dos rios.

5

União Européia, 2000. Diretiva do Parlamento Europeu e do Conselho 2000/60/EC, que determina uma estrutura de ação comunitária no campo de política hídrica. European Parliament and Council, Luxemburgo.

6

Department of Water Affairs and Forestry. 1999. Resource directed measures for protection of water resources. Department of Water Affairs and Forestry, Pretoria.

7

Jones, G. 2002. Setting environmental flows to sustain a healthy working river. Watershed, Cooperative Research Centre for Freshwater Ecology, Canberra (http://freshwater.canberra.edu.au).

8

Acreman, M.C. 2002. Case studies of managed flood releases. Environmental Flow Assessment Part III. World Bank Water Resources and Environmental Management Best Practice Brief No 8, World Bank, Washington DC.

9

Acreman, M.C. Adams, B. 1998. Low flow, groundwater and wetland interactions Report to Environment Agency (W6-013), UKWIR (98/WR/09/1) and NERC (BGS WD/98/11).

10

Dunbar, M.J. Acreman, M.C. Gustard, A. Elliott, C.R.N. 1998. Overseas Approaches to Setting River Flow Objectives. Phase I Report to the Environment Agency Environment Agency R&D Technical Report W6-161.

11

Ver, por exemplo: Tharme, R.E. 2003. A global perspective on environmental flow assessment: emerging trends in the development and application of environmental flow methodologies for rivers in River Research and Applications 19.

12

A curva da duração do fluxo é uma ferramenta para recursos hídricos que define a proporção do tempo em que um fluxo é igualado ou superado.

13

Souchon, Y. Keith, P. 2001. Freshwater fish habitat: science, management and conservation in France in Aquatic Ecosystem Health and Management 4 401-412.

14

Barker, I., Kirmond, A. 1998. Managing surface water abstraction in Wheater, H. and Kirby, C. (eds) Hydrology in a changing environment vol1 British Hydrological Society p249-258.

15

Tennant, D.L. 1976 In-stream Flow Regimens for fish, wildlife, recreation and related environmental resources in Fisheries 1 6-10.

16

Matthews, R.C. Bao, Y. 1991. The Texas Method of Preliminary In-stream Flow Determination. Rivers 2(4) 295-310.

17

Hill, M.T., Platts, W.S., Beschta, R.L. 1991. Ecological and Geomorphological Concepts for In-stream and Out-ofChannel Flow Requirements in Rivers 2(3) 198-210.

18

Richter, B.D., Baumgartner, J.V., Powell, J., Braun D.P. 1996. A Method for Assessing Hydrological Alteration within Ecosystems in Conservation Biology 10(4) 1163-1174.

19

Jowett I.G. 1997. In-stream Flow Methods: A Comparison of Approaches Regulated Rivers: Research and Management. 13(2) 115-128.

20

Gordon, N.D., McMahon, T.A., Finlayson, B.L. Stream hydrology: An introduction for ecologists Wiley Chicester, 1992.

21

Stalnaker C.B. e Arnette J.L. 1976. Methodologies for determining in-stream flows for fish and other aquatic life, in Stalnaker, C.B. and Arnette, J.L. (eds) Methodologies for the determination of stream resource flow requirements: an assessment. Utah State University, Logan, Utah, 1996 and Espegren, G.D. & Merriman, D.C Development of Instream Flow Recommendations in Colorado using R2-Cross, Colorado Water Conservation Board, 1995.

22

Richardson, B.A. Evaluation of in-stream flow methodologies for freshwater fish in New South Wales, in Campbell, I.C. 1996. Stream protection, the management of rivers for in-stream use. Water studies Centre, Chisholm Institute of Technology, East Caulfield.

23

Gippel, C., Stewardson, M. 1996 Use of wetted perimeter in defining minimum environmental flows, in Leclerc, M., Capra, H., Valentin, S., Boudreault, A. Cote, Z. (eds) 2000. Ecohydraulics 2000, 2nd International Symposium on Habitat Hydraulics Quebec City.

24

Armitage, P. Petts, G. E. 1992. Biotic score and prediction to assess the effects of water abstraction on river macroinvertebrates for conservation purposes in Aquatic Conservation, 2: 1-17.

25

Extence, C., Balbi, D.M., Chadd, R.P. 1999. River flow indexing using British benthic macro-invertebrates: a framework for setting hydro-ecological objectives. Regulated Rivers Research and Management, 15: 543-574.

127

flow final portugues press.qxp

128

24/09/2007

10:00

PÆgina 128

26

King, J.M., Tharme, R.E. de Villiers M.S. (eds.) 2000. Environmental flow assessments for rivers: manual for the Building Block Methodology. Water Research Commission Report TT 131/00, Pretoria, South Africa .

27

King et al. 2000.

28

Arthington, A.H. Long, G.C. (eds) 1997. Logan River Trial of the Building Block Methodology for Assessing Environmental Flow Requirements: Background Papers. Centre for Catchment and In-Stream Research and Department of Natural Resources, Queensland, and Arthington, A.H. and Lloyd, R. (eds) 1998. Logan River Trial of the Building Block Methodology for Assessing Environmental Flow Requirements: Workshop Report. Centre for Catchment and In-Stream Research and Dept Natural Resources, Queensland.

29

Arthington AH. 1998. Comparative Evaluation of Environmental Flow Assessment Techniques: review of holistic methodologies. Occasional Paper no. 26/98. Land and Water Resources Development Corporation, Canberra.

30

Swales, S. and Harris, J.H. 1995. The Expert Panel Assessment Method (EPAM): a new tool for Determining Environmental Flows in Regulated Rivers in The Ecological Basis for River Management, editado por Harper, D.M. and Ferguson, A.J.D. John Wiley and Sons, Chichester.

31

Thoms, M.C., Sheldon, F., Roberts, J., Harris, J., Hillman, T.J. 1996. Scientific Panel Assessment of environmental flows for the Barwon-Darling River. New South Wales Department of Land and Water Conservation.

32

Brizga, S.O., Arthington, A.H., Choy, S.C., Kennard, M.J., Mackay, S.J., Pusey, B.J. Werren, G.L. 2002. Benchmarking, a ‘top-down’ methodology for assessing environmental flows in Australian rivers. Proceedings of the International Conference on Environmental Flows for River Systems, Southern Waters, University of Cape Town, África do Sul.

33

Swales and Harris, op. cit.

34

Waters, B.F. 1976. A methodology for evaluating the effects of different stream flows on salmonid habitat in Orsborn, J.F. and Allman, C.H. (eds) In-stream Flow Needs, p. 254-266.

35

Bovee, K. D. 1982. A guide to stream habitat analysis using the IFIM – US Fish and Wildlife Service Report FWS/OBS82/26. Fort Collins, and Milhous, R. T. 1999 History, theory, use, and limitations of the Physical Habitat Simulation System. Proceedings of the 3rd International Symposium on Ecohydraulics, Salt Lake City, Utah, USA. Disponível apenas em CD-ROM.

36

Parasiewicz, P., Dunbar, M.J. 2001. Physical Habitat Modelling for Fish: A developing approach in Large Rivers 12, 24, Arch. Hydrobiol. Suppl. 135/2-4. 239-268.

37

Ver Ginot, V. 1995. EVHA, Un logiciel d’evaluation de l’habitat du poisson sous Windows. Bull. Fr. Peche Pisic.337/338/339. 303-308.

38

Ver Killingtviet, Å, Harby, A. 1994. Multi Purpose Planning with the River System Simulator - a decision support system for water resources planning and operation Proceedings of the First International Symposium on Habitat Hydraulics, Norwegian Institute of Technology, Trondheim.

39

Ver Jowett, I. G. 1989. River hydraulic and habitat simulation, RHYHABSIM computer manual. New Zealand fisheries miscellaneous Report 49. Ministry of Agriculture and Fisheries, Christchurch.

40

Por exemplo, na Alemanha, ver: Jorde, K. 1996. Ecological evaluation of In-stream Flow Regulations based on temporal and spatial variability of bottom shear stress and hydraulic habitat quality in Ecohydraulics 2000, 2nd International Symposium on Habitat Hydraulics, editado por Leclerc, M. et al. Quebec City.

41

Pusey B.J. 1998. Methods addressing the flow requirements of fish in Comparative evaluation of environmental flow assessment techniques: review of methods, Arthington AH, Zalucki JM. (eds). Occasional Paper 27/98. Land and Water Resources Research and Development Corporation, Canberra.

42

Alfredsen, K. Marchand, W. Bakken, T. H. Harby, A. 1997. Application and comparison of computer models quantifying impacts of river regulation on fish habitat in Broch, E., Lysne, D.K Flatabo, N. Helland-Hansen, E (eds) 1997. Proceedings of the 3rd International conference on hydropower Hydropower ’97 – Trondheim / Norway 30 June – 2 July 1997. A.A. Balkema Publishers, Rotterdam/Brookfield; and Booker, D.J. 2003. Hydraulic modelling of fish habitat in urban rivers during high flows. Hydrological Processes. 17, 577-599.

43

Peters, M.R. Abt S.R. Watson, C.C. Fischenich, J.C. Nestler, J.M. 1995. Assessment of Restored Riverine Habitat using RCHARC. Water Resources Bulletin 31 (4): 745-752; and Nestler, J. Sutton, V.K. 2000. Describing scales of features in river channels using fractal geometry concepts in Regulated Rivers: Research & Management 16: 1-22.

44

Bain, M. B. Finn J. T. Booke, H.E. 1988. Streamflow regulation and fish community structure in Ecology 69:382-392; Bain, M. B. 1995. Habitat at the local scale: multivariate patterns for stream fishes in Bull. Fr. Peche Pisic. 337/338/339: 165-177; Lamouroux, N., Capra, H., Pouilly, M. 1998. Predicting Habitat Suitability for lotic fish: linking statistical hydraulic models with multivariate habitat use models in Regulated Rivers, 14, 1-11.

45

Guensch, G.R. Hardy, T.B. Addley, R.C. 2001. Examining feeding strategies and position choice of drift-feeding salmonids using an individual-based, mechanistic foraging model Can J Fish Aquat Sci 58 (3): 446-457.

46

Hardy, T.B. 1998. The future of habitat modeling and in-stream flow assessment techniques in Regulated Rivers 14 (5): 405-420.

47

Ver, por exemplo, Hardy, T.B. and Addley, R.C. 2001. Evaluation of Interim In-stream Flow Needs in the Klamath River, Phase II Final Report Institute for Natural Systems Engineering, Utah State University.

48

Por exemplo, the Expert Panel Assessment Method examinado acima.

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 129

49

Crance, J. H. 1987. Guidelines for using the Delphi Technique to develop habitat suitability index curves. US Fish and Wildlife Service Biological Report 82(10.134). Fort Collins, USA.

50

King, J., Brown, C. and Sabet, H (in press) A scenario-based holistic approach to environmental flow assessments for rivers Rivers Research and Applications.

51

Poff, N.L., Allan, J.D., Bain, M.B., Karr, J.R., Prestegaard, K.L., Richter, B.D., Sparks, R.E., Stromberg, J.C. 1997. The natural flow regime in Bioscience 47, 769-784.

52

National Research Council, 1992. Restoration of aquatic ecosystems - science technology and public policy. National academic press, Washington DC, EUA.

53

United Nations, Conference on Sustainable Development, 1992.

54

A Declaração e Relatório da Conferência Internacional sobre Água e Meio Ambiente (ICWE) em Dublim, Irlanda, expressa um enfoque holístico, abrangente e multidisciplinar dos problemas dos recursos hídricos em todo o mundo, 1992.

55

O capítulo 5 contém um resumo da Agenda 21 e de uma série de outras iniciativas internacionais.

56

Gráfico adaptado de G.W. Annandale. 2000 Reservoir Conservation and Sediment Management, Engineering & Hydrosystems Inc.

57

World Commission on Dams. 2000 Dams and Development, Earthscan, London.

58

.

59

Hirji, R.F. Ziegler, T.H.R. 1999. Ensuring Environmental Quality In Water Resource Projects, HRW, December Issue; ver também o site Lesotho Highlands em .

60

World Commission on Dams. 2000 Dams and Development, Earthscan, London.

61

e .

62

Referências para esses exemplos são: Norris Dam: Outstanding Stewardship of American Rivers, 10 Hydro Projects Cited for Environmental Accomplishments, National Hydropower Association, 2001; Priest Rapids and Wanapum Dams: referências, conforme acima; Arrow Rock Dam: ver US Bureau of Reclamation em e ; Stave Falls Replacement Project: Stave River Water Use Plan –. Report of the Consultative Committee October 1999. Ver também .

63

IRN, Getting Old: Dam Ageing and Decommissioning, em .

64

World Commission on Dams, Case Study of the Pak Mun Dam, 2000 em ; e artigos mais recentes sobre a decisão do Gabinete tailandês em 2002 de manter abertas as comportas quatro meses ao ano em .

65

.

66

Gauvin, C.F. 1998. Who Should Pay For Dam Removal?, World Rivers Review, Volume 13, No. 1 / February; and the Natural Resource Council of Maine (USA) em .

67

WWF Poland. 2000. An options assessment .

68

European Union. 2000 Directive of the European Parliament and of the Council 2000/60/EC establishing a framework for community action in the field of water policy. European Parliament and Council, Luxembourg.

69

Aylward et al, Financial, Economic and Distributional Analysis: World Commission on Dams, Cape Town 2001.

70

Howe, C.W Policy Issues and Institutional Impediments in the Management of Groundwater: Lessons from Case Studies in Environment and Development Economics (2002) 7 (at 769-795).

71

.

72

National Hydropower Association, Outstanding Stewardship of America's Rivers. Washington, DC 2001.

73

.

74

Pagiola, S Paying for Water Services in Central America: Learning from Costa Rica in Pagiola, S. Bishop, J. LandellMills, N. 2002.Selling Forest Environmental Services: Market-based Mechanisms for Conservation, Earthscan, London; and Rojas, M., and Aylward, B (no prelo) What are we Learning from Experiences with Markets for Environmental Services in Costa Rica? A Review and Critique of the Literature. Report to IIED, International Institute for Environment and Development, London.

75

Stevens, J.B., Adams, R.M., Barkley, D., Kiest, L.W., Landry, C.J., Newton, L.D., Obermiller, F.W., Perry, G.M., Seely, H., and Turner, B.P. 2000. Benefits, Costs, and Local Impacts of Market-based Streamflow Enhancements: The Deschutes River, Oregon, Rivers 7 (2):89-108.

76

Bjornlund, H., and McKay, J. 2000. Aspects of Water Markets for Developing Countries: Experiences from Australia, Chile, and the US in Environment and Development Economics 7 (769-795).

77

Conforme recomendado por Bjornlund, H., and McKay, J. 2000.

for

the

Wloclawek

dam:

threats

and

solutions

e

129

flow final portugues press.qxp

130

24/09/2007

10:00

PÆgina 130

78

Otto, B. 2000. Paying for Dam Removal: A Guide to Selected Funding Sources American Rivers, Washington DC.

79

Adams et al, citado acima.

80

Ostrom, E., Schroeder, L., and Wynne, S Institutional Incentives and Sustainable Development. Infrastructure Policies in Perspective, p8. in Sabatier, P.A. (ed) 1993. Theoretical Lenses on Public Policy, Westview Press, Inc, Boulder.

81

Knowler, D. 1999. Incentive Systems for Natural Resource Management: The Role of Indirect Incentives in Environmental Report Series No. 2, FAO, Rome.

82

Colorado School of Law. 1997.

83

Jaeger, W.K., Doppelt, B. 2002. Benefits to Fish, Benefits to Farmers: Improving Streamflow and Water Allocation in the Northwest, Oregon State University, Corvallis.

84

ECOLEX, iniciativa conjunta da UICN, UNEP e FAO, oferece uma base de dados bastante completa de todos os acordos ambientais multilaterais e de intrumentos de legislação, junto com detalhes das partes desses instrumentos. Ver .

85

O Centro de Direito Ambiental da UICN está finalizando uma ampla base de dados sobre tratados, leis nacionais e jurisprudência relacionados à água, que estarão disponíveis na internet. Ver . Ver também o Atlas of International Freshwater Agreements (UNEP/DEWA/DPDL/RS.02-04) e o International Water Law Project .

86

Por exemplo, será que a Constituição inclui o direito a um meio ambiente limpo e saudável ou o direito ao acesso a água? Para mais informações sobre direitos humanos e água, visitar a página Water and Wetlands do Programa de Direito Ambiental da UICN, em .

87

Neste contexto, o conceito de rios internacionais é utilizado para indicar um curso fluvial que, geográfica e economicamente, afeta o território e interesses de dois ou mais Estados. Neste trabalho, os conceitos de curso fluvial transfronteiriço e curso fluvial compartilhado são usados como sinônimos.

88

League of Nations, Treaty Series, Vol. VII, pp. 37.

89

League of Nations, Treaty Series, Vol. XXXVI, pp. 77.

90

May 21, 1997; 36 International Legal Materials (ILM) 700. Esta convenção, entretanto, ainda não entrou em vigor.

91

O ILC é um órgão das Nações Unidas responsável pela codificação e desenvolvimento progressivo do direito internacional.

92

Adotado em 17 de março de 1992; entrou em vigor em 6 de outubro de 1996. (1991) 30 ILM 800.

93

4 April 1995; 34 ILM 864.

94

Assinado em Johannesburg on 28.08.95; disponível em http://www.sadcwscu.org.ls.

95

Assinado em 2 de fevereiro de 1971, em vigor desde 21 de dezembro de 1975; 11 ILM 1972.

96

Adotado em 16 de novembro de 1972, em vigor desde 17 de dezembro de 1975; 11 ILM, 1358.

97

De acordo com a Conveção de Ramsar, a Lista é determinada pelo próprio Estado. Sob a World Heritage Foundation, os sítios propostos foram incluídos na lista, conforme decisão do World Heritage Committee.

98

Concluído em 23 de junho de 1979; em vigor desde 1 de novembro de 1983. 19 ILM 15.

99

Que foi assinado por 16 países e ratificado por 12.

100

Artigo 5 e 6, Convenção das NU.

101

Artigo 7, Convenção das NU .

102

Artigo 8, Convenção das NU .

103

Artigo 9, Convenção das NU .

104

Visto que não possui as características que distinguem a lei de outras normas sociais – por exemplo, autoridade e prescrição – e que não se encontra nas fontes de Direito Internacional descritas no artigo 38 do Estatuto do Tribunal Internacional da Justiça.

105

O Plano de Ação da Terra, adotado na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de Janeiro, Brasil, em 1992.

106

Ver também The UN Millennium Development Goals, Part VI, Clause 23.

107

Ver um exame da situação do sul da África em Stein, R. 2002. Water Sector Reforms in Southern Africa: Some Case Studies in Hydropolitics in the Developing World: A Southern African Perspective (Turton and Hinwood Eds, 2002) and American University. 2001. South Africa’s Water and Dam Safety Legislation: A Commentary and Analysis on the Impact of the World Commission on Dams’ Report, Dams and Development, International Law Review, Volume 16, Number 6. Ver um estudo da situação australiana em Arthington A e Pusey B. 2003. Flow Restoration and Protection in Australia, Rivers Research and Applications, and Scanlon J. 2002. From Taking to Capping to Returning: The Story of Restoring Environment Flows in the Murray Darling Basin in Australia, SIWI Annual Conference .

108

24 January 1991. RO 1992 1860.

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 131

109

U.S. Wild and Scenic Rivers Act: (P.L. 90-542, as amended), (16 U.S.C. 1271-1287).

110

1997, conforme emenda.

111

National Water Act. Act 36 of 1998.

112

Ver parágrafo 25(c).

113

Ver capítulo 4.4.6. Um estudo recente encontra-se em Dyson, M. Scanlon, J. 2002. Trading in Water Entitlements in the Murray-Darling Basin in Australia – Realizing the Potential for Environmental Benefits, p14. IUCN ELP Newsletter. Issue 1, disponível em .

114

Ver National Competition Council, Compendium of National Policy Agreements – Second Edition, June 1998.

115

Ver National Competition Council, Compendium of National Policy Agreements at page 99.

116

Alguns países talvez já disponham de um regime doméstico que leva em conta os fluxos ambientais. Se assim for, é esse regime que deve ser considerado.

117

O programa de Direito Ambiental da UICN pode ajudar com uma série de modelos comparativos. Visitar: www.iucn.org/themes/law ou contatar o Centro de Direito Amboiental da UICN em: [email protected]

118

A responsabilidade pode recair em outro nível de governo ou em outro ministério/departamento.

119

National Wildlife Federation and others v. United States Army Corps of Engineers, 132 F.Supp.2d 876 (D. Or. 2001).

120

Ver as Recomendações de Berlim da Mesa Redonda Internacional sobre a gestão de águas transfronteiriças em 1998; ver também o Relatório da Comissão Mundial de Barragens, 2000.

121

Ver Agenda 21 para 18.22. Mais recentemente, a WSSD referendou a importância do papel da mulher e o Plano de Implementação reconheceque os resultados de Summit deveriam beneficiar a todos, em particular as mulheres, jovens, crianças e grupos vulneráveis.

122

A Declaração Política da WSSD abordou essa deficiência, insistindo na importância de envolver todos os grupos da sociedade.

123

Para informação sobre o ensino de Direito sobre a água, contatar o Centro de Direito Ambiental da UICN, Bonn em [email protected] A inauguração da Water Law Centre of Excellence, Mandela Institute, Witwatersrand University, South Africa, com o referendo da Comissão de Direito Ambiental da UICN, se realizará no Congresso de Parques da UICN, Durban, Setembro 2003.

124

King, J.M. Tharme, R.E. de Villiers, M.S. (eds.) 2003. Environmental flow assessments for rivers: manual for the Building Block Methodology. Water Research Commission Technology Transfer Report No. TT131/00. Pretoria, South Africa.

125

Acreman, M.C. King, J.M. 2003. Building capacity to implement an environmental flow programme in Tanzania. Report of a mission to Tanzania 3-13 December 2002 World Bank Environmental Flows Window, World Bank,Washington, EUA.

131

flow final portugues press.qxp

24/09/2007

10:00

PÆgina 132

Créditos das fotografias Página 18: © Akram Shahid/REUTERS Página 22: © Jackie King Página 32: © Jackie King Página 32: © US Fish and Wildlife Service, USA Página 50: © Tim Cullen / World Bank Página 55: © Reinout van den Bergh/Hollandse Hoogte Página 77: © Laurent Giraudou/Anzenberger Página 82: © ©Amit Dave/REUTERS Página 96: © Sukree Sukplang/REUTERS Página 102: © DWAF/South Africa Página 110: © Rafiqur Rahman/REUTERS Página 125: © Jackie King

132

Loading...

flow final portugues press.qxp - IUCN Portals

flow final portugues press.qxp 24/09/2007 9:57 PÆgina 1 Editado por Megan Dyson, Ger Bergkamp and John Scanlon flow final portugues press.qxp 2...

33MB Sizes 2 Downloads 23 Views

Recommend Documents

Negociar - IUCN Portals
Hay muchos tipos de acuerdos en torno al agua: políticas, leyes, cartas, códigos de conducta, contratos u otros acuerd

Report - IUCN Portals
la falta de higiene, la insuficiente atención sanitaria, la carencia de títulos de propiedad, el alcoholismo, el aumen

mauritanie mauritania - IUCN Portals
Apr 2, 1986 - désert, traquets à croupe blanche, pies grièches grises Lanius ...... suelo. La herbácea característi

informe - IUCN Portals
de una opinión por parte de la UICN en relación con la categoría jurídica de cualquier país ... de la vida humana.

traffic - IUCN Portals
spesies flora dan fauna liar yang terancam punah). Rupiah (mata uang Indonesia) .... Indonesia juga memiliki sejarah seb

crocodiles - IUCN Portals
Mogollon, Francisco. Carrera 49 #69-61. Barranquilla, Colombia. Moler, Paul E. Wildlife Lab, 4005 S. Main St. Gainesvill

Lycaenidae - IUCN Portals
Aug 24, 1992 - Biología y biogeografía de los licénidos ibéricos en peligro de extinción (Lepidoptera, Lycaenidae).

Maquetación 1 - IUCN Portals
Créé en 2004, le Parc National d'Al Hoceima est situé au Nord du Maroc, sur la façade méditerranéenne, à 150 Km e

IIED agroecology cov_spa.qxd - IUCN Portals
(CEESP) de la UICN. El Instituto Internacional para el Medio Ambiente y Desarrollo. (IIED) es un instituto internacional

Comunidades locales y pueblos indígenas - IUCN Portals
Sep 8, 2017 - La presentación del material en esta publicación y las denominaciones empleadas para las entidades geogr